segunda-feira, 25 de maio de 2015

10 Coisas Que Nunca Soube Sobre o Assassino BTK

Um dos assassinos em série mais diabólicos na história americana foi esquecido após séculos. Na década de 1970, Dennis Rader, o auto-intitulado BTK (Bind 'em, Torture' em, Kill 'em), aterrorizou Wichita, Kansas, com os seus crimes horripilantes. E então, desapareceu. Em 2004, ressurgiu do seu auto-exílio e, um ano mais tarde, estava atrás das grades por crimes que mal eram lembrados pelos residentes de longa data de Wichita. O seu desejo por atenção foi como um olhar fascinante dentro da mente de um assassino em série. A razão pela qual ele se tornou um monstro é um estudo de caso importante para evitar que outras pessoas o façam, ao passarem por uma fase mais obscura.

10- Os Oteros 

Quando Dennis Rader viu pela primeira vez a família porto-riquenha Otero, ficou paralisado. O seu foco principal era a mãe Julie Otero e a sua filha de 11 anos de idade, Josephine. Rader traçou um plano para atacar na manhã de 15 de janeiro de 1974, quando apenas Julie, Josephine e o filho mais novo, Joseph Jr., estariam em casa.


Rader foi apanhado de surpresa quando entrou e encontrou José Otero, o patriarca da família, ainda em casa. Ele conseguiu ganhar o controle da situação e, no seu pedido de liquidação 31 anos depois, descreveu em detalhes incrivelmente gráficos como vinculou, torturou e matou a família Otero.

O que sua confissão fez, no entanto, foi fornecer um olhar original para a mente de um assassino em série. Rader admitiu que estava completamente despreparado para o seu crime. Ele não sabia qual era a força necessária para tirar uma vida humana, por isso a sua primeira tentativa de estrangular Julie Otero falhou; ela acordou enquanto ele matava o seu filho Joseph. Rader focou-se em Josephine, levando-a para o porão, pendurando-a e depois ejaculou sobre ela. Foi essa ação que levou à sua prisão, porque o seu ADN combinava com uma amostra retirada da filha de Otero em 2005, ligando-o ao crime.

9- Fator X

Rader teve um raciocínio por detrás do seu assassinato. Um dos aspetos originais da série de crimes de Rader era o seu enorme ego; ele manteve contato com a imprensa na década de 1970, num esforço para espalhar o medo em Wichita. Numa carta, ele culpou o "Fator X", como a motivação por detrás dos seus assassinatos. Rader imaginava-se como um aficionado de assassinos em série e disse que todos, de Jack,  The Ripper de Ted Bundy ao Filho de Sam, tinha o mesmo Fator X.

Após a sua prisão, disse que o Fator X era: um demónio. Em 2007, descreveu-o como sendo algo que "controla" o seu desejo de matar. Afirmou que foi o Fator X que o empurrou naquele dia fatídico. "Eu sabia que em algum lugar ao longo do oitavo ano ou quandoe ra calouro na escola, tinha algumas tendências anormais naquele ponto no tempo. Mas isso explodiu a 15 de janeiro de 1974. Foi quando o jogo de bola explodiu. Sabe, em algum momento, alguém deveria ter escolhido alguma coisa de mim e identificado-a."

8- Revelou-se em "O Terror"

Parte do jogo de Rader foi a emoção sexual que tinha em criar o terror. Foi por isso que manteve contato com a imprensa; gostava de saber que era a razão pela qual o medo varreu Wichita na década de 1970. Rader escolheu as suas vítimas com cuidado, perseguindo-as por dias e semanas, aprendendo os seus movimentos, a sua programação e, então, cuidadosamente planeava o seu ataque. Na verdade, seguiu muitas mulheres e, se algo não desse certo a seu favor, seguia em frente. Algumas mulheres afirmaram, em 2005, estar convencidas de que foram perseguidas por BTK na década de 1970.

