terça-feira, 24 de novembro de 2015

10 Casos de Estudos Fascinantes da Carreira de Sigmund Freud

As ideias e teorias de Sigmund Freud podem parecer ultrapassadas hoje, mas não há como negar a influência que ele teve no avanço das técnicas de psicologia e da psicanálise. Todos já ouvimos as histórias sobre como tudo volta ao sexo com Freud, mas vale a pena ler sobre alguns dos seus pacientes mais fascinantes.

10- Mathilde Schleicher 


Mathilde Schleicher foi uma das primeiras pacientes de Freud, quando começou a sua prática como "médico de nervos" em 1886. A sua história é bastante desoladora. Schleicher era uma música cujos problemas começaram a sério quando foi abandonada pelo seu noivo. Ela sempre foi propensa a enxaquecas e os seus problemas de saúde mental ficaram fora de controle, fazendo-a cair numa depressão profunda e obscura. Ela foi encaminhada para Freud para realizar o tratamento e ele começou uma série de sessões de hipnoterapia. Isso ocorreu em abril de 1886. Em junho de 1889, ela tinha conseguido sair da depressão e estava tão grata por toda a sua ajuda que ela ainda o presenteou com um livro inscrito, agradecendo-lhe por tudo o que ele tinha feito por ela. 

Dentro de um mês, no entanto, a sua depressão transformou-se em manias e insónias. Ela falava constantemente sobre a fama e a fortuna que ia ganhar com a sua carreira musical e também sofria de convulsões regulares. Freud encaminhou-a para o médico privado e para a clínica do Dr. Wilhelm Svetlin, onde foi diagnosticada não só com o que mais tarde se tornaria conhecida como psicose maníaco-depressiva ou transtorno bipolar, como também como ninfomaníaca. Outras indicações sugerem que os seus problemas eram ainda mais profundos. Ela aparentemente acreditava que cada um dos seus movimentos intestinais era um nascimento e iria tentar esconder as suas "crianças" sob o seu travesseiro.

Schleicher passou os sete meses seguintes num cocktail contínuo de sedativos como o ópio, a morfina, o hidrato de cloral e até cannabis. Aos poucos e, talvez sem surpresa, os episódios maníacos diminuíram e ela saíu da clínica em maio de 1890. Morreu em setembro, com Freud ainda a tratar a sua depressão, agora com hidrato de cloral e uma nova droga chamada sulfonal. Ninguém notou que a sua urina tinha sido preenchida com sangue, um sinal de danos no fígado causados pela sua medicação, até que fosse tarde demais.

9- O Pequeno Hans 


Freud trabalhou com um menino de 5 anos de idade, a quem chamou "Pequeno Hans", que foi trazido a Freud pelo seu pai. O pai foi à procura de ajuda devido ao medo que Hans tinha dos cavalos. Dado que tinha 5 anos, que sua família morava perto de uma estalagem e que Hans não tinha tido grandes experiências com cavalos, não é surpreendente que tivesse medo deles. Eram grandes e assustadores. Os cavalos que puxavam as carroças aterrorizavam-no especialmente, em grande parte porque tinha visto um (forçado a puxar uma carroça cheia de pessoas) a ter um colapso e a morrer na rua à frente dele.

Visto que se tratava de Freud, provavelmente pode adivinhar que a sua explicação para o medo do menino não era baseada apenas no fato do menino ter testemunhado a morte traumática de um cavalo. De acordo com Freud, Hans tinha particularmente medo de cavalos que tinham focinhos negros e viu isso como uma associação ao bigode do pai.

Eventualmente, Freud diagnosticou o medo do menino de cavalos como uma extensão do seu complexo de Édipo. O cavalo representava o seu pai, em grande parte por causa da comparação do bigode, juntamente com a tendência dos cavalos machos a serem muito bem-dotados. O Pequeno Hans, segundo Freud, estava a desenvolver um intenso amor sexual pela sua mãe e via o seu pai como um rival para o seu amor e atenção. O seu pai era, é claro, consideravelmente maior e mais forte do que ele, levando ao desenvolvimento de um medo não só do seu pai, mas, por extensão, de cavalos.

Grande parte do tratamento foi feito com o pai de Hans a atuar como intermediário e Freud determinou que o seu medo de cavalos não iria embora tão cedo, porque a sua terapia era dependente da pessoa por quem ele sentia medo. Quando Freud se sentou para conversar com o menino, relatou que tudo o que aconteceu na sessão de aconselhamento foi unicamente suportado pelas suas teorias e que ele já havia determinado sobre o complexo de Édipo.

