sábado, 23 de janeiro de 2016

10 Contos Bizarros Sobre Adolf Hitler

Sem dúvida, Adolf Hitler é uma das pessoas mais más que já viveu... mas também é uma das pessoas mais fascinantes de toda a história humana. Na verdade, é um personagem tão convincente que se fala inúmeras vezes nele. Como se vê, Hitler era uma figura tão insana e intrigante, que aqui estão mais 10 coisas acerca dele.

10- O Icónico Bigode


É difícil imaginar certas pessoas sem bigode. Consegue imaginar Hulk Hogan, Tom Selleck ou Salvador Dali, sem os seus bigodes? Talvez o mais emblemático bigode (ou infame) de todos os tempos pertença a Adolf Hitler. É quase impossível imaginar o ditador sem o seu bigode.

Então, qual é a história por detrás do bigode de Hitler? Bem, antes de responder a essa pergunta, precisamos de discutir que tipo de bigode Hitler realmente ostentava. Muitas pessoas referem-se ao seu bigode como um "bigode escova de dentes," um estilo que se originou nos EUA, mas se tornou popular na Alemanha, principalmente em resposta aos grandes e espessos bigodes que ficaram famosos por nomes como Kaiser Wilhelm II. No entanto, Brian Palmer, da Slate, ressaltou que o bigode de Hitler não é tecnicamente uma escova de dentes. "O seu bigode eram mais estreito", afirmou Palmer "e, na melhor das hipóteses, só poderia ser referido como uma variante do estilo escova de dentes." 

A escova de dentes foi incrivelmente popular, mas, para muitos, a variante imitação de Hitler era absolutamente repugnante, sendo descrevida como "travão de ranho." Até mesmo o próprio povo de Hitler tentou convencê-lo a deixar crescer um longo conjunto de bigodes, mas o fuhrer não queria. Ousadamente declarou: "Se não é moda agora, será mais tarde porque o usei."

Então, quando é que Hitler introduziu o seu olhar lendário ao mundo? Alguns historiadores pensam que Hitler queria um estilo quase escova de dentes, em 1919, depois de Charlie Chaplin popularizar o estilo do seu personagem "Little Tramp" (embora não haja nenhuma evidência que sugira que as sensibilidades de moda de Hitler foram realmente inspiradas por Chaplin). No entanto, recentemente descobriram-se documentos que indicam que Hitler começou a usar o seu bigode durante a Primeira Guerra Mundial... e tudo graças ao britânico.

Hitler usou um bigode mais longo e cheio, mas foi forçado a fazer a barba, enquanto lutava pela pátria. Durante a Primeira Guerra Mundial, os Aliados e as Potências Centrais assaltaram os seus inimigos com gases venenosos e, infelizmente para Hitler, não poderia usar corretamente um respirador devido ao seu bigode. Os oficiais alemães ordenaram que o soldado aparasse o bigode e foi assim que o jogo mais cruel do mundo dos bigodes nasceu.

9- A História da Papelaria de Hitler 


É bem sabido que a CIA é uma instituição um pouco reservada. Até mesmo o seu museu está fora dos limites para todos, exceto para os funcionários da CIA e para os seus familiares. Isso é muito mau para o resto de nós, porque o museu está cheio de artefatos surpreendentes, desde a engrenagem de espionagem de 1960 à espingarda de assalto de Osama bin Laden. Misturado com todos esses aparelhos da Guerra Fria, há um impressionante pedaço de papel de uma carta marcada com uma águia imperial, uma suástica e o nome "Adolf Hitler".

É isso mesmo, a CIA é dona de uma folha de papel de uma carta pessoal de Hitler. Na verdade, alguém até utilizou esta parte particular de papel para escrever uma mensagem. Então, quem se atreveu a usar artigos de papelaria de Hitler para escrever uma carta pessoal? Ninguém menos que Richard Helms, o diretor da CIA, entre 1966-73. Helms escreveu essa carta em 1945, quando estava a trabalhar para a OSS. Depois da queda do Terceiro Reich, esse agente especial realmente penetrou na sede de Hitler e agarrou uma folha de papel, juntamente com um dos pratos do ditador (que também está no museu da CIA).

