sábado, 3 de janeiro de 2015

10 Crenças Sobre a Alma de Todo o Mundo

Algo dentro de todos nós faz-nos quem somos. Faz-nos indivíduos únicos e (ou assim dizemos a nós mesmos) nos sustenta após a nossa forma física virar pó e cinza. A ideia de que a alma é poderosa tem dominado as nossas mentes e imaginação durante toda a história.

10- A Ideia Verdadeiramente Antiga

Arqueólogos da Universidade de Chicago descobriram um memorial de pedra em Sam'al, Turquia, que prova que as pessoas na região acreditavam na alma há quase 3.000 anos atrás. As datas memoráveis remontam ao século VIII aC e a inscrição no monumento foi feita por um homem chamado Kuttamuwa. A pedra estava destinada a ser o seu monumento de enterro e pede aqueles que ele deixava para trás para celebrarem a sua vida mortal e a sua "vida prolongada", porque a sua alma vai viver dentro do monumento.

De todas as opções de vida após a morte, não temos a certeza da razão pela qual alguém iria escolher viver dentro de uma pedra

O conceito da alma na pedra tem feito os arqueólogos coçarem a cabeça. Noutras culturas circundantes, o normal era a crença de que a alma permanece no corpo após a morte, ligada aos ossos. Essa ideia de transferência da alma é estranha na Turquia. Essa crença está mais de acordo com as crenças do Egito, mas não há nenhuma outra evidência de uma reunião das culturas.

9- A Alma do Mundo

Esta ideia surge em várias teorias religiosas, especialmente no mundo antigo. Filósofos gregos, como Platão, viam o mundo como um ser espiritual.

Foi uma essência espiritual que envolvia tudo no mundo e toda a natureza. Mais tarde, as pessoas diziam que o mundo não foi desenvolvido quase tão espiritualmente. Com a criação veio o pecado e uma separação entre o mundano e o divino, e o mundo perdeu a sua alma.

A Renascença viu um ressurgimento na crença de que o mundo tinha uma alma e centrava-se numa conexão espiritual entre o mundo e todas as coisas vivas. Enquanto o cristianismo acreditava firmemente numa divisão entre o mundano e o espiritual, artistas viram conceitos como as proporções sagradas como prova de que tudo estava conetado.

Os Rosacruzes também eram conhecidos pela sua crença na alma do mundo. O mundo foi muitas vezes representado como um ponto preto no meio de um círculo, chamado de Germ dentro do Ovo Cósmico. O ponto no centro é o ponto focal para tudo e a própria alma do mundo consiste numa fina substância etérea em torno de tudo na criação.

O símbolo da alma do mundo como um ovo cósmico é um traço comum em toda a antiga religião, mitologia e filosofia. A ideia é encontrada em toda a Grécia (o ovo órfico), Egito (o ovo de Seb) e em histórias como Kalahansa, o Cisne da Eternidade e a colocação do ovo de ouro.

8- Alquimistas e a busca pela Alma

Alquimia foi sobre muito mais do que transformar metais em ouro. Porque o mundo tinha uma alma, alquimistas tinham a teoria de que a alma envolvia tudo e todos. A alquimia é a ciência da transformação, assim isolar a luz interior da alma do mundo deve transformar o mundo. Uma vez que estamos todos conetados pela anima mundi, cada um de nós tem o potencial para descobrir a sabedoria contida dentro da alma do mundo.

Com a filosofia de pessoas como Carl Jung, alquimistas começaram a olhar não só para a alquimia externa, mas a alquimia interna como forma de transformar a própria alma para canalizar e mudar o mundo ao nosso redor.

A teoria alquímica afirma que tudo no mundo cresce a partir de sementes plantadas dentro da alma. A natureza é, em si, um alquimista, criando a partir destas sementes da alma. Quando nós imitamos a natureza, abraçamos a alma e orientamos o crescimento, podemos criar diamantes, pedras preciosas, ou qualquer coisa que desejemos. Algumas sementes são mais naturalmente inclinadas a tornar-se certas coisas, tornando o processo alquímico mais fácil. Mas aprender a encontrar e cultivar a alma de uma coisa corretamente, o que o alquimista pode fazer em poucos minutos, poderia levar a natureza a avançar milhares de anos.

7- A Homérica Morte da Alma

Todos nós vamos morrer e aqueles que sacrificam as suas vidas em batalhas podme voltar para a ideia de que a morte física não é permanente. Mas, na Grécia antiga, e principalmente nos poemas de Homero, este absolutamente não era o caso.

