terça-feira, 29 de abril de 2014

10 Provocantes Teorias da Conspiração Políticas

O mundo da política tem gerado um bom número de teorias da conspiração. Devido à loucura geral que geralmente enche a arena política, podemos ter a certeza de que as teorias da conspiração que vêm de fora são garantidas serem comprovadamente insanas também.

10- Aiatolá Ruhollah Khomeini era um Boneco Britânico

Os britânicos simplesmente não conseguem tirar uma pausa entre as teorias da conspiração islâmica. Além de serem acusados de criar Wahhabism para destruir o Islã, também foram marcados com os cérebros por trás da Revolução Iraniana de 1979.

Após a instalação do amigo do Oeste Shah Mohammad Reza Pahlavi como seu líder fantoche em troca de direitos de perfuração, os britânicos começaram a preocupar-se que a sua implementação contínua de reformas conhecidas populares como o Branco Revolução acabaria por conduzir o país para fora do seu controle. Para continuar a sua regra, alistaram-se e financiaram o exilado Ayatollah Ruhollah Khomeini, para liderar a derrubada do Xá.

Embora os fizesse culminar na expulsão deste último, os ingleses não conseguiram perceber que Ayatollah e o seu bando de radicais islâmicos também rejeitaram a influência ocidental. No entanto, a maioria dos iranianos de hoje continuam a acreditar que os britânicos realmente tinham uma mão para o ajudar ao poder; de fato, uma das piadas que funcionam do público vai que sob as barbas dos clérigos se senta um "Made in Britain" da marca.

9- O Plano da CIA para Destruir a União Soviética

De acordo com os teóricos da conspiração russa, o chefe da CIA, Allen Dulles, formulou um plano durante a Guerra Fria para plantar agentes e locais amigáveis para corromper todos os aspetos da sociedade soviética. Os agentes teriam subvertido a cultura local através da promoção de deboche e todos os tipos de vícios. Além disso, esses agentes secretamente penetravam nos mais altos escalões do governo e gradualmente influenciavam os altos funcionários em relação ao Ocidente.

Embora nenhum plano desse tipo já tivesse existido (na verdade, há um documento apoiando a teoria que vem em forma de um romance russo de ficção de 1971), isso não impediu os teóricos da conspiração de o promover durante o colapso pós-soviético na década de 1990. Desde então, tem gerado uma série de teorias da conspiração que na Rússia de hoje e o tema comum é a presença de elementos externos para destruir o país.

8- Os Armênios Fabricaram O Genocídio Para Enganar a Ajuda

Enquanto o genocídio armênio é muito bem documentado, muitos (incluindo o governo turco) continuam a negar que isso já aconteceu ou pelo menos diminuem o seu alcance. O chefe entre os negadores é Samuel Weems, um ex-advogado de Arkansas. No seu livro de 2002, Armênia: Os Segredos de um Estado Terrorista Cristão, Weems acusaram os armênios de fabricar o genocídio, a fim de continuar a receber fundos de países simpáticos.

Estes fundos, segundo Weems, patrocinavam atividades expansionistas e terroristas do país. Ele também afirma que as numerosas comunidades armênias nos EUA serviam principalmente para os interesses do seu país.

O livro de Weems rapidamente se tornou um pára-raios de críticas. A Assembleia Armênia da América descreveu-a "injusta", enquanto alguns estudiosos observaram que o preconceito e as inconsistências do autor fizeram o livro inacreditável. Também foi alegado que Weems, junto com outros historiadores revisionistas, tem sido supostamente pago pelo governo turco para refutar o genocídio.

7- O Enredo Muçulmano Para Assumir o Controlo da Europa

Para alguns teóricos da conspiração, os judeus não são os únicos com um alegado plano para dominar o mundo; os muçulmanos têm um também. De acordo com o escritor britânico Gisele Littman, o estado de "Eurábia" surgiu na década de 1970, quando a Comunidade Económica Europeia (a antecessora da União Europeia) concedeu várias concessões políticas à Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo. Na época, OAPEC tinha parado o envio de petróleo para o Ocidente, como castigo por apoiar Israel. Confrontados com nenhum óleo, a Europa teve de se curvar aos árabes. O que se seguiu foi uma série de projetos euro-árabes que incluíram a migração em massa de muçulmanos para a Europa. Por acordo, esses migrantes seriam totalmente protegidos pelo país europeu.

Embora os críticos condenassem as afirmações de Littman como infundadas e observassem os requisitos demográficos impossíveis, o seu trabalho tornou-se um ponto de encontro para aqueles que temiam que uma aquisição muçulmana da Europa realmente se tornasse uma realidade.

6- O Sistema Para Criar uma Maior Bangladesh

De acordo com os teóricos da conspiração indígenas, o governo de Bangladesh tem apoiado ativamente a transferência ilegal de mais de 20 milhões dos seus cidadãos em território indiano. Este movimento de massas permitiria ao pequeno e superpovoado país fornecer espaço de vida extremamente necessária para os seus cidadãos e também lhes permitiria difundir o Islã.

Embora o governo de Bangladesh negasse oficialmente que tal plano existisse, também praticamente se recusou a reconhecer a presença dos seus próprios cidadãos de lá. Isso tornou mais fácil para os imigrantes serem explorados ou implicados como bodes expiatórios, especialmente por parte das autoridades desconfiadas dos indianos que os considerava uma "ameaça à segurança". Há também um medo crescente de que, além do problema dos refugiados inevitável, a presença de Militantes islâmicos entre os imigrantes podia ainda criar uma outra situação semelhante à do Afeganistão.