Helms utilizou os artigos de papelaria de Hitler para escrever uma nota tocante ao seu filho de três anos de idade, Dennis. A carta foi datada (8 de Maio de 1945) e dizia:

O homem que poderia ter escrito sobre este cartão controlou a Europa. Há três curtos anos atrás, quando nasceste. Hoje, está morto, a sua memória é desprezada, o seu país está em ruínas. Ele tinha uma sede de poder, uma baixa opinião do homem como um indivíduo e um medo de honestidade inteletual. Ele era uma força para o mal no mundo. O su falecimento, a sua derrota, é uma bênção para a humanidade. Mas milhares de pessoas morreram para que pudesse ser assim. O preço para livrar a sociedade do mal é sempre alto. Com amor, pai.

É uma carta muito inspiradora, embora levante uma questão interessante. A carta foi marcada como "Dia da Vitória", mas Helms não estava na Alemanha a 8 de maio de 1945. Estava em França. Será que agarrou no papel da carta depois de 08 de maio, mas gravou a data como Dia V para dar à sua carta mais valor? É um mistério, mas em 2011, Dennis doou a carta à CIA. Surpreendentemente, o papel da carta apareceu na sede da CIA um dia depois de Osama bin Laden ser morto, que é um tempo bastante surpreendente, considerando a mensagem de Helms.

8- O Homem Que Personifica Hitler 


Há algumas pessoas com profissões incomuns, mas nada em comparação com a forma estranha de Emin Gjinovci fazer dinheiro. Gjinovci é um imitador... um imitador de Hitler.

Gjinovci encontrou o seu curioso chamado durante o seu tempo no Exército de Libertação do Kosovo, na década de 1990. Enquanto estava na luta contra os sérvios, os companheiros de Gjinovci notaram que ele tinha uma notável semelhança com o famoso ditador alemão, então começaram a chamar-lhe "Hitler". Depois de ser ferido durante uma batalha, Gjinovci retornou ao seu país natal, a Alemanha, para receber atendimento médico. Durante a sua estadia no hospital, deixou crescer um pouco o bigode e a equipa começou a comentar como ele se parecia quase exatamente com Adolf.

Percebendo uma oportunidade de negócio, Gjinovci começou a cobrar às pessoas para tirar fotografias e, eventualmente, percebeu que interpretar Hitler era um ato sem fim. Gjinovci escovava o seu cabelo como o ditador, mantinha o seu bigode e carregava as "bugigangas" de Hitler, por onde passava. Simplificando, Gjinovci levava sempre consigo uma cópia do Mein Kampf, juntamente com emblemas da suástica e colares. Assim como o ditador, Gjinovci não fumava. Ele ainda possui cartões de visita nazistas e, muitas vezes "atua" em casamentos e funerais, embora não tenha a certeza de que alguém gostaria de ter Hitler ao lado do seu caixão.

As pessoas que se deparam com Gjinovci na rua muitas vezes brincam com ele, dando-lhe a saudação "Olá, Hitler". Infelizmente, o ator pode compartilhar algumas das ideias mais controversas do ditador. De acordo com um artigo do Guardian de 1999, Gjinovci não aprova as tendências genocidas de Hitler, mas não se importaria de usar essas mesmas táticas com os sérvios, os seus inimigos jurados. Vamos todos esperar que a "própria reencarnação de Adolf Hitler do Kosovo" permaneça no negócio do entretenimento e fora da política.

