quinta-feira, 21 de abril de 2016

10 Profissões Comuns com Origens Secretamente Fascinantes

O que os barbeiros e os cirurgiões têm em comum? Porque é que o primeiro programador de computadores nunca chegou a programar um computador? E porque razão fazer um telefonema, se isso significa ser amaldiçoado por adolescentes bêbados? As respostas estão todas nas origens francamente estranhas das profissões chatas que temos hoje.

10- Comissários de Bordo 


Hoje, os estereótipos de uma comissária de bordo são uma bela mulher numa saia justa. Mas os primeiros comissários de bordo eram exclusivamente masculinos. Quando as viagens aéreas se tornaram mais comuns, a responsabilidade de atender aos passageiros e de servir bebidas passou para o co-piloto. Os comissários de bordo profissionais só voltaram a ser contratados na década de 1930, quando as primeiras comissárias de bordo do sexo feminino apareceram pela primeira vez. As mulheres em questão eram, na verdade, enfermeiras, uma vez que as companhias aéreas acreditavam que os passageiros se sentiriam muito mais seguros com assistência médica disponível para o caso de existir qualquer imprevisto. 

A primeira comissária de bordo foi Ellen Church, que era ao mesmo tempo piloto e enfermeira. As companhias aéreas recusaram-se a contratar um piloto feminino na época e a Igreja convenceu a agora United Airlines a contratá-la e a 7 outros enfermeiros como assistentes. A Igreja argumentou que as comissárias de bordo femininas iriam ajudar a lidar com os passageiros nervosos, afirmando que seria uma boa psicologia a companhia aérea ter ter mulheres no ar. Como é que um homem iria dizer que tinha medo de voar quando uma mulher estava a trabalhar no avião?

Quando a Segunda Guerra Mundial começou, a maioria dos enfermeiros deixaram de servir com os militares, o que levou as companhias aéreas a começar a contratar mulheres para substituí-los. Os homens só se tornaram assistentes de vôo novamente na década de 1960 e ainda não recuperaram o seu domínio até à data.

9- Barbeiros 


Os barbeiros profissionais remontam pelo menos ao antigo Egito, onde os nobres ricos mantinham barbeiros pessoais na sua equipa. Na Grécia e na Roma Antiga, o barbeiro era conhecido como uma fonte de fofocas e debate político. Mas as coisas realmente começam a ficar interessantes na Europa medieval, onde os barbeiros começaram a realização de cirurgias, bem como os cortes de cabelo.

Tudo começou no ano 1163, quando o papa emitiu um diploma que proibia os membros do clero de derramarem sangue. Isso foi um problema para os padres e para os monges, que muitas vezes realizavam pequenos procedimentos cirúrgicos. Então, procuraram ajuda nos barbeiros, que já tinham desenvolvido as lâminas de barbear e podiam encontrar-se em muitos mosteiros, para manter os monges bem barbeados.

Os cirurgiões-barbeiros tornaram-se ainda mais importantes devido à peste bubónica, que causou uma alta taxa de mortalidade entre os médicos treinados. Na Inglaterra, os barbeiros e os cirurgiões eram originalmente duas alianças separadas, mas cresceram juntos até Henry VIII os fundir em 1540. Ambroise Pare, considerado o pai da cirurgia moderna, começou como barbeiro.

8- Árbitros de Futebol 


Os jogos de futebol de antigamente não tinham nenhum árbitro. Os capitães das duas equipas eram responsáveis por resolver todas as divergências no campo. Quando o futebol se tornou mais competitivo, cada lado colocou um árbitro em campo. Os dois árbitros corriam ao redor do campo para observarem como o jogo progredia, mas não interferiam nos desacordos, exceto quando isso era solicitado pelos jogadores.

Por existirem longas divergências, o que levou à introdução de um árbitro neutro, nomeado por ambas as equipas. O árbitro assistia ao jogo e agia como cronometrista. Não interferia no jogo, embora tivesse o poder de advertir os jogadores. Mas só era consultado quando os dois árbitros não conseguiam chegar a um acordo.

Em 1891, as leis do jogo foram alteradas para dar ao árbitro a palavra final sobre o terreno de jogo, criando efetivamente o árbitro moderno. Os dois árbitros evoluíram para os árbitros assistentes. No entanto, o juiz teria de esperar até à Copa do Mundo de 1970 para começar a usar os cartões vermelhos e amarelos, que foram modelados em semáforos e introduzidos para ajudar a evitar confusões sobre se um jogador tinha sido expulso ou não.

