sexta-feira, 21 de agosto de 2015

10 Comentários Sobre Carne Humana Feitos Por Canibais Reais

O canibalismo é um dos maiores tabus da civilização humana. Mas existem algumas pessoas que provaram a carne humana e algumas delas têm compartilhado os seus pensamentos sobre os "gostos".

10- Arthur Shawcross 


Em 1972, Arthur Shawcross matou um menino e uma menina em Watertown, Nova Iorque. Foi para a prisão pelos crimes, mas foi solto depois de cumprir menos de 15 anos. O seu registo foi selado quando se mudou para Rochester, Nova Iorque, em 1988, onde começou a matar prostitutas, reivindicando 11 vidas antes de ser capturado.


De volta na prisão, Shawcross começou a tecer comentários sobre algumas das coisas nojentas que fez às suas vítimas, incluindo um número de casos de canibalismo. Alegou ter comido carne humana primeiramente enquanto servia no Vietnã, onde supostamente seguiu duas mulheres para a selva, massacrando-as e comendo-as. No entanto, não há nenhuma evidência de que ele realmente tenha feito isso. Também alegou ter comido os órgãos genitais de quatro prostitutas e o coração do menino de 10 anos de idade que matou. Os corpos estavam muito decompostos para se verificar isso, mas eles foram horrivelmente mutilados.

De acordo com Shawcross, a carne humana tem o gosto a queimado de um bom porco assado. Em correspondência com o escritor Christopher Berry-Dee, Shawcross reiterou que a carne humana tem gosto de carne de porco, o que sugere que as pessoas devem pensar bem na próxima vez que se sentarem para comer presunto, bacon ou uma boa carne de porco suculenta.

9- Peter Bryan 


A longa história de violência de Peter Bryan começou quando os proprietários da loja em que trabalhava o despediram por roubo. Em resposta, Bryan bateu na sua filha de 20 anos de idade até à morte com um martelo, antes de tentar cometer suicídio ao pular de uma varanda. Verificou-se que era um doente mental e foi colocado num hospital psiquiátrico de segurança máxima em 1993.

Nove anos mais tarde, foi libertado da máxima segurança e transferido para outro hospital, onde acabou por lhe ser concedida a permissão para deixar a enfermaria sem supervisão. Naquela mesma noite, ele deixou o hospital, foi até ao apartamento de Brian Cherry, de 43 anos de idade, e espancou-o brutalmente até à morte com um martelo. Em seguida, usando uma serra e uma série de facas, amputou-lhe os braços e a perna direita. Quando a polícia chegou, encontraram matéria cerebral numa frigideira no fogão.

Bryan disse que tinha cozinhado o cérebro na margarina, que provara e era "muito bom". Acrescentou que também tinha provado carne das pernas e dos braços de Brian, o que descreveu como sendo de degustação bastante parecida com galinha.

Após a sua prisão, Bryan foi colocado de volta a um hospital psiquiátrico, onde assassinou outro preso em 2004. Bryan disse que queria comê-lo, mas não houve tempo suficiente para cozinhá-lo.

8- Alexander Selvik Wengshoel 


Em 2010, o norueguês de 21 anos de idade, estudante de arte, Alexander Selvik Wengshoel, estava programado para ter o seu quadril substituído devido a um defeito de nascença que o deixou dependente de muletas ou de uma cadeira de rodas para se mover. No ano que antecedeu a cirurgia, Wengshoel conseguiu convencer o médico a deixá-lo levar para casa o osso do quadril removido. Wengshoel não sabia o que queria fazer com ele, mas sabia que queria usá-lo na sua arte de alguma forma.

Quando chegou a casa após a cirurgia, Wengshoel começou a ferver o quadril e a raspar a pouca carne ainda agarrada a ele. Percebendo que esta era uma oportunidade única, decidiu provar um pedaço de carne, descrevendo-o como "muito bom." Depois disso, decidiu fazer uma refeição com a carne restante do osso. Havia apenas um punhado de carne, de modo que o prato era apenas um aperitivo, servido com batatas au gratin e um copo de vinho. De acordo com Wengshoel, "Tinha sabor de carneiro selvagem, era muito bom."

7- Tobias Schneebaum 


Tobias Schneebaum era um artista americano que ganhou uma bolsa Fulbright para estudar arte no Peru, que viajava por todo o caminho de Nova Iorque em 1955. Ao longo do caminho, ouviu falar de uma tribo chamada Arakmbut, que vivia na selva e caçava com arcos e setas. Decidindo que parecia interessante, partiu sem uma bússola para encontrá-los. Embora a tribo Arakmbut tivesse uma reputação feroz, saudaram Schneebaum, para quem foi um prazer encontrar a tribo que aceitava a homossexualidade, que ele tinha sido perseguido em Nova Iorque. Ele logo resolveu ficar com eles para o resto da sua vida.