Não se preocupe com o que aconteceu com o Pequeno Hans; Freud falou com ele quando ele já tinha 19 anos. Não só tinha crescido completamente normal, como não se conseguia lembrar de nada daquilo em que acreditava quando tinha 5 anos.

8- Bertha Pappenheim (Anna O


Durante anos, esta paciente do Dr. Josef Breuer e Freud foi referida apenas como "Anna O.", com o objetivo de proteger a sua verdadeira identidade, Bertha Pappenheim. Pappenheim começou o tratamento com Breuer por uma estranha espécie de histeria que começou quando o seu pai adoeceu e ficou pior quando ele finalmente morreu devido à sua doença. Ela estava a sofrer de uma grande variedade de sintomas, incluindo alterações de humor, alucinações, tosse nervosa, explosões destrutivas e paralisia parcial. Às vezes, também se esquecia de como falar a língua alemã nativa e era capaz de somente ler e falar em inglês e francês.

Breuer passou centenas de horas com ela, a fazê-la falar dos problemas na raiz do seu sofrimento. Nas primeiras vezes, ela só falava de contos de fadas, inventando histórias sobre o que estava a pensar e sentindo-se no que chamou de "limpeza de chaminés." Aos poucos, ele foi capaz de hipnotizá-la para levá-la de volta aos momentos que a perturbavam mais, incentivando-a a falar sobre eles, formando a base de um método de terapia que é bastante familiar hoje.

Quanto à percentagem de doença mental que era real e quanto dela era uma maneira de manter a atenção do seu terapeuta, tem sido motivo de debate. Freud, que tinha sido um amigo próximo, bem como o seu colega Breuer, condenou-o como sendo um pouco tolo por absolutamente faltar o componente sexual no seu tratamento. Ele argumentou que claramente, parte do seu problema, era a sua paixão absoluta por Breuer. Freud era tão franco sobre a sua crença, que isso levou ao repentino e amargo fim da amizade.

Publicamente, Freud usou o caso de Pappenheim como base para o seu trabalho na terapia psicanalítica. Ao mesmo tempo, porém, criticou Breuer aos seus alunos e usou o caso como um exemplo do que pode acontecer quando um terapeuta ignora o que são claramente fantasias sexuais. Freud afirmou que desgosto de Pappenheim sobre a morte do seu pai tinha sido realmente por causa das incestuosas fantasias sexuais que ela tinha. Ela transferiu essas fantasias para Breuer como a nova figura de autoridade. De acordo com Freud, Breuer tinha-lhe contado acerca de um episódio no final do seu tratamento onde ele havia fugido de sua casa depois de encontrar a sua paciente lá em histeria (falsa). Ela havia se convencido de que estava grávida de Breuer.

7- Injeção de Irma 


Freud não estava livre de se diagnosticar a si mesmo quando tentava provar as suas teorias e um dos seus estudos sobre os sonhos explorou o significado de um dos seus próprios sonhos. Ele chamou-lhe "Injeção de Irma." No sonho, uma das suas pacientes, Irma, aparecia-lhe numa festa. Ele percebia que ela estava ainda mais doente do que o habitual e repreendia-a por não ouvir o seu diagnóstico antes. Outros médicos apareciam no sonho e eles também examinavam a Irma hesitantes e confirmavam o diagnóstico de Freud. Ele também observou que, no sonho, sabia que a fonte do problema era uma injeção, dada por um outro médico, que Freud achava que era uma coisa impensada e irresponsável de se fazer. Ele ressaltou que a agulha que foi usada provavelmente não tinha sido limpa ainda.

Freud disse que o chefe entre os seus desejos mais profundos era ser capaz de provar que uma doença vinha de outra pessoa. Poderia culpar outros médicos por tratá-la de forma errada (usando agulhas sujas) e poderia culpar o paciente, também, por não fazer o que lhe foi dito pelos seus médicos. Afirmou que estava muito feliz com a sua prova e que o seu sofrimento contínuo não era culpa dele. Ao analisarmos Freud a analisar-se a si mesmo, tem sido sugerido que Freud culpava Emma Eckstein por poder ter aplicado diretamente uma injeção em Irma.

