segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

10 Pessoas Que Sobreviveram Após Serem Enterradas Vivas

O medo de ser enterrado vivo é um medo universal. Afinal, acordar e sentir-se preso debaixo da terra é quase sempre uma sentença de morte. No entanto, algumas almas afortunadas sobreviveram após serem enterradas vivas. As suas histórias são contos surpreendentes de sobrevivência, que mostram o quanto o corpo humano pode aguentar para sobreviver.

10- Philomele Jonetre


Philomele Jonetre, uma mulher francesa de 24 anos de idade, estava doente com cólera, em 1867. Depois de alguns dias doente, foi-lhe dada a extrema-unção por um padre e foi declarada morta. Foi colocada no seu caixão uma hora mais tarde e, 6 horas após a sua morte, foi enterrada.

Quando os coveiros terminaram de enterrar Philomele e estavam prestes a ir para casa, ouviram o som de batida no local do túmulo. Percebendo que Philomele ainda estava viva, escavaram apressadamente todo o seu trabalho anterior e chamaram um médico.

Quando o médico examinou Philomele, conseguiu ver um leve piscar de olhos. Também reparou que as feridas nas suas mãos correspondiam ao tipo de lesões esperadas ao bater-se na tampa de um caixão. A sua respiração era tão fraca que quase não existia, mas o médico foi capaz de reanimá-la. Manteve-a viva até ao dia seguinte, quando ela faleceu, devido a cólera ou ao seu pesadelo de estar no caixão.

Desta vez, todos os envolvidos se certificaram de que ela estava realmente morta.

9- O Homem de São Paulo de Ferraz De Vasconcelos


Uma mulher que vivia no subúrbio de São Paulo de Ferraz de Vasconcelos ficou extremamente chocada, em 2013. Foi visitar o túmulo da família quando teve uma visão verdadeiramente perturbadora. Perto do túmulo, viu um homem a tentar escapar do seu túmulo. Ele já tinha conseguido libertar as suas mãos e cabeça e estava a tentar puxar o resto do seu corpo para fora da terra.

As equipas de resgate chegaram ao local e ajudaram o homem a escapar da sua sepultura. Os paramédicos levaram-no para o hospital para avaliação médica e as autoridades descobriram que ele era um empregado da prefeitura. Ninguém sabe exatamente como ele foi enterrado vivo, mas as autoridades suspeitaram de que ele se tinha envolvido numa briga que terminou com ele a ser quase espancado até à morte. De acordo com o sobrinho do homem, ele sofreu graves problemas psiquiátricos depois do acidente.

8- O Bebé de Dongdong


Lu Xiayun era uma mulher grávida, da província chinesa de Dongdong. Vivia numa comunidade agrícola e não tinha acesso aos cuidados médicos modernos. Todos acreditavam que ela tinha apenas 4 meses de gravidez, por isso, quando ela entrou em trabalho de parto, esperavam um bebé morto. Quando deu à luz, a criança não dava sinais de vida e todos acharam que estava morto.

No entanto, o marido de Xiayun percebeu que a sua esposa precisava de cuidados médicos e chamou uma ambulância. Quando ela foi levada às pressas para o hospital mais próximo, a mãe de Xiayun enterrou o bebé no seu quintal. Quando Lu Xiayun chegou ao hospital, os médicos forneceram-lhe todos os cuidados necessários e determinaram que ela estava realmente grávida de 6 meses. Também questionaram a lógica de enterrar o bebé tão cedo, sem ter uma verificação médica profissional para determinar se era possível salvar a criança.

O marido de Xiayun correu para o local do enterro, desenterrou o bebé e achou que ainda tinha sinais vitais. Depois de 3 dias no hospital, a família abandonou o hospital porque não tinham dinheiro suficiente para pagar as contas. Mas, quando a história ficou conhecida internacionalmente, várias doações foram realizadas para ajudar a menina e ela foi capaz de voltar para o hospital, onde recebeu o tratamento médico necessário.

7- Mike Meaney


Mike Meaney é um pouco diferente da maioria das outras pessoas desta lista. Porquê? Bem, este barman irlandês foi enterrado vivo de propósito, por vontade própria. É difícil dizer exatamente o que Meaney estava a tentar provar, mas esteve debaixo da terra durante 61 dias, sem morrer ou ficar louco.

