segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Quando os EUA e a Al-Qaeda Lutaram do Mesmo Lado

"Só para constar, o tempo hoje está parcialmente suspeito com chances de traição." - Chuck Palahniuk, Diário

Em resumo

Em 1978, o governo moderado do Afeganistão foi derrubado por uma coalizão de oficiais militares de esquerda liderada por Nur Muhammad Taraki. Muçulmanos conservadores não aprovaram. Em 1979, a União Soviética enviou tropas para o Afeganistão para ajudar o governo de Taraki, mas eles se opunham por uma improvável coalizão de afegãos, Al-Qaeda, paquistaneses, da Arábia Saudita e os combatentes dos Estados Unidos.


O Alqueire Inteiro

A Guerra do Afeganistão de 1978-1992, foi uma guerra de ideologias, principalmente entre o comunismo e o fundamentalismo religioso, com um toque de interesses capitalistas baseadas nos EUA jogados em boa medida.

Em 1978, Muhammad Nur Taraki e outros oficiais militares afegãs derrubaram o governo do presidente Muhammad Daud Khan, a instalação de um regime comunista. O poder foi realizado principalmente por grupos políticos marxistas-leninistas, não as pessoas. De fato, ironicamente, a reforma comunista teve pouco apoio popular.

Como resultado, o governo afegão comunista começou a forjar uma estreita relação com a União Soviética. A União Soviética implantou tropas para o Afeganistão, quando os afegãos começaram uma rebelião para derrubar o governo comunista em 1979.

Além dos rebeldes afegãos nativos (os mujahideen), outro grupo subiu para lutar contra a União Soviética: Al-Qaeda. Liderados por um homem chamado Osama Bin Laden, Al-Qaeda era um grupo multinacional de jihadistas determinados a forçar a União Soviética do país e estabelecer um governo islâmico (mais tarde percebi através do Taliban). Al-Qaeda foi fortemente responsável pela formação, recrutamento, transporte e armamento da resistência aos soviéticos.

Os esforços dos rebeldes afegãos e da Al-Qaeda foram apoiados financeiramente pelo Paquistão, Arábia Saudita e Estados Unidos. Tal era a animosidade entre os Estados Unidos e a União Soviética que os EUA estavam dispostos a ignorar as ideologias mais ameaçadoras da causa afegã.

Mas os EUA financiaram Osama Bin Laden? Não exatamente. Grande parte do financiamento de Bin Laden veio de sua própria riqueza. Sua família possuía uma empresa de construção saudita extremamente bem-sucedida. O financiamento dos EUA foi para o Mujahideen. Apesar de serem do mesmo lado, os EUA e a Al-Qaeda, aparentemente, tinha pouco contato.

A União Soviética não se saiu bem na guerra. Depois de vários anos de luta, a URSS ficou com 15.000 causalidades e pouco progresso. Em 1988, os Estados Unidos (junto com o Paquistão e o Afeganistão) assinou um acordo com a União Soviética forçando-os a se retirar para o Afeganistão se tornar neutro, terminando sua aliança com os soviéticos. As tropas soviéticas haviam desaparecido em 1989.
Em 1994, o partido político radical islâmico, o Taleban, assumiu o controlo do Afeganistão. Enquanto isso, a Al-Qaeda direcionou seus esforços contra o seu ex-aliado de conveniência, nos Estados Unidos.

Sem comentários:

Enviar um comentário