7- Apareceu Com Destaque Num Culto Sul Africano 


Bernard Poolman era um homem muito incomum. Um polícia Sul-Africano que se tornou um vendedor de software, Poolman estava obcecado com o ocultismo. Afirmou que o mundo estava cheio de demónios que precisávamos de derrotar e, depois de supostamente exorcizar um jovem, Poolman lançou uma guerra espiritual. De acordo com o exorcista, uma vez lutou contra 300 espíritos de uma vez, vencendo-os com o poder do perdão.

Como disse antes, Bernard Poolman era um homem muito incomum.

Poolman finalmente transformou a sua teologia maluca num culto de pleno direito, chamado Desteni. Como novo pastor do grupo, Poolman pregou a importância do "auto-perdão", ao mesmo tempo ue incentivava os seus seguidores a participarem nas suas aulas de auto-ajuda on-line que, naturalmente, custavam um bom centavo. Os graduados, que aprendiam "habilidades essenciais para a vida... tais como o auto-perdão, a escrita e a aplicação da auto-correção", obtinham um corte de 35 por cento por inscreverem novos alunos. Sim, Desteni é basicamente um grande esquema de Ponzi, a diferença é apenas que esses trapaceiros acreditam num Deus chamado reptiliano Anu e estão sempre à procura de forças demoníacas.

Então o que é que isto tem a ver com Hitler? Bem, o culto Desteni não começou até Poolman recrutar uma jovem garçonete, chamada Spies Sunette. De acordo com Poolman, Spies era um "portal interdimensional" que poderia canalizar muito a cada figura influente que já viveu. Se quisésse falar com Audrey Hepburn, Kurt Cobain ou Friedrich Nietzsche, Spies conseguia isso. Mais importante ainda, Poolman alegou que ela poderia canalizar Hitler.

Pois, na "teologia" Desteni, há um reino espiritual onde todos os demónios saem e Adolf Hitler é o Rei Demónio. Bem, era, até Poolman e Jesus (sim, Jesus) invadir o mundo dos demónios e assumir todos os adversários. Depois de derrotar legiões de espíritos malignos, Poolman lutou contra o fuhrer e, eventualmente, derrotou o ditador... Como? Adivinhe... Ensinando-lhe o poder do auto-perdão.
Desde a fatídica batalha, Hitler já apareceu em algumas vídeos Desteni (o culto tem o seu próprio canal no YouTube), onde leciona todos os tipos de temas estranhos. É tudo cortesia do portal interdimensional, Sunette Spies. Poolman faleceu em 2013, mas o culto Desteni ainda está por aí, pregando sobre o perdão e conversando com o espírito de Adolf Hitler.

6- Ele é Uma Super-Estrela na Tailândia 


Neo-nazistas e trolls da Internet à parte, todos podemos concordar que Hitler é uma perfeita escolha para personificar o mal. A maioria das pessoas entende que admirar o fuhrer é geralmente desaprovado... a menos que se viva na Tailândia, é claro. Enquanto o mundo ocidental vê Hitler como um psicopata sedento de poder, a Tailândia tem uma opinião ligeiramente diferente sobre o ditador. Como a maioria das escolas tailandesas não ensinam o Holocausto, muitos adolescentes tailandeses vêm Hitler como um cabeça quente e pateta, com um toque de uniformes vistosos e impressionante iconografia.

Isso acontece, provavelmente, porque, em 2011, um grupo de estudantes do ensino médio tailandês apresentou-se nos desportos de verão vestindo uniformes anuais da SS, com bandeiras nazistas e transportando falsas metralhadoras, enquanto eram liderados por uma mulher vestida como Adolf. As coisas ficaram mais estranhas em 2013, quando alguém abriu um frango frito chamado de "Hitler", com a imagem do fuhrer.

No incidente do frango, um grupo de estudantes de arte pintaram um quadro de avisos com imagens de super-heróis como o  de Ferro, o Batman, o Hulk... e Hitler. Também há t-shirts. Evidentemente, as t-shirts de Hitler são populares na Tailândia, especialmente camisas que retratem o ditador como um panda dos desenhos animados, Ronald McDonald ou um Teletubby cor-de-rosa com uma antena suástica.