Meaney não foi o único a tentar executar este feito louco. Um americano, chamado Digger O'Dell, tentou obter o recorde mundial de enterro prematuro, mas não se pode comparar ao irlandês. Os amigos de Meaney sepultaram-no num bairro de Londres, predominantemente irlandês. Havia um buraco no caixão para que ele não morresse de intoxicação por dióxido de carbono. Os seus amigos também utilizaram esse buraco para lhe enviar água e comida. Para fazer este trabalho, Meaney tinha que ter uma quantidade impressionante de confiança nos seus companheiros.

Após 61 dias debaixo da terra, Meaney ressurgiu com óculos escuros para proteger os olhos. Na verdade, foi ele que inspirou os seus temerários a quebrar o seu recorde. No entanto, o Guinness Book of World Records não reconhece este feito.

6- Antony Britton


Algumas pessoas, como Mike Meaney, enterram-se vivas por longos períodos de tempo, mas, normalmente, têm ajudantes acima do solo. No entanto, algumas pessoas realmente tentam escapar das suas sepulturas sem ajuda. Estes escapologistas datam de Harry Houdini, o famoso mago que executou um golpe similar. Recentemente, o escapologista Antony Britton tentou o mesmo feito... e quase perdeu a vida no processo.

Foi enterrado numa cova padrão de 2 metros (6 pés) de profundidade. Usava algemas, mas em vez de estar deitado num caixão, o homem foi colocado em linha reta no chão. Como se poderia esperar, as coisas correram mal. 9 minutos depois do enterro, Britton ainda estava debaixo da terra, ativou o limite de segurança e pediu ajuda à equipa de emergência. A tripulação retirou-o imediatamente, apenas alguns momentos antes dele quase morrer.

Em entrevistas posteriores, Britton disse que o seu braço estava preso pela compressão do solo. O esforço de tentar libertar o seu braço quase o fez desmaiar. Pior do que isso, cada vez que tentava exalar, o solo pressionava-se contra o peito dele, tornando-se impossível respirar. Felizmente, Britton sobreviveu à provação e ainda pratica como um escapologista.

5- A Bebé de Compton


Duas mulheres tiveram uma surpresa ao fazer uma caminhada em Compton, na Califórnia, em novembro de 2015. Enquanto faziam o seu caminho, ouviram gritos de bebé a ecoarem de debaixo da terra. Preocupadas, as mulheres chamaram a polícia e, quando as autoridades chegaram ao local, encontraram uma menina enterrada sob uma pilha de asfalto na pista de bicicleta.

O bebé tinha apenas 1 ou 2 dias de idade. Felizmente para a menina, os polícias foram capazes de recuperá-la rapidamente e levá-la a um hospital próximo. Curiosamente, a bebé estava enrolada num cobertor de hospital, mostrando que nasceu num centro médico. Os detetives que ficaram encarregues do caso rapidamente determinaram a identidade da mãe e as autoridades emitiram um mandado de US $ 500.000 para a sua prisão.

A mulher acabou por ser levada para a prisão e está a enfrentar acusações de tentativa de homicídio e de abuso infantil. A bebé está a recuperar bem, mas, se aquelas duas mulheres não estivessem no local certo à hora certa, a menina não teria sobrevivido.

4- Tom Guerin


A Grande Fome Irlandesa causou uma enorme quantidade de mortes e, como tal, os coveiros irlandeses foram duramente pressionados para encontrar espaço suficiente para todos os cadáveres. Eles trabalharam arduamente e muito rapidamente, muitas vezes cometendo alguns erros graves. Uma história comum daquela época era o conto de Tom Guerin, um menino de 3 anos de idade, que foi enterrado vivo por engano... mas conseguiu sobreviver.

Guerin foi dado como morto e foi enterrado, mas, durante o enterro, os coveiros acidentalmente partiram-lhe as duas pernas com uma pá. No entanto, ele foi capaz de cavar o seu caminho para a superfície. Claro, há uma outra versão dos acontecimentos. Alguns historiadores acreditam que os coveiros perceberam o erro depois de partirem acidentalmente as pernas de Tom, fazendo com que o menino gemesse de dor. No entanto, o próprio Guerin não apoia a segunda versão dos acontecimentos.

