sábado, 27 de julho de 2013

10 Truques Estranho Para Tornar a Sua Vida Mais Fácil

Nós todos sabemos que as coisas simples como exercício e uma dieta adequada são importantes para uma vida saudável mas num mundo onde todo a gente está à procura do caminho mais fácil, isso nem sempre é a melhor ajuda. Em vez disso, precisamos ver melhoras de repente. Aqui estão 10 truques estranhos e factos que podem ajudá-lo a chegar mais longe.

10 - Pensar na Vida Como um Jogo de Vídeo


A opinião prevalente relativa aos videojogos é que eles são uma perda de tempo. Mas de acordo com um estudo da Universidade de Michigan, os vídeo jogos podem ser eficazes ferramentas que nos permitem manter e melhorar os nossos relacionamentos. Um outro estudo mostrou que os jogos de vídeo se demonstraram mais eficazes do que a medicação para o tratamento de depressão e ansiedade. Com esse conceito em mente, um designer de jogos (enquanto recuperava de uma concussão) surgiu com a ideia de que esses benefícios são o resultado da forma como pensamos quando estamos a jogar. 

Ela criou um jogo chamado "SuperBetter” onde obstáculos da vida real eram vistos da perspetiva de um videojogo. Ela transformou cada fase da sua terapia em missões. As mudanças positivas eram "power-ups” e sempre que algo corria mal ela interpretava isso como sendo os maus da fita. E de acordo com a Forbes, este jogo funciona mesmo!


9 - Postura


A hierarquia social dita que cada grupo de duas ou mais pessoas, contém, pelo menos, um membro dominante e um submisso. Nem sempre é fácil de ver, mas as pessoas tendem a aperceber-se da linguagem corporal dos outros e reagem de acordo. Se você agir timidamente, eles vão assumir uma posição mais dominante, e vice-versa. 

E não é só os outros que reagem em relação a ti - a sua mente reage à sua própria linguagem corporal. Numa experiência na Universidade de Harvard, aqueles numa posição dominante tinham mais testosterona e menos cortisona (mais cortisona iguala maiores níveis de stress), e os resultados foram reservados para as pessoas na posição submissa. Com um simples ajuste á sua postura, as pessoas submissas revelaram que se sentiam mais confiantes e que conseguiam lidar melhor com o stress.

8 - Pare de Comer


A comida desempenha um fator importante nossos ritmos de sono. O corpo é normalmente controlado pelo ritmo circadiano, um relógio biológico, que geralmente se sincroniza com o ciclo de dia e noite. Mas, de acordo com pesquisa realizada por Clifford Saper, nós temos outro relógio interno – um destinado á comida - que pode entrar e assumir o controlo primário. 

Quando os animais têm uma fonte de alimento restrita, os seus corpos ajustam-se a um novo ritmo, que lhes permite procurar comida com mais frequência. Saper descobriu que este processo pode também ser utilizado por humanos. Se você se quiser ajustar a um novo horário de dormir, tudo que você tem que fazer é parar de comer 16 horas antes da hora a que você quer acordar. Se você está começando um terceiro turno num novo emprego e precisa de estar acordado as 9 da tarde, pare de comer as 5 da manhã desse mesmo dia. O corpo ajusta-se rapidamente a este ritmo, basta um dia para se adaptar.

7 - Não Tente Ser Bem Sucedido


A maioria das pessoas têm uma mentalidade em particular: se você trabalhar mais você será bem sucedido, e se você for bem sucedido, você vai ser feliz. Segundo o psicólogo Shawn Acor, a realidade é exatamente ao contrário. Sempre que você atingir uma objetivo, o seu cérebro aumenta o limiar do sucesso. O sucesso torna-se agora uma questão de conseguir um emprego melhor ou obter uma nota melhor no próximo teste. A sua definição de “bem-sucedido” vai aumentar sempre, obrigando-o a trabalhar mais. O que Acor descobriu foi que a felicidade é causada por se aperceber de fatores ambientais positivos ao invés de negativos. 

Ele concluiu que um cérebro com uma atitude positiva é 31% mais eficiente do que um com uma atitude neutra, estressada, ou negativa. Os médicos são 19% mais precisos com os seus diagnósticos quando pensam nos problemas com uma mentalidade positiva. estes resultados foram apoiados por outro estudo que mostrou que a gratidão levou a uma sensação geral de bem-estar. Então, basta apenas pensar positivo, e você vai ser mais feliz.

6 - Use a Outra Mão


A maioria de nós tem uma mão dominante e uma que não é muito útil quando se trata de tarefas diárias. Numa Transição imediata estranha, algumas pessoas têm dificuldade em controlar a sua raiva. Muitos de vocês provavelmente estão a ficar irritados só de ler isto. Mas há uma maneira incomum para reduzir essa agressão; de acordo com os estudos efetuados pelo Dr. Thomas Denson tudo o que você tem que fazer é usar a sua mão menos dominante. 

Denson descobriu que quando as pessoas fazem um esforço para usar a sua mão não-dominante para as tarefas diárias, os seus níveis de raiva diminuíram notavelmente ao longo de várias semanas. Os participantes foram colocados num scanner cerebral enquanto Denson os insultou repetidamente. Depois, eles foram incumbidos de utilizar a mão não-dominante por duas semanas. No final desse período, foram digitalizadas novamente, e Denson descobriu que os seus centro de agressão estavam menos ativos. Ao mesmo tempo, as partes do cérebro associadas ao autocontrolo tornaram-se mais ativas. Isso ocorre porque a exercer o autocontrolo numa área pode ajudar com o seu autocontrolo noutras áreas também.