6- Ernst Lanzer (Homem Rato


Ernst Lanzer foi um caso monumental para Freud, permitindo-lhe ver se as mesmas técnicas psicanalíticas que usava para tratar a histeria trabalhariam noutros pacientes com outras condições. No caso do Homem Rato, eram pensamentos obsessivos.

Quando Lanzer visitou Freud, sofria de uma impressionantemente grande variedade de pensamentos obsessivos. Lanzer temia que acabasse por sucumbir aos pensamentos que tinha sobre o corte da sua própria garganta e tinha um medo paralisante de que algo terrível iria acontecer com o seu pai ou uma jovem mulher que uma vez tinha imaginado. Também tinha um grande medo de ratos após ouvir uma história, enquanto estava no exército, sobre uma tortura particularmente horrível, com que ficou aterrorizado por pensar que poderia ser usada, no seu pai ou na já mencionada senhora. A tortura em questão envolvia ratos a serem colocados num balde, o balde a ser colocado de cabeça para baixo e a ser pressionado contra as nádegas do homem culpado e os ratos a serem autorizados a comer tudo através do ânus. É claramente uma imagem angustiante.

As primeiras observações de Freud eram acerca de uma expressão no rosto do Homem Rato, que parecia indicar que estava muito animado sobre a ideia de ter alguns ratos na entrada do ânus. Foi diagnosticado com complexo de Édipo, que levou a um desequilíbrio emocional entre o amor, o ódio e o medo, todos dirigidos, em quantidades variáveis, em direção à senhora, ao seu pai e aos ratos. Freud também acreditava no simbolismo poderoso dos ratos do ânus, que envolvia preocupações com a limpeza, uma comparação entre o dinheiro e os excrementos e o simbolismo dos ratos como crianças, ligada à crença infantil de que os bebés nascem através do ânus. Freud também descobriu que a única vez que o pai de Lanzer o espancou ocorreu quase ao mesmo tempo (quando tinha cerca de 5 anos de idade) em que uma governanta deixara o menino tocar o seu corpo nu, cimentando a associação entre as duas coisas.

5- Ida Bauer (Dora


Os problemas de Ida Bauer começaram muito antes do seu pai a levar a Freud, na esperança de curá-la da sua histeria. Começaram a sério quando a obsessão da sua mãe com a limpeza (depois de saber que tinha uma doença venérea, transferida pelo seu marido) levou ao colapso completo de Ida com apenas 7 anos de idade, que foi tratado por hidroterapia e choque elétrico.

Anos mais tarde, Ida foi abordada pelo homem de uma família amiga, o pai dos filhos de quem ela costumava tomar conta e que era marido da amante do próprio pai de Ida. Ida recusou, e a sua recusa desencadeou uma espiral histérica e descendente em depressão que foi longe ao ponto dela ameaçar matar-se. Freud, que tratou o seu pai com a doença venérea, foi solicitado a ajudar Ida também.

Freud diagnosticou Ida (ou Dora, como a sua obra publicada a chamava) como estando a sofrer, não por causa dos avanços indesejados de um amigo da família, uma vez confiável, mas por uma atração lésbica reprimida que teria pela esposa do pretendente. A sua atração pela mulher era ainda mais complicada pelo fato dela ser a amante do pai de Ida, tornando a relação entre Ida e o seu pai muito tensa e competitiva. Freud interpretou um sonho de Ida: casa da família dela estava a queimar e, enquanto o pai de Ida só queria levá-los para fora da casa, a sua mãe queria ir buscar as jóias. O caso, segundo Freud, simbolizava os genitais de Ida, que o seu pai não tinha conseguido proteger.

Ida teve um curto tratamento com Freud. Continuou a lutar com a doença mental pelo resto da sua vida, que terminou em 1945. Depois de uma vida de resistência em transformar-se no seu pai, transformou-se eficazmente na sua mãe, com a aquisição de uma devoção fanática por limpeza. Ironicamente, também continuou a ficar em contato com a família que começou tudo isso, particularmente a amante do seu pai, que se tornou sua sócia.