A alma é referida como a coisa que faz uma pessoa estar viva. Depois que uma pessoa morre, a alma morre também. A alma não deixa o corpo e vive todo um reflexo de quem nós éramos na vida. Em vez disso, apenas uma versão fraca, pálida dos nossos antigos eus viaja para a vida após a morte. Ao invés de existente em toda a nossa glória espiritual, não somos nada mais do que uma sombra vaga e triste.

Ela coloca a ideia de sacrifício heróico na batalha em toda uma nova luz. Os heróis das obras de Homero não são capazes de confortar-se com ir para um lugar melhor ou subir para uma posição de status dentro do Campos Elíseos. Em vez disso, eles arriscam as suas vidas no campo de batalha e desistem de toda a sua essência numa tomada de sacrifício muito mais impressionante.

6- Decapitação

A Bíblia tradicionalmente reserva a decapitação para o pior dos crimes, por causa de crenças sobre a alma.

A lei rabínica abrange quatro mortes: apedrejamento, assassinato (decapitação), estrangulamento e cremação. Decapitação é reservado para o mais grave de todos os crimes- assassinato e idolatria. A severidade da punição está ligada a crenças antigas.

De acordo com os egípcios, a alma vive na cabeça e a decapitação destruiria a alma completamente. O decapitado não tinha vida após a morte. Não havia perdão. Não havia nada. Tão comum como a decapitação parece ao longo da história, especialmente com invenções como a guilhotina, estava entre as piores maneiras de morrer e entre as piores coisas que se podia fazer ao inimigo por causa da morte permanente e absoluta que resultaria.

Mais tarde, a tradição também considerou que os decapitados seriam enterrados separadamente a partir de criminosos executados de outras maneiras. Qualquer um decapitado era considerado entre as mais perversas pessoas e até mesmo enterrar outro criminoso executado ao lado deles era considerado tabu. 

5- Espirros

De acordo com uma história de destaque no Midrash (um grupo de ensinamentos baseados no Torá), um espirro significava a morte nos primeiros dias de existência da humanidade. Quando alguém espirrava, a alma deixava o corpo.

Foi assim até que Jacob orou para manter a sua alma depois de um espirro. Ele foi o primeiro autorizado a fazê-lo e agora, quando ouvimos alguém espirrar, dizemos "saúde" para desejar-lhe que mantenha a sua alma e a sua vida.

Espirros proporcionam uma sensação de alívio no corpo e, por extensão, alivia a alma. É um sinal de que a oração da pessoa foi ouvida e recebida.

De acordo com as crenças da polinésia, um espirro pode significar duas coisas diferentes. Às vezes, é um sinal de que a alma de uma pessoa não está a sair, mas a voltar de onde quer que vagou temporariamente. Também que a violência de um espirro é o culminar de uma luta entre a pessoa e a alma. Pode ser a luta da alma para sair ou pode ser outra alma a lutar para entrar no corpo.

4- Os 613 Canais da Alma Judaica

A reencarnação é, talvez, o mais associado com o budismo, mas a teologia judaica também ensina que cada alma atravessa a reencarnação. De acordo com a Kabbalah (antiga sabedoria), existem 613 canais diferentes dentro da alma, cada um associado com os membros e os vasos sanguíneos. Quando a alma está presente na sua forma terrena, a pessoa mortal é confrontada com escolhas ao longo da sua vida. Fazer o bem, escolhas morais purificam partes da alma, ao escolher mal, faz exatamente o oposto.

A alma só pode ser levantada para o Jardim do Éden, quando todos os 613 canais forem purificados. Isso requer pensamentos puros, ações e palavras. Pode demorar algumas tentativas antes da criatura mortal ser ligada à alma acerta. É aí que a crença judaica na reencarnação entra. Num processo chamado haneshamot giligul, uma alma renasce várias vezes até que todos os 613 canais atingem um estado de pureza. Quando os canais são purificados, são ressuscitados e as peças que ainda aguardam purificação renascem para o novo corpo e uma nova oportunidade.

Acreditava-se também que este processo de reencarnação provém de Adão, cuja alma própria continha dentro dela todas as almas que nunca iriam existir no futuro. A alma de Jacob realizava 70 almas, que foram, então, divididas em 600.000 almas - as almas do povo de Israel.