Isso mudou depois dele ser convidado para o que pensava ser uma caçada. Em vez disso, a tribo Arakmbut atacou outra aldeia e matou as 6 pessoas que encontraram lá. Após o massacre, assaram alguns dos corpos a dançar ao redor do fogo. Schneebaum ficou horrorizado, mas acabou por ser estimulado a juntar-se à dança. Quando a tribo Arakmbut começou a distribuir pedaços de carne humana, Schneebaum comeu um pouco. Após o incidente, reconsiderou ficar com a tribo e, eventualmente, saiu da selva peruana coberto de tinta.

As memórias de Schneebaum, Keep The River à sua direita, tornou-se um clássico. Ele geralmente arrecadava dúvidas sobre o gosto da carne humana, explicando que estava muito preso ao momento para recordar o gosto e ele não queria que as pessoas pensassem nele como um canibal. No entanto, menciona uma única vez que provou um pouco como carne de porco. Mais tarde, acrescentou: "Tudo o que vou dizer é que eu gosto da minha carne bem feita, o que não era o caso."

6- Omaima Nelson 


Omaima Nelson nasceu no Egito e mudou-se para os Estados Unidos para se tornar modelo. Em 1991, conheceu William Nelson, de 56 anos de idade, com quem se casou dois meses depois. Não era uma união feliz, Omaima acusava o marido de espancá-la e violá-la. Apenas três semanas depois do casamento, ela disparou e matou-o. Numa tentativa de destruir as provas, desmembrou o seu corpo, fritou as suas mãos e ferveu a cabeça.

O assassinato tornou-se verdadeiramente bizarro quando Omaima removeu as costelas do seu marido e as revestiu com molho barbecue "como num restaurante" e cozinhou-as. De acordo com um psiquiatra, Omaima disse-lhe que mordeu as costelas, exclamando em voz alta: "É tão doce, é tão delicioso... Eu como a minha proposta."

A polícia foi alertada para o crime depois de Omaima ingenuamente pedir a um amigo para a ajudar a livrar-se do corpo. Acabou por ser considerada culpada de assassinato em segundo grau e condenada a prisão perpétua. Ela disse mais tarde que não tinha comido o marido, mas estava a aplicar para a liberdade condicional na época e a liberdade condicional não é geralmente dada aos canibais.

5- Jeffrey Dahmer


O notório canibal Jeffrey Dahmer Milwaukee tirou a vida de 17 jovens entre 1978 e 1991. Dahmer nunca falou abertamente sobre o seu canibalismo, mas quando foi preso, discutiu um pouco com o FBI. Disse que iria cortar pedaços dos corpos, geralmente a partir dos bíceps e coxas e também iria cortar alguns dos órgãos. Levaria os músculos ou os órgãos e iria picá-los em pedaços pequenos, que iria cozinhar numa frigideira no seu fogão.

Quanto ao que Dahmer pensava do sabor, ele disse que era semelhante ao filé mignon, que é cortado da extremidade menor do filé mignon. É considerado o maior concurso de corte de carne e muitas vezes chamado de "rei dos bifes."

Dahmer foi condenado a prisão perpétua em Fevereiro de 1992 e foi assassinado por um companheiro preso dois anos depois.

4- William Seabrook 


William Seabrook era um repórter do New York Times, mas é mais conhecido pelos seus livros de viagem verdadeiramente bizarros. Uma das suas obras mais notáveis é Maneiras da Selva, publicada em 1931. O livro detalha uma viagem à África Ocidental, onde ele encontrou uma tribo conhecida como Guere, que consumiam carne ritualmente de membros de tribos recentemente falecidos. Curioso para saber qual era o gosto da carne humana, Seabrook decidiu experimentar alguns.

Há duas histórias diferentes sobre como Seabrook começou a comer carne humana. Segundo o próprio Seabrook no livro, ele simplesmente se juntou ao Guere. Outra história afirma que isso não aconteceu e que Seabrook realmente cometeu canibalismo no seu retorno a França, onde persuadiu um hospital interno para tirar uma parte de um cadáver fresco.

Independentemente de como começou a comer carne, Seabrook, provavelmente, era um verdadeiro canibal e descreveu o sabor da carne humana. De acordo com ele "Era como uma boa vitela, totalmente desenvolvida. Não era como qualquer outra carne que eu já tivesse experimentado. Era quase um bovino e eu acho que uma pessoa com um paladar de sensibilidade normal comum não poderia distingui-la da carne de um bovino".