Rader observou Nancy Fox sair do trabalho um dia. Seguiu-a até à sua casa e, eventualmente, conseguiu saber o seu nome através da sua caixa de correio. Descobriu exatamente onde ela trabalhava (numa loja de jóias) e estudou o seu padrão. No dia 8 de dezembro de 1977, decidiu que era hora de atacar. Estacionou a poucos quarteirões de distância, confirmou que ela não estava em casa e cortou a sua linha de telefone (a marca do movimento BTK).

Após Fox chegar em casa e ser confrontada com Rader, ela permaneceu notavelmente calma. Ele mentiu e disse que estava "apenas" ali para violá-la e tinha que a amarrar e ela decidiu simplesmente ir com ele. Ele contou que com algumas das suas vítimas ele tinha um problema sexual e precisava de fazer um pouco de sexo bondage com elas. Fox perguntou se poderia usar o wc antes de apenas "acabar logo com isto." Quando ela saíu do wc, ele algemou-a, atirou-a para cama e estrangulou-a. Ela recuperou-se depois de uma pausa e Rader disse mais tarde que ele sussurrou ao seu ouvido, dizendo-lhe, "Eu sou BTK, sou um homem mau". E então ela realmente contorceu-se e ele matou-a. A emoção dela saber a sua identidade infame foi a emoção de Rader; depois dela morrer, ele masturbou-se sobre ela.
Foi o assassinato de Fox que levou a uma pista crucial. O assassinato foi como Rader poderia ter planeado, mas ele decidiu anunciá-lo. Relatou à polícia, "Vão encontrar um homicídio na 843 Sul Pershing. Nancy Fox." A sua pronúncia ímpar de "homicídio" foi pensada para ser uma pista, mas, na realidade, era simplesmente porque Dennis Rader era um idiota.

7- Dennis Rader Era Pouco Inteligente

Para um homem que se formou como um assassino génio do mal que aterrorizou Wichita, Rader era muito estúpido. A pronúncia de "homicídio" de 1977 foi vista como um indício, mas era apenas uma pista sobre o quão pouco inteligente ele era. A sua primeira comunicação à imprensa estava tão cheia de erros gramaticais que a maioria achava que era feito de propósito. Não era. "Escrevo esta carta para si por causa do contribuinte, bem como o seu tempo. Aqueles três homens que você tem em custódia estamos apenas a falar de obter publicidade para os assassinatos Otero. Eles não sabem nada em tudo. Eu fiz isso por mim e sem os ajudar. Não houve nenhuma conversa também. Vamos colocar isso em linha reta..." Essa foi a tentativa de Rader de apresentar a sua melhor gramática.

Rader era um estudante pobre na escola e na faculdade. Acabou por receber um diploma do Estado Wichita, mas foi quando era muito mais velho (e nos seus dias de assassinato). Certa vez, acidentalmente deixou um rascunho de uma comunicação para a sua esposa encontrar. Explicou-o como uma experiência de escrita numa das suas classes. Anos mais tarde, depois de ler sobre uma carta a um dos seus irmãos, ela observou: "Soletra-se exatamente BTK." Ninguém jamais colocou os dois juntos, apesar do surpreendente fato de que Rader não tentou esconder a sua gramática pobre ao compor as suas comunicações BTK.

6- Fotografou as Suas Vítimas 

Rader não se contentou em viver as suas fantasias sexuais sobre a carne. Ele também queria revivê-las, salvando o momento fotografando algumas das suas vítimas. Este comportamento foi especulado no início da investigação com base no posicionamento dos corpos e, depois da sua prisão, o público teve a oportunidade de ver a documentação dele.

Rader fotografou várias posições de bondage, armazenando algumas fotografias no porão da sua igreja. Em 1985, Rader invadiu a casa de Hedge, que vivia à direita da estrada da sua própria casa. Depois do seu convidado masculino ter saído, Rader arrastou-se para fora do seu armário e acendeu a luz do quarto dela. Quando ela se sentou na cama, ele pulou sobre ela e estrangulou-a até à morte. Então, colocou o seu corpo nu no porta-malas do seu próprio carro, dirigiu à Igreja Cristã Luterana, da qual se tornou presidente, e fotografou-a em várias posições sexuais bondage. Após a sua prisão, Rader ainda tinha todas as fotografias que tinha tirado nas suas cenas de crime.