4- Fanny Moser 


Num relance, Fanny Moser tinha tudo o que poderia possivelmente querer. Estava num casamento amoroso, tinha dois filhos, era herdeira de uma velha família aristocrática e havia se casado com um membro de uma família conhecida pelos seus relógios suíços requintados. Apenas alguns dias após o nascimento da sua segunda filha, o marido morreu de um ataque cardíaco e o seu filho de um casamento anterior começou a espalhar rumores de que Fanny o matara. Depois de uma longa e escandalosa batalha judicial para limpar o seu nome das acusações, ela vendeu a empresa de relógios Moser, deu uma enorme quantidade de dinheiro para a construção e apoio de vários hospitais e tornou-se mais e mais conhecida pela sua condição nervosa. Passou de médico para médico, tentando todas as novas curas, mas nada funcionou.

Consultou previamente Josef Breuer e Freud também foi levado ao caso quando ela foi transferida para um sanatório em Viena. Sofrendo de depressão grave e tiques nervosos, foi hipnotizada por Freud e incentivada a relatar todos os traumas que a afligiam, com o objetivo final de apagá-los da sua memória. Os traumas variaram desde a morte do seu marido a um sapo assustador que ela vira uma vez. Apesar da sua condição parecer melhorar, não seria por muito tempo. Menos de um ano depois, estava de volta a uma clínica. Mesmo que alegasse uma forte antipatia por Freud (culpando-o e a Breuer pelo mau relacionamento entre ela e as suas filhas, que derivavam em grande parte ao seu ultraje de um deles querer ser cientista), voltou novamente e novamente como paciente.

Continuou a recaída, apesar do tratamento repetido. A sua filha mais jovem odiava-a e ela recusava a ajuda da sua filha mais velha (que se tornara uma zoóloga realizada) e ficou apenas com um amante que apenas lhe queria extorquir milhões. Morreu em 1925. Freud escreveu à sua filha, pedindo desculpas pelo seu fracasso em diagnosticar a natureza correta do seu relacionamento e do seu afastamento.

3- Hilda Doolittle (HD


Hilda Doolittle era uma escritora e poeta e, através de uma série de cartas que escreveu enquanto estava sob os cuidados de Freud e um livro de acompanhamento, temos a documentação mais completa dos seus métodos atuais de análise e terapia.

Doolittle deu à luz uma criança natimorta em 1915. Depois disso, deu à luz uma filha em 1918. Recuperando devido ao nascimento e a uma doença prolongada, ela e o seu companheiro, Winifred Ellerman (Bryher), dirigiram-se à Grécia para que ela pudesse se recuperar. No caminho, teve um breve romance com um dos homens do seu navio. (Não o seu marido, que não era o pai do seu filho.) Doolittle foi incluída em todas as partes do casamento entre Bryher e Robert McAlmon. Quando McAlmon era incapaz de colocar-se com as duas mulheres, saíu e foi substituído por Kenneth Macpherson. Bryher e Macpherson casaram, adotaram a filha de Doolittle e incluíram Doolittle na sua parceria. Freud deve ter adorado ouvir essa história.

Talvez estranhamente, uma das coisas que não aparecem tanto nos estudos de Freud sobre "HD" foi a questão da sexualidade. Independentemente da sua vida pessoal ser um pouco confusa, Doolittle fui vê-lo, porque estava a sofrer de bloqueio de escritor. A sua terapia funcionou; ela passou a escrever Tribute to Freud, um livro de memórias com toda documentação das suas sessões e da sua conexão pessoal. A sua escrita depois das suas sessões de terapia exploraram muitas das teorias de Freud, desde a relação pai-filho à identidade de género, num formato literário.

2- Daniel Paul Schreber 


Freud analisou o caso do juiz alemão Daniel Paul Screber com base em nada além das  próprias memórias de Schreber. Inicialmente atraído por frases como "assassinato da alma", Freud encontrou em Schreber uma fascinante história de psicose.

A história começaram na infância. O pai de Schreber era um médico que lhe ensinou que as crianças não deveriam ser autorizadas a chorar (e dever-se-ia bater-lhes até que parassem), dar-lhes banhos de água fria para torná-los mais resistentes e forçá-los a usar um aparelho ortopédico, pelo menos, entre as idades de 2 e 8 anos para garantir que se endireitavam sempre. O dia de uma criança era para ser rigidamente programado e, se a criança não passasse corretamente de uma atividade para outra, passaria fome. Se fosse necessário administrar as punições e espancamentos, deveria ser a criança a ir ter com o punidor para as receber, para não guardar rancor.