5 - Limitar as Suas Opções


Em Num estudo realizado por Sheena Iyengar, os consumidores de um supermercado foram presenteados com uma mesa de amostras grátis - seis tipos de compotas. Noutro dia, a mesma mesa tinha 24 sabores no total. Enquanto a exibição maior atraiu uma multidão maior, apenas três por cento das pessoas realmente comprou uma das compotas. 

Na mesa de seis compotas, 30 por cento daqueles que provaram uma das amostras comprou um frasco. Quando nos é dada uma escolha, muitas vezes assumimos que vamos ser mais propensos a encontrar algo que gostamos numa seleção mais ampla. Mas quando apresentadas com muitas opções, as pessoas são mais propensas a não tomar uma decisão de todo.

4 - Musica


Por mais que ousamos música, não temos a menor ideia por que é que toda a gente gosta tanto de a ouvir. Quando os pesquisadores do Instituto de Ciências Médicas no Japão decidiu tentar encontrar a resposta eles descobriram que a música tem mais do que uma influência emocional em nós – também tem um efeito fisiológico. A música tem a tendência de melhorar a nossa neurotransmissão dopaminérgica, que é uma maneira elegante de dizer que liberta dopamina no cérebro. 

Normalmente, a dopamina está associada com o nosso prazer e centros cerebrais de recompensas, e ela também está intimamente relacionada com a dependência de drogas. Num certo sentido, ouvir música é agradável, porque nos dá uma "pedrada". Mas também tem outro efeito: o estudo descobriu que o nosso cérebro produz mais de um certo tipo de cálcio enquanto ouve música, e que esse cálcio é vital para a redução da pressão arterial. Depois de apenas 30 minutos de exposição a Mozart, a pressão arterial dos ratos baixou uns significativos 20 mmHg (milímetros de mercúrio),  que é a diferença entre a pressão sanguínea elevada e a normal.

3 - Utilize a Orelha Direita


Se você está tendo problemas a ouvir alguém, o que é que você faz? A maioria das pessoas estica o pescoço em direção a quem está a falar. Como se verifica, essa é a coisa perfeita a fazer - mas, provavelmente, não pela razão que você pensa. A maioria das pessoas está ciente de que o cérebro está dividido em dois hemisférios. Cada hemisfério é dominante em diferentes áreas, tais como perceber o som, e o hemisfério esquerdo é normalmente responsável pela linguagem. 

Os nossos ouvidos, direito e esquerdo, são também dominantes relativamente a diferentes funções. A orelha direita é melhor a receber um discurso que a orelha esquerda - o que faz sentido. Os sinais do lado direito do corpo acabam no lado esquerdo do cérebro. Então, da próxima vez que você não conseguir ouvir alguém, certifique-se de lhes dar a sua orelha direita, figurativamente.

2 - Cores Brilhantes


Duncan Smith liderou uma equipa de pesquisadores da Universidade de Essex para determinar como a cor afeta o humor e descobriu que as cores brilhantes têm um enorme impacto sobre o tempo de reação e a memória. Os participantes do estudo foram apresentados com cores "ensolaradas" e outros imagens sem graça, cinza e depois convidados a realizar uma série de testes cognitivos.A grupo a quem foram mostradas cores alegres e brilhantes teve em média, um resultado 25% melhor nos testes de acuidade mental do que aqueles a quem foram mostradas cores cinza. Ainda mais estranho, é que eles também tiveram um aumento de nove por cento na força física. 

Os pesquisadores concluíram que as cores brilhantes aumentaram a concentração, e que o vermelho parecia dar aos participantes mais confiança. Mas a cor vermelha prega partidas estranhas à mente humana em qualquer situação. Diana Widermann descobriu que o vermelho não só pode fazer de si um melhor atleta, mas também fazer os outros pensarem que você se está a desempenhar melhor. Ela pegou num vídeo de uma luta de artes marciais e digitalmente trocou as cores dos uniformes dos lutadores. Ela então mostrou as duas versões do vídeo a diferentes grupos de juízes. Ambos os grupos avaliaram o lutador de vermelho como o vencedor. Então, se você quiser ter sucesso, vestir vermelho não é um mau princípio.

1 - Codificação Elaborativa


O Campeonato de Memória dos EUA é uma competição anual em que as pessoas competem para memorizar o máximo de informação no menor espaço de tempo possível. Num dos eventos, são dados aos participantes cinco minutos para memorizar 500 números numa ordem específica. O recordista recitou corretamente 303 dígitos.

Como é que uma pessoa armazena toda essa informação? Se você lhes perguntar, eles dirão que a sua própria memória não é nada de extraordinário. Qualquer pessoa pode aprender a realizar esses feitos usando uma técnica chamada de codificação elaborativa. A ideia é que o cérebro humano é melhor a memorizar imagens do que qualquer outra coisa. E, por extensão, se você pode associar algo abstrato (como um número) com uma imagem o seu cérebro irá lembrar-se com mais facilidade.

Se lhe dermos um numero aleatório (tal como um numero de telefone: 91562837), com certeza que o conseguiria memorizar, mas será que se lembraria dele daqui a uma semana? Agora, tente o seguinte: Feche os olhos e imagine a sua sala de estar. Tudo parece normal, mas há quatro tigres roxos na cadeira ao seu lado. À sua esquerda, você vê um padeiro que leva sete pães. Acima dele estão cinco peixes, nadando pelo ar. Você pode ir por diante, associando cada número com uma imagem distinta. Isso cria uma "viagem de memória" de uma imagem para a seguinte, e quanto mais bizarra a imagem, o mais fácil é recordar a informação.

Nós não estamos realmente certos de como você fechou os olhos para imaginar isso e continuou lendo , você precisa nos ensinar esse truque. :-)

Sem comentários:

Enviar um comentário