5- O Único Que Desapareceu

Em 1978, Rader tinha um padrão estabelecido que, infelizmente, foi muito bem sucedido e encerrou vidas. Ele perseguia as vítimas, aprendia a sua rotina e realizava a sua morte. Depois do seu "sucesso" no controle do assassinato de Nancy Fox, perseguiu uma recente viúva, Anna Williams. Em abril, decidiu que chegara a hora e partiu para estrangular Anna Williams na sua casa.
Rader chegou à casa, à noite, furtivamente, cortou a linha do telefone e entrou por uma janela do porão previamente selecionada. Calmamente entrou na casa e percebeu que Anna não estava lá. Após procurar por lembranças (ele retirava alguma coisa de quase todas as vítimas), decidiu esperar que ela chegasse... e esperou... e esperou. Às 10:00 horas, ela ainda não estava em casa e um Rader enfurecido saiu da casa sem satisfazer a sua fantasia sexual.

Uma vez que Williams chegou em casa, horas depois de Rader sair, soube imediatamente que algo estava errado. A porta do quarto estava aberta e ela tinha a certeza de que estava fechada quando saiu. Agarrou no telefone para ligar para a polícia e não havia nenhum sinal de marcação. Correu para a casa de um vizinho e chamou a polícia. Após uma inspeção da polícia, um fio formado na forma de um laço estava ao lado da cama. Numa comunicação anterior, BTK prometera pendurar a sua próxima vítima.

Anna nunca ficou na casa após o arrombamento. Numa carta dirigida ao falecido marido de Anna, estava um par das sua meias-calças e um desenho do que Rader pretendia fazer a Anna. "Oh Anna porque não apareces?", foi o verso poético de Rader sobre o que pretendia fazer a Anna, a sua oitava vítima. O poema real, que não foi tornado público, foi realmente alterado para "Anna".

4- Localização, Localização, Localização 

A única coisa boa que saiu dos crimes hediondos de Rader foi que o seu ego inflado o fez falar em grandes detalhes acerca dos seus métodos. Como mencionado, Rader perseguia as pessoas por um tempo muito longo e escolhia as suas vítimas com cuidado. Não é um exagero dizer que os assassinos em série caem no mesmo padrão e um aspeto das suas vítimas foi crucial para o seu plano: onde as suas casas eram.

Ao discutir o primeiro crime, os assassinatos de Otero, Rader casualmente mencionou que a casa era uma casa de esquina. Ao escolher uma casa com vários pontos de saída, Rader facilitava a sua fuga. Rader também trabalhou para a empresa de alarme ADT e tinha conhecimento de como derrotar um alarme de casa. O seu trabalho com ADT e mais tarde como coletor de cães para Park City, Kansas, deu-lhe uma ampla oportunidade de conduzir ao redor de locais de escoteiros para os seus assassinatos. A segunda tentativa de Rader de assassinato foi quase a última. Ele achou Kathryn brilhante e escolheu-a como a sua próxima vítima. Inesperadamente, ela chegou em casa com o seu irmão Kevin, quando Rader esperava por ela. Quando Rader tentou estrangular Kevin, ele lutou ferozmente e, Rader, em pânico, atirou nele. Rader foi, depois, atrás de Kathryn e ela também lutou. Rader acabou por esfaqueá-la e atirou em Kevin novamente após outra luta.

Este sucesso não foi como ele planeara e quase fez com que fosse capturado. No entanto, pela aferição da localização, ele foi capaz de estacionar a apenas uma quadra de distância. Rader definiu-a como vítima ao vê-la sair da sua casa. A sua casa cobria as suas necessidades em termos de acesso a uma rota de fuga. Kevin sobreviveu aos tiros, mas a sua irmã Kathryn morreu nas mãos de Rader. Apenas um lote vazio permanece em 3217 Leste 13ª St Norte, Wichita. É um terreno de esquina.