Mais uma vez, isto, possivelmente, pode ser atribuído a uma lacuna na educação tailandesa. (Da mesma forma, muitos ocidentais, incluindo celebridades como o ex-campeão do UFC, Georges St. Pierre, desconhecem que muitos asiáticos são ofendidos pelos japoneses com o símbolo do Sol Nascente.) No entanto, as coisas ficam um pouco mais perturbadoras quando se assiste a um vídeo promovido, em 2014, pelo Primeiro-Ministro Geral, Prayuth Chan-ocha. Destinado a promover os valores fundamentais tailandeses, o filme inclui uma cena em que o personagem principal, um jovem estudante, é elogiado por pintar um retrato de Hitler. Certamente, os funcionários tailandeses sabem sobre o Holocausto, o que torna tudo ainda mais inquietante.

Claro, a Tailândia não é o único país com uma visão estranha de Hitler. Taiwan, Hong Kong e Japão, foram culpados no passado, e o mesmo vale para a Índia. No início deste ano, alguns indianos vendedores de gelado começaram a venda internacional do "Gelado Hitler". Pior ainda, Mein Kampf é um dos livros mais vendidos do país.

Segundo o The Daily Beast, muitos estudantes indianos não são ensinados sobre o Holocausto, similar aos estudantes tailandeses. Tornando as coisas ainda mais complicadas, a Índia tem um relacionamento conturbado com a Grã-Bretanha. Uma vez que os nazistas se opuseram ao Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial, cerca de 1940 lideranças indígenas, na verdade, apoiam o regime de Hitler. Talvez alguns desses sentimentos tenham passado através das gerações, mas realmente, se estiver a ler esta lista e não perceber o alvoroço Hitler, basta confiar em mim.

5- Ninguém Conhece Hitler 

 
Mesmo em 1930, na Alemanha, Adolf Hitler era uma pessoa muito desagradável. Afinal de contas, era um agitador anti-semita, um ex-presidiário que tentou derrubar o governo e os seus Brownshirts tinham o mau hábito de espancar os rivais políticos. Então, quando Hitler perdeu a eleição presidencial de 1932, a sua equipa achou que era um bom momento para refazer a imagem de Hitler, especialmente desde que o seu adversário (o herói de guerra Paul von Hindenburg) não tinha ganho a maioria absoluta e um segundo turno estava no horizonte.

O seu objetivo era transformar Hitler numa pessoa amável. Felizmente para a equipa de PR de Hitler, Heinrich Hoffman tinha a solução perfeita. Hoffman foi o fotógrafo oficial de Hitler e, em 1932, lançou o livro mais louco de todos os tempos, um álbum de fotografias, intitulado The Nobody Knows Hitler. O livro estava cheio de curiosos pequenos quadros, desde fotografias do bebé Hitler e a sua casa de infância até aos seus dias como soldado e político da Primeira Guerra Mundial.

No entanto, a maioria das fotografias pretendia mostrar um dia normal na vida de Adolf. Hoffman fotografou Hitler a viajar de reunião política a reunião política, a encontrar-se com o povo alemão e a trabalhar incansavelmente para a pátria. Muitas fotografias mostravam um Hitler cansado a descansar entre as reuniões ou a retirar-se para um simples jantar no final de um dia duro. Outras fotografias mostravam Hitler cercado por crianças adoráveis, a alimentar cervos de bebé ou a dar água aos seus amados cães. Os textos que acompanhavam as fotografias enfatizavam Hitler, simbolizando "força e bondade" e que ele era um "não bebedor, não-fumante e vegetariano."

As fotografias mostravam Hitler em roupas médias num esforço para retratá-lo como um homem comum. Apesar de Hitler não ganhar o segundo turno (von Hindenburg viria a nomeá-lo como chanceler), o livro foi muito popular, vendendo 400.000 cópias em 1942 e levando Hitler a cativar o público, tanto no país, como no estrangeiro.