5- A Conspiração Baha'i Contra o Irã

Deve ser difícil ser um membro da religião Baha'i hoje, especialmente no Irã. Desde que foi fundada no meio do século 19 pelo auto-proclamado messias Bahá'u'lláh, a religião tem sido acusada de qualquer teoria da conspiração que se possa imaginar e é tudo graças a uma falsificação infame da Rússia feita na década de 1930.

No que poderia ser considerado o equivalente aos Protocolos de Baha'i, As Confissões de Príncipe Dolgoruki acusou os russos de criar a religião Baha'i para minar o Irã e destruir o país. Depois disso, a religião sofreu acusações, uma após a outra, que vão desde o trabalho com os britânicos e americanos a conspirar com os judeus para assumir o Irã. Essas sequências de acusações levaram a perseguições sancionadas pelo estado perene contra os membros Bahá'ís. Hoje em dia, o governo do Irã tem sido rápido em culpar o Baha'i como a causa dos males sociais do país.

4- As Inúmeras Teorias do Assassinato de Lincoln

Até hoje, muitas teorias da conspiração questionam o suposto cérebro por trás da morte prematura de Lincoln. Muitos grupos e indivíduos, além dos confederados, foram acusados de levar a cabo o assassinato. Alguns acusaram a Igreja Católica e os jesuítas de dirigir o assassinato a mando do Papa. Banqueiros britânicos internacionais como os Rothschilds também têm sido implicados porque Lincoln ameaçava os seus planos financeiros.

Os próprios homens de Lincoln não foram poupados as acusações. Um comité do Congresso investigou o vice-presidente Andrew Johnson pelo seu papel. Embora ele fosse posteriormente cancelado, Johnson continuou a ser desconfiado pelo público durante décadas. Enquanto isso, o secretário de Guerra Edward Stanton e os republicanos radicais de Lincoln foram acusados de organizar o assassinato, porque se opuseram às políticas de reconstrução suaves de Lincoln e porque queriam mais controle sobre o Sul do pós-guerra.

3- A Conspiração da Surpresa de Outubro

A surpresa de outubro, no jargão político, refere-se a notícias de resultados de mudança que convenientemente surgem pouco antes de cada eleição nacional nos EUA. O termo entrou em uso popular depois do secretário do Estado Kissinger do presidente Nixon fazer a sua famosa declaração de "Mão de Paz" para assegurar que o seu chefe foi reeleito em 1972, enquanto a Guerra do Vietnã ainda estava furiosa por diante.

Provavelmente a mais famosa das surpresas de outubro veio durante a competição Reagan-Carter em 1980. Supostamente, com o objetivo de derrotar o Carter incumbente, Reagan fez um acordo com os iranianos para atrasar a liberação de 52 reféns americanos ainda no seu país; em troca, Reagan descongelava os seus ativos financeiros e fornecia-lhes armas. O que deu a esta teoria mais crédito foi o tempo quase impecável da libertação dos reféns. Apenas cinco minutos depois de Reagan terminar o seu discurso de posse, um avião que transportava os reféns voou para fora do Irã. Embora Reagan oficialmente negasse as acusações , especulações de que uma conspiração aconteceu continuam a grassar hoje, tudo graças a uma outra teoria da conspiração relacionada.

2- A CIA Matou a Surpresa de Outubro

De acordo com esta teoria, o famigerado Camarate acidente aéreo de 1980, que tirou a vida de Primeiro Ministro Português Francisco de Sá Carneiro e ao ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa, era realmente uma conspiração da CIA para silenciar a última partilha de conhecimento do negócio de armas de Reagan com o Irã. Da Costa tinha descoberto documentos incriminatórios de que Portugal estava a ser usado pelos EUA como um elo de ligação para as suas vendas ilegais de armas para o Irã. Ele planeava revelar esta evidência às Nações Unidas. Posteriormente, a CIA plantou uma bomba no seu avião para o calar.

Esta crença tem sido alimentada por numerosas investigações posteriores que nunca excluíam sabotagem. Além disso, uma nova investigação sobre o acidente, inaugurada em 2012, depois que um homem chamado Francisco Simões alegou que havia sido condenado e enviado em seguida pelos EUA para Portugal pelo futuro chefe da CIA, Frank Carlucci, para matar os dois ministros.

1- Os Britânicos Eram Iscas para os EUA Entrarem na Primeira Guerra Mundial

Como já assinalei antes, os britânicos não estavam acima de enganar os seus aliados através do Atlântico para se juntar a eles na Segunda Guerra Mundial. No entanto, distribuir um plano nazista falso para dominar o mundo não foi nada em comparação com a alegação de que os britânicos sacrificaram o seu próprio navio de passageiros, o RMS Lusitânia, para forçar os EUA a entrar na Primeira Guerra Mundial.

À frente dessa conspiração estava Winston Churchill por si mesmo. Como o Primeiro Lorde do Almirantado britânico, Churchill supostamente conspirava com outros oficiais de alta patente da Marinha para deixar os alemães afundar o navio enquanto ele carregava os cidadãos americanos a bordo. Para conseguir isso, eles deliberadamente deixaram o Lusitânia ir devagar, sem escoltas através de uma rota marítima conhecida por ser frequentemente patrulhada por submarinos alemães.

Céticos têm apontado que o navio de passageiros foi vítima de complacência britânica, não de conspiração. Devido à sua superioridade naval, o britânico subestimou seriamente a proeza naval do seu inimigo, levando à perda desnecessária de vidas civis.

Sem comentários:

Enviar um comentário