3- A Sua Preguiça Fez Com Que Fosse Apanhado

Em 2004, o advogado Robert Beattie decidiu escrever um livro sobre os assassinatos de BTK. Fazia 30 anos desde os assassinatos iniciais e, tanto quanto a polícia sabia, os assassinatos pararam no final de 1970. O Pesadelo em Wichita seria a sua homenagem às vítimas, trazendo um holofote sobre os crimes há muito esquecidas.

Em março de 2004, o Wichita Eagle recebeu uma carta de um Bill Thomas Killman, com um endereço de retorno falso. Dentro dela havia uma cópia da carteira de motorista de Vicki Wegerle e fotografias da cena do crime. Quando a polícia chegou, Wegerle ainda respirava e foi levada às pressas para o hospital. BTK era o assassino de Wegerle, quase 9 anos depois do seu último assassinato conhecido. Ele também confirmou aquilo em que a polícia acreditava: BTK fotografava as suas vítimas. Rader queria controlar a sua história e queria contar a sua própria versão dos acontecimentos, em vez de deixar um advogado ganhar dinheiro com a sua glória.

Rader comunicou com a polícia e os meios de comunicação 11 vezes, com muito a dizer. Escreveu algo como um livro, rotulando as comunicações como "capítulos", em que incluiu um puzzle de palavras que descaradamente continha o seu sobrenome "Rader" escondido nas letras. Sentia-se à prova de balas e queria receber a sua história. Ele imaginou que seria muito mais fácil se simplesmente colocasse tudo numa disquete e enviasse por correio. Na comunicação que facilitou a sua captura, o "Rice Krispies Box Communique", pediu à polícia numa pequena nota "Posso comunicarme e não ser atribuído a um computador. Seja honesto." A nota pedia que fosse colocado um anúncio se de fato era indetectável. A polícia mentiu e respondeu no código predeterminado afirmativamente, "Rex, será OK."

Rader via-se a si mesmo como um génio e em pé de igualdade com as autoridades quando isso não podia ter estado mais longe da verdade. Na Igreja Cristã Luterana, Rader disse ao pastor que tinha poucos minutos para fugir para uma reunião. Em vez disso, inseriu o disco no computador da igreja e documentos impressos para acompanhar o disco no e-mail, sem saber que o disco seria incorporado com o nome de usuário do escritor, Dennis, e a localização do computador. Os metadados mostraram que o disco tinha sido salvo na Biblioteca Municipal de Park & Christ Lutheran Church. A pesquisa básica na Internet encontraria Dennis Rader como o Presidente da Igreja Cristã Luterana.

Ele cometeu dois erros: levar o disco para a Igreja e não entender que nada é verdadeiramente excluído de um disco ou computador. A 25 de fevereiro de 2005, a caminho de casa para o almoço, Rader notou uma longa fila de carros de polícia e imediatamente soube que fora apanhado a jogar o seu jogo. Uma vez sob custódia, ele estava mais ofendido pela traição. Ele perguntou: "Porque é que me mentiu?" A polícia de Lt. Ken Lendwehr respondeu: "Porque estávamos a tentar apanhá-lo."

2- A Filha de BTK 

As autoridades já tinham provas circunstanciais para identificar Dennis Rader como BTK. Numa das suas comunicações, em 2004, ele deixou uma caixa de flocos de arroz num Home Depot. As câmaras de segurança voltadas para o estacionamento notaram um veículo a circular e a parar brevemente. A polícia identificou o veículo como pertencente a Dennis Rader. Com o seu veículo e disquete, a polícia sentiu-se confiante de que iriam obter uma amostra de ADN.