3- Jorge Negromonte Da Silveira 


Em abril de 2012, o brasileiro Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, a sua mulher, Isabel Cristina Pires, e a amante, Bruna Cristina Oliveira da Silva, foram presos em conexão com o assassinato de uma mulher sem-teto. Depois de serem levados em custódia, rapidamente admitiram ter morto duas outras jovens também. Em todos os três assassinatos, o trio canibalizou os corpos e vendeu a carne.

Numa entrevista, Silveira falou do sabor e da consistência da carne humana. Disse que o grupo tinha três receitas diferentes para cozinhar a carne humana. A primeiro era guisar a carne, um guisado mexicano que muitas vezes usa carne e é cozido lentamente. Outra opção era um prato brasileiro à base de mandioca, conhecido como macaxeira. Mas o trio tornou-se mais notório por fazer empadas, tradicionais tortas de carne brasileiras, que muitas vezes vendiam aos seus vizinhos desavisados.

A Silveira foram concedidos 23 anos de prisão, enquanto a sua esposa e a amante receberam 20 anos cada. Silveira diz que é uma coisa boa estar na prisão, porque senão ele certamente mataria de novo.

2- Issei Sagawa 


Um dos mais notórios canibais na história recente é Issei Sagawa, do Japão. Sagawa estava a estudar em Paris quando conheceu a estudante holandesa, de 25 anos de idade, Renee Hartevelt. A 11 de junho de 1981, Hartevelt foi visitar Sagawa ao seu apartamento, quando atirou nela pelas costas. Depois dela estar morta, Sagawa passou dois dias a comer partes do seu corpo.

No seu livro de memórias, Sagawa disse que comeu a carne vermelha das suas nádegas. Disse que foi insípido e inodoro, mas derretia-se na sua língua como sashimi de atum cru. Ele cozinhou a carne do seu quadril numa assadeira, descrevendo-o como decente, mas insípido até acrescentar mostarda e sal. Ele também cozeu partes dos seios de Hartevelt, mas não gostou deles porque eram muito gordurosos. A sua carne favorita foi a carne das coxas, que descreveu como "maravilhosa".

Sagawa foi preso três dias mais tarde, depois de testemunhas o verem a eleminar o corpo. Ele foi declarado insano e colocado num asilo. Em 1985, foi deportado de volta para o Japão, onde o encontraram são, mas mau. No entanto, as autoridades francesas recusaram-se a entregar as provas necessárias para um julgamento criminal. Uma vez que as autoridades japonesas o declararam são e não poderiam julgá-lo como um criminoso, Sagawa tornou-se um homem livre. Após a sua libertação, escreveu um livro e tornou-se uma celebridade no Japão. No entanto, numa entrevista mais tarde, voltou atrás em algumas das suas reivindicações: "No meu livro, escrevi que era bom, mas isso não era verdade; eu prefiro comer carne Matsuzaka [Kobe]. Mas porque tinha desejado consumir carne humana durante tanto tempo, tinha conseguido convencer-me de que seria necessariamente deliciosa."

1- Armin Meiwes 

O infame canibal alemão Armin Meiwes postou um anúncio na Internet a anunciar que estava à procura de "pessoas bem construídas de 18 a 30 anos de idade, para serem abatidas e consumidas." De acordo com Meiwes, o anúncio recebeu mais de 200 respostas. Depois de conhecer um jovem, encontrou Juergen Brandes, de 41 anos de idade, que concordou em ser comido. A 9 de março de 2001, os dois encontraram-se e tiveram relações sexuais, antes de Meiwes cortar o pénis de Brandes para que eles pudessem comer. Primeiro, tentaram consumi-lo cru, mas acharam que era muito "elástico". Meiwes tentou cozinhá-lo usando alho e manteiga, mas acabou por queimá-lo.

Após 10 horas de espera com Brandes a sangrar até à morte, Meiwes matou-o, pendurou o seu corpo num gancho de carne e começou a entalhar a carne. Ao longo dos 10 meses seguintes, comeu cerca de 18 kg (40 libras) de carne humana. Em entrevistas posteriores, Meiwes disse que cozinhava o filé com sal, pimenta, noz-moscada e alho e acompanhava com croquetes e couves de Bruxelas com um molho de pimenta verde. Para beber, preferia um copo de vinho tinto Sul-Africano. E o que Meiwes pensava da carne? Ele disse que era um pouco difícil de comer, mas muito boa.

Meiwes insistiu que a morte de Brandes foi suicídio assistido ao invés de assassinato. Ele foi originalmente condenado a oito anos e meio de prisão por homicídio culposo, mas perdeu um novo julgamento e foi condenado a prisão perpétua. Ele agora é vegetariano.

Sem comentários:

Enviar um comentário