O seu pai morreu quando Schreber tinha 19 anos e, quando ele tinha 35 anos, o seu irmão mais velho cometeu suicídio. O próprio Schreber sofreu um colapso mental depois de ser derrotado numa corrida para um cargo político. Num hospital, foi diagnosticado como altamente sensível a estímulos (particularmente ruídos), altamente emocional, hipocondríaco e sofria de fala. Foi libertado após 6 meses.
Viveu 8 anos de relativa normalidade, mas, teve uma recaída e, desta vez, a sua internação durou por mais 8 anos. Foi durante esses 8 anos que escreveu o livro pelo qual Freud ficou fascinado. Esse foi também o período durante o qual acreditava que o seu corpo estava a ser transformado no corpo de uma mulher (com a ajuda de pequenos homens que viviam nos seus pés e corriam as bombas que evacuavam os seus antigos órgãos e criavam os novos) e que o seu final objetivo na vida era tornar-se a grávida do filho de Deus.

Freud concluiu que os delírios de Schreber centravam-se em torno do primeiro homem quque tratara dele, o Professor Flechsig e, mais tarde, em Deus. A ideia de que precisava de se tornar numa mulher, com o objetivo de cumprir o seu propósito em tornar a vida da mãe numa nova raça de homens, indicava que Schreber ainda temia o seu pai (com razão) e os temores latentes de castração realizados pelo seu pai manifestavam-se na crença de que estava a tornar-se uma mulher. Quando Deus se tornou a figura central do seu delírio, Flechsig tornou-se uma figura odiada em vez de um salvador, sugerindo a Freud que Schreber também estava a lidar com uma intensa atração sexual por Flechsig. Quando isso não foi cumprido, o papel de Flechsig transformou-se no papel de Deus, com Schreber a encher o subserviente e o abuso do papel feminino que o seu pai lhe tinha feito passar.

1- Sergei Pankejeff (Homem Lobo


Nascido em 1886, Sergei Pankejeff seria assombrado pela morte, pela depressão e pelo suicídio durante a maior parte da sua vida. A depressão era crónica na sua família. Em 1906, a sua irmã cometera suicídio, seguida pelo seu pai em 1907. Mesmo a sua esposa viria a cometer suicídio, em 1938. Quando começou a sofrer de depressão, ele procurou ajuda.

Freud viu-o como paciente entre 1910-14, concentrando-se num sonho de que ele se lembrava de ter quando era criança. Ele estava a dormir na sua cama e acordava a olhar para fora de uma janela aberta. Havia uma árvore de noz e sentados na árvore estavam 6 ou 7 lobos brancos gigantes, observando-o. 

Embora fosse originalmente diagnosticado com o que o Dr. Emil Kraeplin chamou de "insanidade maníaco-depressiva", Freud discordou e diagnosticou-o com "neurose obsessiva" que resultava de episódios de ansiedade, que começaram em tenra idade e que foram coloridos com a educação religiosa que a sua mãe lhe impôs.

Freud acreditava que o sonho lobo era a chave para desvendar o que estava a acontecer na psique de Pankejeff. Os animais, segundo Freud, eram muitas vezes um substituto para uma figura paterna em sonhos. 

A ideia da abertura da janela e os lobos predadores a esperar e a observar era claramente um sinal de uma fantasia sexual que Pankejeff estava a reprimir, em que o seu pai era o predador e ele era a presa. Parte disso vinha de uma memória reprimida que tinha aparecido. Supostamente, Pankejeff tinha apenas 18 meses de idade, quando testemunhou o que achava ser um ato violento entre a sua mãe e o seu pai, que tinha vindo a entender que era de alguma forma prazerosa.

Freud também analisou a relação entre Pankejeff e os seus piedosos modelos, o seu papel feminino de mãe e a sua amada Nanya, a enfermeira que cuidou dele quando era jovem. Mesmo que tentasse ser bom e fazer o que lhe diziam, o pior levava inevitavelmente a melhor sobre ele e ele libertava-se em explosões violentas. 

A sua irmã representava não só o incesto, mas as questões não resolvidas, quando tirou a sua própria vida antes que pudesse ser classificada através disso. Para Freud, o Homem Lobo era a representação perfeita do dano que as questões sexuais não resolvidas em crianças pode fazer.

Pankejeff, em última análise, procurou ajuda noutros lugares e tornou-se advogado de seguros.

Sem comentários:

Enviar um comentário