Rader masturbava-se em praticamente todas as cenas do crime e, apesar das provas de ADN não existirem na década de 1970, a polícia salvou cuidadosamente as amostras de todas as cenas. No início de 2005, a polícia recuperou o ADN de Kerri Rawson, a filha casada de Dennis Rader. A família Rader, a sua esposa e os dois filhos, recusaram todos os pedidos da mídia, naturalmente. À esposa de Rader, Paula foi, concedido um divórcio de emergência enquanto Dennis estava na cadeia e os seus filhos não tinham vontade de contar as suas vidas.

Em 2014, a filha, Kerri, finalmente contou a sua história. A única coisa que praticamente falou foi sobre o assassinato de Nancy Fox. Ela percebeu que a mãe estava grávida de três meses enquanto o seu pai foi tirar a vida de Fox. Kerri decidiu comentar depois de saber de uma história de Stephen King, The Good Wife, que claramente é inspirada pelos crimes de BTK, completo por ser com uma mulher que não sabe sobre a vida dupla do marido. A justaposição da sua própria vida. "Estás vivo. Há quase uma culpa lá, por estares vivo. Eles morreram. E tu tens que viver. E o meu pai tem que me levar até ao altar no meu casamento. Ele deveria ter ido para a prisão em 1974. Ele não deveria ter tido o direito de nos ter. Outras pessoas tiveram as suas filhas tiradas de perto deles." Num episódio irónico demais para ela, ela perdeu a fé após a morte de amigos em 1992. Anos mais tarde, uma aventura de caminhada angustiante assustou-a e foi o seu pai que a encorajou para rezar pela força. Depois dela conseguir sair, encontrou a religião novamente. Foi a morte que a fez perder a fé e a compaixão do seu pai, que recuperou.

1- BTK Quer Ajudar as Famílias Das Suas Vitímas

Dennis Rader é um covarde e um assassino cruel; não há nenhuma dúvida acerca disso. Ele arruinou as 10 vidas que tirou e fecausouz danos incalculáveis aos membros sobreviventes da família. Charlie Otero, a mais velha criança Otero, sofreu muito com a perda dos seus pais e dois irmãos mais novos. Ele chegou a casa pouco depois dos seus dois outros irmãos descobrirem a cena do crime macabro. A vida de Charlie terminou naquele dia para todos os efeitos, perdeu a sua fé, perdeu o desejo de alcançar os seus objetivos de carreira (Wichita State e uma carreira na Força Aérea, como o seu pai) e tornou-se obcecado por descobrir quem matou o seu pai. Não soube até muito mais tarde que foram vítimas de um assassino em série; ele acreditava que o seu pai fizera um trabalho clandestino para o governo e fora um ataque de retaliação.

Rader não pode trazer de volta os Oteros, mas, da sua própria maneira, está a tentar fazer as pazes. Rader concordou em facilitar um livro sobre os crimes. Isso poderia, obviamente, ser uma tentativa de controlar a situação novamente, como Rader tentou fazer em 2004, aquando da aprendizagem de um livro, mas agora diz as coisas certas quando perguntado sobre a sua participação. "Nunca poderei substituir os seus parentes queridos, os meus atos são muito "obscuros" para se poderem entender, um livro ou um filmee, é a única forma de ajudá-los... São pessoas como eu, precisam entender, portanto, o campo profissional criminal, pode melhor ajudar, sob a mente criminosa. Isso seria o meu caminho para ajudar a dívida com a sociedade".

Uma parte da renda será revertida para financiar uma das vítimas, num esforço para ajudar financeiramente as famílias de todos estes anos, mais tarde. Nenhuma quantia de dinheiro pode substituir as vidas perdidas, no entanto. Em 2005, Jeff Davis, filho de Dee Davis, vitíma de 1991, (a última vítima de BTK), disse que "ele não é humano e não tem alma ou consciência... apenas um buraco negro dentro da concha de um ser humano." Dada a história de Dennis Rader, a sua releitura alegre dos crimes em tribunal e as suas recordações das vítimas, quanto é que isto vai dar de volta às famílias das vítimas e quanto é que vai valer apenas para ele reviver os seus crimes?

Sem comentários:

Enviar um comentário