segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

O Número do Diabo Não é o 666

"O inferno é mais suportável do que nada." - Philip James Bailey

Em Resumo

"666", o número muito citado de Satanás, ou talvez o seu código de área, não é a marca da besta, como a maioria das pessoas acredita. Apesar de ser menos memorável e certamente não tão original, o número real é 616, de acordo com um antigo fragmento da Bíblia. O fragmento antecede todas as outras cópias do Apocalipse, onde João, o misterioso autor, menciona a marca da besta como a tatuagem que terá que ter se quiser fazer negócios no novo mundo apocalíptico.

A História Completa

Se não estiver familiarizado com o livro do Apocalipse, é o último livro do Novo Testamento, em que o mundo essencialmente chega ao fim e o bem finalmente vence o mal. Mas não antes de um monte de coisas terríveis acontecer. Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse (Conquista, Guerra, Fome e Morte) são liberados para causar estragos no mundo. Após isso, acontece algum tipo de grande evento que também assola o mundo. Antes de qualquer outra coisa que é feita para arruinar a Terra, os fiéis são recompensados com isenção da próxima rodada de horrores. Fogo cai do céu, algum tipo de criaturas descritas como gafanhotos picam sem a imunidade anteriormente mencionada e um terço de tudo o que resta da humanidade é exterminada por uma cavalaria demoníaca.

Eventualmente, duas "bestas" fazem uma aparição, com um homem a tentar convencer que adora o outro animal. É neste ponto do Apocalipse que a humanidade fala na marca da besta, ou nas suas testas ou na mão direita. João escreve que as pessoas de boa vontade permitem-se ser marcadas porque não podem "comprar ou vender" sem ela. A marca em si pode ser qualquer uma das três coisas: um símbolo, o nome da besta ou o número dela. E é aqui que o número tradicional de "seiscentos e sessenta e seis", ou 666, entra. 

No entanto, em 2005, o número foi revisto, ou deveria ter sido, para 616,por causa de uma descoberta feita num lixão do antigo Egito, fora de Oxyrhynchus. Uma grande coleção de papéis realmente velhos, a maioria deles ilegíveis, foi descoberta. Entre eles estava um pedaço de um manuscrito do século III, que era do livro do Apocalipse. Nesta peça, assim, o novo número, 616, era dado como o número da Besta.

Este não é apenas um número aleatório também. Segundo o professor David Parker, os números eram usados nos tempos antigos para disfarçar o nome de um inimigo. Neste caso, 616 provavelmente refere-se ao imperador Calígula, do Império Romano, o poder dominante não-cristão do mundo na época.

Assim, 666 torna-se 616 e é importante para a interpretação do livro do Apocalipse, dando mais credibilidade à ideia de que não há previsão de um apocalipse real ainda ocorrer, mas uma crítica política do Império Romano, escondida em símbolos e números para evitar uma resposta imperial.

Sem comentários:

Enviar um comentário