quinta-feira, 11 de setembro de 2014

A CIA Dedurou Nelson Mandela

"Nós transformámos Mandela para o ramo de segurança sul-Africano. Demos-lhes todos os detalhes, o que ele vestiria, a hora do dia, exatamente onde ele estaria. Eles o pegaram. É um dos nossos maiores golpes." - Oficial Sénior da CIA, logo após a captura de Nelson Mandela

Em Resumo

Nelson Mandela, mundialmente conhecido pela sua prisão na África do Sul como um prisioneiro político por 27 anos e da sua ascensão a presidente mais tarde na vida, passou a vida inteira a lutar contra o regime corrupto com que ele e milhares dos seus concidadãos foram atormentados por décadas. Mais do que qualquer outra coisa, a sua longa prisão foi o que o levou à fama e respeito internacional. O que muitos não sabem é que a sua captura inicial em 1962 foi orquestrada pela Agência Central de Inteligência.

A História Completa

Na ocasião, Mandela era o líder do Congresso Nacional Africano (ANC), durante o período, que trabalhou para derrubar o regime racista do apartheid branco da África do Sul. A sua organização utilizava meios civis e resistência armada para alcançar a sua meta de igualdade e liberdade para os cidadãos negros do país e, devido às suas atividades, foi declarada uma organização terrorista por muitos governos fora do país. 

A Mandela também foi dado este rótulo pelos próprios Estados Unidos e, como tal, foi proibido de entrar no país. O regime do apartheid da África do Sul recebeu apoio de empresas como a IBM e a Kodak e até mesmo do governo dos Estados Unidos. Foi a colaboração e partilha de inteligência que identificaram a localização de Mandela para o regime em 1962. Ele foi imediatamente levado e teve o seu primeiro mandato de prisão, de dezoito anos. Muitos dos seus companheiros lutadores da liberdade e políticos militantes também foram presos devido à assistência tanto da CIA como da NSA.

Foi somente em 1986, quando os dias do regime estavam contados, que o Congresso finalmente foi chamado para a libertação de Mandela, recuando da posição de que ele era um terrorista. Tanto os EUA como a Grã-Bretanha perceberam que o regime impopular havia perdido todo o apoio internacional e que era melhor sair no lado direito do conflito, mesmo que o ANC ainda fosse listado como uma organização terrorista. 

George Bush encontrou-se com Mandela a 25 de junho de 1990 e saudaram-no como um herói internacional e defensor dos direitos humanos. Durante os preparativos para a visita, ao então secretário de imprensa Marlin Fitzwater foi perguntado se o presidente iria pedir desculpas por ter ajudado a capturar Mandela em nome dos Estados Unidos. Surpreso com a pergunta, a sua única resposta foi: "Eu só não gosto quando as pessoas questionam as nossas motivações sobre negros ou sobre Mandela por causa de um incidente que aconteceu há 20 anos noutra administração."

Até este dia, o governo americano não emitiu nenhuma declaração pública de desculpas pelo seu papel na detenção e prisão de Mandela.

Sem comentários:

Enviar um comentário