7- Operadores de Chamadas


Nos primeiros dias do telefone, as pessoas não podiam simplesmente discar um número e esperar para ser conetado. Tinham que chamar o seu centro operacional de telefone, onde um operador de telefone iria operar manualmente um quadro para encaminhar a chamada para o destinatário pretendido. Uma chamada particularmente complicada poderia exigir 6 operadores a ligarem furiosamente os interruptores dos quadros de distribuição do tamanho de paredes.

Os primeiros operadores de chamadas eram jovens adolescentes. As companhias telefónicas sabia que o trabalho de uma central telefónica era um trabalho duro e pensaram que os adolescentes teriam a destreza, a energia e os reflexos necessários. Mais importante do que isso, eram baratos.

Infelizmente, ocorreram alguns problemas previsíveis por empregarem apenas adolescentes. Os adolescentes ganharam a reputação de fazerem piadas às pessoas, inclusive terminar as suas chamadas sem aviso e ligar deliberadamente dois estranhos para desfrutarem da confusão resultante. Também tinham a tendência de insultar os clientes e eram conhecidos por lutarem e por beberem álcool durante o trabalho.

Tudo foi um desastre e todos os seus operadores adolescentes do sexo masculino foram despedidos, substituindo-os por mulheres jovens, que eram consideradas mais calmas. Outras empresas de telefones seguiram o exemplo e os homens só se tornaram operadores de novo depois da legislação de igualdade de direitos ser aprovada na década de 1970.

6- Programadores de Computadores


Hoje, pensamos nos programadores de computadores, como homens nerds. Mas os primeiros programadores de computadores foram geralmente mulheres. De fato, o primeiro programador de computadores do mundo foi Ada Lovelace, uma matemática, filha de Lord Byron. Lovelace era amiga e colega de Charles Babbage, que foi a primeira pessoa a conceber um computador programável. Enquanto traduzia um artigo sobre Babbage, Lovelace escreveu um algoritmo que iria pedir à "Máquina Analítica" de Babbage para realizar os cálculos matemáticos. Este é considerado o primeiro programa de computadores. Lovelace também foi a primeira pessoa a sugerir que os computadores tinham aplicações além dos cálculos, uma vez que era possível representar qualquer tipo de dados, utilizando apenas números. Infelizmente, Babbage nunca construiu realmente o seu próprio computador, assim, o trabalho de Lovelace permaneceu teórico.

Na década de 1940, na Universidade da Pensilvânia, desenvolveram a máquina ENIAC (fotografia acima), um dos primeiros computadores eletrónicos. 6 mulheres foram contratadas para realizarem os cálculos na máquina, tornando-as as primeiras programadoras de computadores. As mulheres continuaram a dominar o campo em 1960, com a revista Cosmopolitan a declarar que a programação oferecia algumas das melhores oportunidades para as mulheres desenvolverem uma carreira. Uma cientista líder da computação, Dr. Grace Hopper, afirmou à revista que as mulheres eram naturais na programação, uma vez que era "apenas como planear um jantar." Enquanto isso, os homens preferiram trabalhar com o hardware, que era visto com mais prestígio do que o trabalho de software.

Infelizmente, os programadores do sexo masculino, eventualmente, dominaram o campo, fazendo esforços deliberados para forçar as suas contrapartes femininas a sair. Entre outras coisas, formaram associações profissionais apenas masculinas e encorajaram a contratação de requisitos que beneficiavam os homens, que eram mais propensos a ter estudado matemática na escola e na universidade. Os programadores do sexo masculino também apoiaram a introdução de perfis de personalidade para os candidatos ao emprego, que eram inclinados para os candidatos do sexo masculino. Aliás, esses mesmos perfis de personalidade argumentaram que o programador ideal seria desinteressado pelas pessoas, ajudando a criar o estereótipo dos anti-sociais nerds de computadores, que ainda é prevalente hoje.

5- Bombeiros 


O combate ao fogo começou logo que os seres humanos começaram a viver juntos em casas inflamáveis. No entanto, o primeiro equipamento profissional de combate a incêndios que conhecemos, remonta à antiga Roma, onde o famoso rico Marco Licínio Crasso criou a sua própria equipa de combate ao fogo. Sempre que havia um surto de fogo, a sua equipa corria para o local e iniciava as negociações com o proprietário do imóvel. Se ambos os lados concordassem com uma taxa, eles iriam apagar o fogo. Se não, a equipa de Crasso poderia simplesmente sair, permitindo que a propriedade queimasse.