Após a provação, Guerin ficou coxo e, na década de 1890, recorreu ao Conselho de Guardiães para ter um novo par de pernas. Para convencê-los da sua causa, Guerin escreveu um verso sobre o seu enterro:

Ressuscitei dos mortos no ano 48
Quando um túmulo na abadia tinha estado perto do meu destino
Desde então, para a subsistência, fiz o meu melhor
Embora um pé aponte para leste e o outro para oeste

3- Um Bebé Chinês


Uma mulher do sul da China foi apanhar ervas, num dia, em maio de 2015. Estava perto de um cemitério, quando ouviu o som do choro de um bebé, a ecoar de debaixo da terra. Assustada, foi investigar e percebeu que havia um bebé enterrado vivo. Quando a polícia foi notificada, desenterraram o bebé e transportaram-no para o hospital para receber cuidados médicos.

As autoridades tentaram descobrir o que aconteceu e descobriram uma história horrível. O menino nasceu com um lábio leporino e os pais não queriam criá-lo. Então, colocaram o bebé numa caixa de papelão e abandonaram-no num cemitério. 2 dias depois, vários familiares foram até ao cemitério e, acreditando que o menino estava morto, sepultaram-no alguns centímetros no subsolo.

De acordo com os pais, eles não tinham cometido esse crime. Numa tentiva de destorção estranha dos eventos, eles acusaram os avós do menino de pagarem a um pistoleiro para "cuidar" do bebé. Mas ninguém acreditou na versão dos acontecimentos dos pais.

No total, o menino passou 8 dias enterrado no solo. Quando foi desenterrado, a polícia notou que ele estava a tossir água suja. O bebé provavelmente sobreviveu porque o oxigénio e a água da chuva escoaram através da sujeira, dando-lhe o essencial para o manter vivo. Felizmente, depois de receber assistência médica, a saúde do menino voltou ao normal.

2- Natalya Pasternak


Natalya Pasternak tem uma das histórias mais inusitadas desta lista. Nativa da Sibéria, Pasternak muitas vezes ia passear na floresta com o seu cão. Um dia, estava a coletar seiva de bétula quando se deparou com um urso. O animal atacou-a, mordendo-lhe as duas pernas. Pasternak tentou afastar o urso com um ramo de bétula, mas perdeu rapidamente a consciência.

Acreditando que Pasternak estava morta, o urso começou a cavar um buraco. A criatura enterrou Pasternak, pensando que o seu corpo estaria disponível mais tarde para o seu alimento. Felizmente, os caçadores tropeçaram no corpo e encontraram Pasternak enterrada sob a sujeira e os detritos. Percebendo que o urso provavelmente ainda estava perto, os caçadores encontraram-no e disparam contra ele. Quando, finalmente, desenterraram Pasternak, a primeira pergunta que ela fez aos caçadores foi se eles tinham morto o urso.

Pasternak teve uma recuperação completa do acidente, afirmando que o acidente lhe ofereceu uma nova perpetiva de vida. Ela atribui a sua sobrevivência a uma oração que realizou durante o ataque e está eternamente grata aos caçadores que a salvaram antes do urso voltar para a sua refeição.

1- Essie Dunbar


Em 1915, Essie Dunbar morava na Carolina do Sul. Com 30 anos, sofreu um ataque epiléptico, aparentemente fatal. Os médicos declararam-na morta e realizaram os preparativos para o seu enterro. A irmã de Dunbar queria viajar para a cidade para ir ao funeral, portanto, a igreja adiou sos erviços por um dia, para acomodar os seus desejos.

No entanto, o serviço foi iniciado antes da irmã de Dunbar conseguir chegar. Os pastores locais tentaram demorar o serviço quanto possível, mas, à medida que o tempo passava, decidiram começar o enterro. Mas, a irmã de Dunbar apareceu e convenceu-os a exumar o caixão, para que ela pudesse ver a sua irmã pela última vez.

Quando abriram o caixão, Dunbar sentou-se e sorriu para a irmã. Todos entraram em pânico e correram, pensando que ela era um fantasma. Dunbar perseguiu as pessoas até à cidade e, eventualmente, convenceu-os de que estava, na verdade, viva. No entanto, até vários anos mais tarde, muitas pessoas pensavam que ela era realmente um zombie. Independentemente do seu estado, Essie Dunbar continuou a arrastar-se na Carolina do Sul, até à sua morte final, em 1962.

Sem comentários:

Enviar um comentário