As revistas dos Estados Unidos ajudaram um pouco, também. Publicações como Vogue e The New York Times Magazine lisonjearam as peças do fuhrer, dando aos leitores uma tour na casa de Hitler e retratando-o como um escudeiro gentil do país. Um famoso jornalista, chamado George William Fitz-Gerald, escreveu vários artigos para várias revistas que descreviam Hitler como um "homem tímido" que ostentava um "casaco velho" e visitava as aldeias locais para se certificar de que as crianças estavam a comer corretamente. Surpreendentemente, alguns destes artigos apareceram poucos dias antes dos nazistas invadirem a Polónia e meses após o mundo descobrir a animosidade de Hitler em relação aos judeus.

Graças a este esforço gigantesco de PR, Hitler enganou algumas pessoas a comprar o seu benevolente líder e. no momento em que o mundo foi para a guerra, o mundo descobriu a verdade da maneira mais difícil.

4- O Diabo Com Hitler 

 
Durante a Segunda Guerra Mundial, Hollywood manteve-se ocupada a produzir camiões de propagandas. Houve filmes e séries de ação. Houve o material estranho Russian Rhapsody, um desenho animado da Warner Brothers onde gremlins russos assustavam Hitler com uma máscara de Joseph Stalin. O filme mais estranho foi a louca comédia de Hal Roach, O Diabo Com Hitler.

Lançado em 1942, como 42 minutos, O Diabo Com Hitler começa com uma reunião de negócios no Inferno. Evidentemente, o submundo é gerido por um conselho de administração que não está feliz com a maneira como Satanás, o presidente, está a gerir as coisas. O Diabo está claramente a ficar para trás porque as pessoas simplesmente não estão a pecar o suficiente nos dias de hoje. Frustrado, o Conselho considera substituir o seu chefe por alguém que é realmente desagradável, Adolf Hitler.

Quando Satanás descobre o que está a acontecer, faz um acordo demoníaco. Se convencer Hitler a fazer uma boa ação, o conselho vai esquecer os seus planos para contratar Adolf e manter o Diabo como presidente. O resto do filme segue Satanás, enquanto ele tenta enganar o fuhrer para executar um ato de bondade. Apesar dos melhores esforços do Diabo, Hitler adere às suas raízes do mal, forçando Satanás a ser criativo.

Desesperado, o Diabo decide representar o ditador e libertar alguns prisioneiros. No entanto, as coisas saem pela culatra quando Hitler descobre e ordena que os prisioneiros libertados sejam executados. É quando Satanás tranca Adolf numa fábrica de munições, ameaçando explodir o prédio a menos que o fuhrer perdoe os prisioneiros. Hitler concorda, realizando, assim, uma "boa ação", mas a explosão explode a fábrica de qualquer maneira, enviando Satanás e Hitler diretamente para o inferno.

Quando os dois chegam ao covil de Satanás, o conselho de administração fica bastante impressionado com os artifícios do diabo e mantém-no como presidente. Sentindo-se cheio de si mesmo, Satanás ordena que os seus capangas pehuem nos seus forcados e dêm a Hitler "as obras" e é assim que o filme termina.

3- A Mulher Responsável Pelos Dentes de Hitler 


Em abril de 1945, os soviéticos estavam a mover-se em Berlim e a Segunda Guerra Mundial estava a terminar. Hitler, escondido, sabia que era apenas uma questão de tempo antes de ser capturado. Recusando-se a cair nas mãos dos russos, o ditador (e a sua parceira Eva Braun) decidiram escapar aos soviéticos, via suicídio. Depois de ser feita a escritura, os lacaios de Hitler reduziram os seus cadáveres em chamas e enterraram os restos carbonizados e é aí que Elena Rzhevskaya entra na história.