Possivelmente inspirado por Crasso, o imperador Augusto, eventualmente, formou a sua própria brigada de incêndios. Ao contrário de Crasso e dos seus homens, os serviços eram gratuitos. Mais tarde, o combate aos incêndios foi quase deixado de lado, pois as pessoas estavam mais preocupadas com a captura de criminosos do que com o combate aos incêndios. Em 1666, o Grande Incêndio de Londres solicitou às seguradoras inglesas que formassem as suas próprias corporações de bombeiros. Sempre que houvesse um incêndio, os bombeiros locais seriam chamados, mas só iriam apagar o fogo se o edifício estivesse seguro e com a companhia certa. Como resultado, as casas eram frequentemente deixadas a arder até que os bombeiros acertassem tudo.

Edimburgo, finalmente, formou a primeira brigada de incêndio adequada, em 1824. O chefe oficial era James Braidwood, que mais tarde foi recrutado para promulgar reformas semelhantes em Londres. Depois de estabelecer os princípios do combate aos incêndios modernos, foi morto enquanto lutava contra um armazém de fogo, em Londres, em 1861.

4- Enfermeiros 


Hoje, os homens representam apenas cerca de 6 por cento de todos os enfermeiros nos EUA. Mas, a primeira escola de enfermagem do mundo, criada em Punjab, em torno de 250 aC, só aceitava homens, pois as mulheres não eram consideradas "puras" o suficiente para se tornarem enfermeiras. Um grupo primitivo cristão, conhecido como Parabolani, era composto por homens que atuavam como enfermeiros para ajudarem os doentes e os moribundos (embora também desenvolvessem uma reputação desagradável por entrarem violentamente em choques com os não-cristãos locais). Na Idade Média, uma série de ordens religiosas da enfermagem do sexo masculino surgiram, incluindo o Alexian Brotherhood, que ainda existe hoje.

A enfermagem profissional moderna é muitas vezes rastreada até Florence Nightingale, que acreditava que os doentes deveriam beneficiar de um cuidado delicado, com base nos princípios científicos. Ela colocou as ideias em prática durante a Guerra da Crimeia, quando levou um grupo de enfermeiras a reorganizar o hospital militar em Scutari, cortando as taxas de mortalidade e tonando-se famosa em todo o mundo. O sucesso de Nightingale revolucionou os cuidados médicos e a enfermagem Europeia estabeleceu-se como uma profissão respeitável para as mulheres. Enquanto isso, o número de enfermeiros diminuiu. O Exército dos EUA proibiu os enfermeiros no início de 1900 e algumas escolas de enfermagem continuaram a rejeitar candidatos do sexo masculino até ao início dos anos 80.

3- Secretários 


O trabalho de secretário remonta aos escribas do mundo antigo. Na verdade, o próprio nome deriva da palavra latina para segredo (secretum), pois os primeiros secretários eram frequentemente confiados com informações confidenciais pelos seus empregadores. Até ao período medieval, o trabalho de secretariado era realizado, em grande parte, pelos padres e por outros clérigos, mas os secretários a tempo integral reapareceram na Renascença.

Quase todos os primeiros secretários foram homens, mas um grande número de mulheres começaram a praticar a profissão durante a Guerra Civil Americana, quando a falta de pessoal fez com que o Tesouro dos Estados Unidos contratasse 1500 trabalhadores do sexo feminino para realizarem o trabalho de escritório. As mulheres dominaram a profissão no final do século 19, ajudadas pela invenção da máquina de escrever, que foi vista como mais adequada para os dedos delicados do sexo feminino.

Infelizmente, o trabalho era mal-pago e oferecia poucas oportunidades de progresso e começou a exigir uma grande dose de habilidade. Os secretários eram muitas vezes obrigados a realizar tarefas domésticas humilhantes ou a executar recados pessoais para o seu chefe.