As tarefas de reencarnação de um indivíduo eram a reparação pelos pecados das suas vidas anteriores. Devia perdoar-se aqueles que pecaram contra nós numa encarnação anterior para purificar a alma. Em alguns casos, a alma pode ser tão apegada a alguma coisa neste mundo que, mesmo purificada, não sobe; em vez disso, volta, com o único propósito de ajudar os outros.

3- Caça-Cabeças Para a Substância da Alma

Albert Kruyt era um missionário holandês que trabalhou e viveu na Indonésia, na virada do século 19. O seu trabalho com os indígenas permitiu-lhe consolidar as teorias por trás da caça-cabeça e da alma numa teoria baseada em torno de um fluido de vida misteriosa. De acordo com Kruyt, tribos de caça-cabeça valorizavam as cabeças dos seus inimigos, não porque fossem troféus, mas porque eles continham uma substância da alma. Esta substância da alma poderia ser transferida de uma pessoa para outra, podia ser armazenado e poderia fortalecer uma comunidade inteira.

Caçar cabeças aumentaria a substância da alma de uma família, uma comunidade ou uma aldeia. A vila tornar-se-ia mais fértil, as culturas seriam mais saudáveis e produtivas e os animais seriam maiores e mais fortes, tudo levando a uma vida melhor. Sem a substância da alma extra nas aldeias, as culturas iria murchar e morrer, os moradores ficariam doentes e a própria comunidade iria cair em declínio.

Outros antropólogos que trabalhavam com diferentes culturas não conseguiram encontrar este conceito de um fluido que dá vida e sugeriram que é um modo muito europeu de justificar a ligação entre caçar cabeças e fertilidade e prosperidade.

2- Os Zumbis Têm Almas?

Inúmeros filmes de terror ensinaram-nos que zumbis não têm alma, são conchas vazias. Mas os zumbis do vodu são bastante diferentes

A palavra "zumbi" é pensada para vir do Nzambi, da palavra Kongo, que significa "alma". Quando uma pessoa morre, o seu corpo e alma são separados. Se a pessoa morre de forma traumática, súbita, pode abrir a sua alma para a captura por um feiticeiro, ou boko. Uma vez que a alma é capturada, Boko controla não só a alma, mas o corpo também.

O zumbi filosófico é indistinguível de um outro ser humano. Ele não tem uma alma ou uma consciência, mas por fora, age como todos. Comporta-se da mesma forma que qualquer outra pessoa, fala e move-se, só lhe falta as motivações internas que dizemos que a nossa alma proporciona.

Se os outros não podem dizer a diferença entre uma pessoa normal e um zumbi filosófico, onde isso deixa a importância da alma? Isso significa que eles devem ser tratados da mesma forma que as pessoas que dizem ter uma alma vivente?

1- Os Animais Têm Alma?

Tradicionalmente, os animais não têm sido designados com o mesmo tipo de alma dos seres humanos. Muitas religiões, incluindo o catolicismo, relacionam denominações - ensinam que os animais são capazes de sentir, mas não receberão o perdão divino, a absolvição do pecado ou a vida eterna da mesma forma que as pessoas podem.

Mas na década de 1960 ou 1970, o Papa Paulo VI disse a um menino, "Um dia, vamos ver os nossos animais novamente na eternidade de Cristo. O Paraíso é aberto a todas as criaturas de Deus." O menino estava de luto pela morte de um cão amado. (Esta citação foi recentemente amplamente atribuída erroneamente ao atual Pontífice, o Papa Francis.)

Isso é de nenhuma maneira o fim da discussão, muito pelo contrário. O Papa mais de longo reinado da Igreja, o Papa Pio IX, não só disse que os animais não têm consciência, como tentou pôr fim à criação de filial italiana da Sociedade para a Prevenção da Crueldade contra os Animais. Quase um século depois, o Papa João Paulo II discordou, elevando os animais, não só para terem almas, mas sendo tão importantes para Deus como a humanidade é. O Papa Bento XVI, em seguida, passou a dizer que, claramente, os animais não têm alma; os comentários do Papa Francis parecem sugerir que está a inclinar-se na direção dos animais que vão para o céu conosco.

O argumento é algo problemático por uma série de razões. A sugestão de que todos os animais têm alma coloca mosquitos no mesmo nível que os nossos amados cães e gatos e as forças norte-americanas a perguntar-se se nós devemos tratá-los da mesma forma. Isso também vale para os animais que comemos numa base regular

Sem comentários:

Enviar um comentário