Uma tradutora de 25 anos de idade para o Exército Vermelho, Rzhevskaya, era especializada no interrogatório de prisioneiros alemães, mas, quando os soviéticos estavam em Berlim, ela foi encarregada de uma nova atribuição. Rzhevskaya, juntamente com outros dois russos, foi condenada a rastrear a chanceler alemã. Graças a um soldado atento, a equipa encontrou o corpo de Hitler, poucos dias depois do seu suicídio. Bem... eles não tinham a certeza de que era o corpo do fuhrer, mas precisavam de alguma prova sólida, que envolveu a verificação dos dentes de Hitler.

Apesar da cremação, as mandíbulas de Hitler estavam em boa forma e Rzhevskaya poderia usar os brancos perolados do ditador para confirmar a sua identidade. Com o objetivo de manter os dentes seguros, as autoridades russas removeram-nos, colocaram-os numa caixa de jóias vermelha e deram o dom terrível da custódia a Rzhevskaya. Com a caixa de jóias, a tradutora começou a visitar vários hospitais e clínicas, na esperança de encontrar o dentista de Hitler.

Eventualmente, encontrou o escritório do homem, só para saber que ele estava fora da cidade. Felizmente, o seu assistente estava bastante familiarizado com a geografia da boca de Hitler e deu uma vívida descrição dos seus dentes, uma descrição que soou como os dentes que estavam na caixa de Rzhevskaya. O assistente produziu raios-X de Hitler e combinou-os perfeitamente com as mandíbulas. Agora era oficial. Adolf Hitler estava definitivamente morto.

No entanto, Joseph Stalin suprimiu esta nova informação e incentivou a ideia de que Hitler ainda estava na clandestinidade. Como um dos únicos soviéticos a saber a verdade, Rzhevskaya lutou para contar o seu lado da história, mas só 12 anos depois, com Khrushchev a comandar o show, é que ela pôde finalmente contar, com a publicação da sua versão dos acontecimentos numa revista soviética.
O corpo de Hitler foi finalmente moído em pó e atirado para um rio, um final apropriado para um déspota diabólico.

2- O Milionário Que Coleciona Pertences de Hitler 


Todos temos os nossos próprios interesses incomuns, mas às vezes a paixão transforma-se em obsessão de pleno direito. É provavelmente seguro dizer que Kevin Wheatcroft é totalmente obcecado com o Terceiro Reich. Um milionário britânico, Wheatcroft tem dedicado a sua vida a perseguir um sonho bastante inquietante, recolher o máximo de parafernália nazista possível.

Por exemplo, o homem possui 88 tanques da Segunda Guerra Mundial, a maioria dos quais pertenceram aos nazistas. Comprou submarinos e foguetes V-2 e possui a maior variedade do mundo de Kettenkrads, uma espécie de tanque-motocicleta híbrida (fotografia acima). Possui a maior coleção de instrumentos musicais nazistas e possui mais do que alguns uniformes da SS e armas Wehrmacht.

Qualquer fã de história concorda que isto é tudo fantástico, mas, durante as suas viagens ao redor do mundo, Wheatcroft comprou alguns itens que são mais do que incomuns. Estes incluem um telefone do campo de extermínio de Buchenwald, fotografias assinadas de Herman Goering, o gramofone de Eva Braun e o relógio de pêndulo de Josef Mengele.

Isso não é nada em comparação à obsessão de Wheatcroft com Hitler. Usando as suas vastas quantidades de dinheiro, Wheatcroft comprou a própria porta da cela onde Hitler escreveu Mein Kampf. Comprou o Mercedes de Hitler em 1938 e é tão obcecado com o fuhrer que uma vez explorou as ruínas do Berghof (a casa de Hitler nos Alpes da Baviera), onde recuperou algumas das cremalheiras do vinho de Hitler. Também (preparem-se), possui a maior coleção de cabeças de Hitler no planeta.