Mesmo assim, o trabalho de secretariado manteve-se a melhor opção para muitas mulheres. As coisas começaram a mudar nos anos 60 e 70, quando o movimento de libertação das mulheres e o aumento das oportunidades noutros campos resultou na escassez de secretários. A Associação Nacional de Secretários começou a treinar os seus membros em contabilidade e outras habilidades necessárias para chegarem aos cargos de gerência, enquanto o governo dos Estados Unidos advertiu os burocratas séniores contra o mau tratamento dos seus secretários. O nome "secretário" começou a cair em desuso, passando a ser mais conhecido como "assistente administrativo."

2- Advogados 


Os sistemas legais são quase tão antigos como a civilização humana, que remonta além do famoso Código de Hamurabi, no século 18 aC. No entanto, uma profissão jurídica real não surgiu até muito mais tarde. Os sofistas da Grécia Antiga eram uma classe de estudiosos que se tornaram, sem dúvida, os primeiros advogados, mas eram inibidos pelas leis que exigiam que os cidadãos se defendessem em tribunal. Eventualmente, os cidadãos poderiam pedir a alguém para defender em seu nome, mas eram estritamente proibidos de lhes pagar pelos seus serviços. A Roma Antiga tinha restrições semelhantes, mas os oradores romanos contornavam-nas perfeitamente, pedindo em silêncio "doações voluntárias" aos seus clientes, criando, talvez, a primeira classe de advogado pagos. Reconhecendo esse fato, o Império Romano abandonou as restrições e estabeleceu um sistema de taxas para a representação legal.

O sistema jurídico romano sobreviveu, graças ao colapso da Roma à Igreja Católica, que estabeleceu o seu próprio sistema de direito canónico. Os juristas civis ressurgiram no século 12, quando um centro para o estudo do direito romano foi criado em Bolonha. Na Inglaterra, o sistema legal foi criado por uma sociedade especial conhecida como Inns of Court, que treinou os aprendizes para discutirem a lei perante as cortes reais. Um sistema de solicitadores e advogados foi desenvolvido e perdura até hoje. Ao contrário do resto da Europa, o sistema legal inglês veio em grande parte sobre via precedente e não através da legislação do governo. Os EUA adotaram um sistema mais codificado, incluindo uma constituição escrita.

1- Polícias 


A aplicação da lei tem uma longa história, embora os primeiros polícias, normalmente, também servissem como lixeiros e bombeiros. A primeira força policial organizada do mundo, operou no Egito, por volta de 3000 aC, embora estivessem mais preocupados com a manutenção da ordem pública e com a cobrança de impostos. Na Grécia antiga, a cidade-estado de Atenas tinha um grupo de magistrados chamados "Os 11", que supervisionavam a justiça criminal. Eram auxiliados por uma equipa de 300 escravos citas armados, responsáveis pela manutenção da ordem na cidade.

Outras culturas antigas também começaram a sua força policial com escravos ou com as classes mais baixas, o que significava que esse trabalho geralmente era visto como um trabalho degradante. Os romanos preferiam deixar os cidadãos resolverem os seus próprios problemas por meio de ações judiciais nos tribunais civis. Augustus criou 3 "cortes urbanas" da polícia, mas estavam mais preocupados com a manutenção da ordem pública do que em parar os crimes individuais. A tendência para ver o crime como uma questão privada e não um problema para o governo durou até à Idade Média, com os governantes a raramente tentarem estabelecer qualquer tipo de força policial.

Na Inglaterra, o sistema necessitava que as comunidades se unissem para se protegerem e manterem a paz. Se um crime fosse cometido, todos os homens da comunidade eram obrigados a perseguir o criminoso. Qualquer um que se recusasse a juntar-se à busca seria considerado um criminoso também. Se não houvesse testemunhas do crime, as vítimas estavam basicamente por conta própria para investigarem, pois não havia nenhuma organização policial permanente. Os normandos introduziram o escritório de polícia, encarregado de supervisionar os relógios locais e fornecer a segurança, mas mantiveram o sistema onde os civis eram responsáveis pela apreensão dos criminosos.

A primeira força policial da Inglaterra foi criada por dois magistrados de Londres, em 1750, mas demorou até 1812 para o governo estabelecer o Departamento de Polícia Metropolitana de Londres, que serviu de modelo para o policiamento no resto do mundo. Nos EUA, Boston tornou-se a primeira cidade a estabelecer uma força policial profissional em 1838, substituindo um sistema de vigias voluntários (que, na sua maioria, tentavam evitar o serviço militar) e os guardas semi-profissionais.

Sem comentários:

Enviar um comentário