Wheatcroft transformou a sua casa num santuário de memória a Hitler. Se vagar pelo seu domicílio em Leicestershire, pode ver alguns dos motociclos de Hitler, alguns ternos de Hitler e um bom número de pinturas do ditador. O mais preocupante de tudo, é que segundo diz, quando Wheatcroft se masturba, atira o semén para a cama de Hitler.

Contrariamente à sua obsessão, Wheatcroft diz que não é nazista ou um torcedor de Hitler. Então, qual é o seu interesse pelo Terceiro Reich? Ele disse ao Guardian:

Eu quero preservar as coisas. Quero mostrar à próxima geração como ele realmente era. [...] É o sentido da história que começa a partir destes objetos, as conversas que houve em torno deles, a maneira como eles dão uma visão para o passado. É um sentimento muito especial.

1- Os Testadores da Comida de Hitler 


Mesmo sendo uma espécie de sanguinário, Adolf Hitler não gostava de carne. Enquanto alguns dizem que, ocasionalmente, comia salsichas, uma vez ele declarou que comer carne era como devorar cadáveres, o que é verdade, embora um pouco gráfico. Hitler também alegou que o vegetarianismo poderia ressuscitar a sociedade ariana e era por isso que, geralmente, estava preso a uma dieta de frutas e legumes.

Perto do fim da sua vida, Hitler começou a preocupar-se com o estado das suas saladas. Cada vez mais paranóico, o fuhrer achava que os britânicos estavam a tentar envenenar a sua comida, então, decidiu que era altura de contratar alguns testadores de alimentos e 15 mulheres jovens foram convocadas para um dos piores empregos que se possa imaginar.

Um dos testadores alimentares de Hitler era uma rapariga de 20 anos, chamada Margaret Woelk. Margaret odiava Hitler e, inclusive, recusou-se a juntar-se a equivalente feminino da Juventude Hitlerista. Mas isso não impediu que os nazistas a mandassem para o "Wolfsshanze" ("Toca do Lobo"), o composto militar de Hitler, localizado na atual Polónia. Lá, o seu trabalho envolvia ler os livros de cozinha, mas sempre que Adolf aparecia, ela e as suas 14 companheiras, eram obrigadas a comer a comida do fuhrer.

A rotina era bastante simples... e aterrorizante. As mulheres eram conduzidas a uma sala, onde as frutas e os vegetais estavam espalhados sobre uma mesa. "A comida era deliciosa", afirmou Margaret, mais tarde. "Eram os melhores legumes, aspargos, pimentão, tudo o que se possa imaginar. E sempre com arroz ou macarrão a acompanhar." Claro, as mulheres não podiam desfrutar de uma refeição, estavam constantemente com medo da morte por envenenamento. Se os alimentos provassem estar bons, os oficiais da SS levavam uma caixa, entregando-os depois na sala de jantar de Hitler.

Durante os seus dois anos e meio na "Toca do Lobo", Margaret nunca viu Hitler, embora estivesse lá quando o coronel Claus von Stauffenberg (interpretado por Tom Cruise em Valkyrie) tentou explodir o fuhrer aos bocados. Após o assassinato falhar, as mulheres foram mantidas sob estreita vigilância. Em vez de deixarem as senhores voltarem todas as noites, a SS mantinha.as trancadas numa escola abandonada, perto da casa onde Hitler vivia.

Quando os soviéticos se aproximavam de Berlim, um tenente alemão ajudou Margaret a escapar, logo antes dos russos matarem todas as outras testadoras de alimentos. Tragicamente, Margaret foi capturada e violada pelos soviéticos, mas sobreviveu ao seu pesadelo e reuniu-se ao seu marido (que também tinha sido apanhado pelos nazistas). No entanto, Margaret manteve a sua história em segredo, a maioria da sua vida. Temendo a perseguição e a repressão, não admitiu a verdade até ter 95 anos. Quem pode culpá-la? Quando um ditador dá ordens psicóticas, uma pessoa concentra-se numa coisa: na sobrevivência.

Sem comentários:

Enviar um comentário