terça-feira, 13 de setembro de 2016

10 Ocidentais Que se Juntaram à ISIS

10- As Adolescentes Austríacas Que Foram Utilizadas Como Escravas Sexuais Depos de Entrarem na ISIS


Acredita-se que uma adolescente austríaca que fugiu para se juntar ao Estado Islâmico foi usada como escrava sexual dos novos membros; antes de ser espancada até à morte quando tentou escapar.

As suas amigas, Samra Kesinovic, de 17 anos de idade, e Sabina Selimovic, de 15 anos de idade, desapareceram das suas casas em 2014, deixando um bilhete às suas famílias, que dizia: "Não procurem por nós. Vamos servir a Deus e iremos morrer por ele." Partiram para a Síria, onde se acreditava terem casado imediatamente, ficado grávidas e iniciado a vida na cidade de Rakka.

As meninas rapidamente perceberam o seu erro e queriam voltar para casa. Os jornais austríacos, que citaram fontes internas e uma entrevista com uma mulher tunisina que viveu lá e conseguiu escapar, foram informados de que Samra tentou fugir várias vezes. Depois da sua última tentativa, foi espancada tão severamente com um martelo, que morreu devido aos seus ferimentos. Também foi relatada a morte de Sabina, durante os confrontos no reduto jihadista da Al-Raqqah.

9- O Sobrevivente do Colapso da Ponte Que Usou o Dinheiro Que Recebeu Para se Juntar à ISIS


Em 2007, Mohamed Roble tinha quase 11 anos de idade, quando o autocarro escolar em que viajava despencou de cerca de 30 pés e entrou em colapso sobre as Cataratas de Saint Anthony do rio Mississipi.

O colapso matou 13 pessoas e feriu outras 145. Roble recebeu mais de US $ 65.000 de compensação pelos seus ferimentos - que incluíam dores de cabeça, braços, pescoço e costas, juntamente com pesadelos e estresse pós-traumático - no seu aniversário de 18 anos de idade. Acreditando que "Deus o havia poupado para um propósito", usou esse dinheiro para viajar para o Oriente Médio e juntar-se à ISIS. Roble é conhecido por financiar casamentos e carros a membros do grupo.

8- O Adolescente Australiano Tímido Que se Tornou um Homem-Bomba Para o Estado Islâmico


O adolescente australiano Jake Bilardi foi descrito pelo seu pai como um "rapaz tímido e solitário" com "desejos de morte". Acredita-se que Bilardi morreu em 2015, durante uma série de atentados suicidas coordenados na cidade iraquiana de Ramadi.

John Bilardi disse que ignorou os problemas mentais e psicológicos do seu filho quando ele era criança. O mais jovem de 6 irmãos, Jake era uma criança difícil que não se encaixava; desejava atenção e tinha várias explosões violentas.

Na sequência de um divórcio amargo, John perdeu o contato com os seus filhos, mas reconetou-se com Jake logo após a morte da sua ex-esposa. Foi, no entanto, demasiado tarde - Jake era taciturno e retraído e radicalizou-se ao ver a propaganda do Estado Islâmico. Juntou-se à luta na Síria e tornou-se um rapaz-propaganda para o grupo terrorista.

John Bilardi sente-se responsável pelas ações do seu filho. "Ele era meu filho e eu sabia que algo não estava bem."

7- A Mulher do Mississippi Que Planeou Uma Lua de Mel Falsa Numa Tentativa de se Juntar à ISIS


Jaelyn Young, uma estudante e ex-cheerleader do Mississippi, foi condenada a 12 anos de prisão pelo seu plano de se juntar à ISIS.

Young converteu-se ao Islão durante uma crise emocional. Radicalizou-se e convenceu o seu noivo Muhammad Dakhlalla a viajar com ela a uma lua de mel falsa para o Oriente Médio. Entrou em contato com agentes do FBI, disfarçados de membros da ISIS, on-line, numa tentativa de se juntar ao grupo e, secretamente, usou cartões de crédito para comprar bilhetes para Istambul para si e para Dakhlalla. Declarou-se culpada a 11 de março e está previsto ser condenada a 24 de agosto de 2016.

6- A Mãe Que Deixou a Bélgica Para Uma Vida na ISIS, Que Escapou Quando "Era o Oposto do Que Prometeram"


Laura Passoni, de 30 anos de idade, da Bélgica, conheceu o seu futuro marido, Osama Rayan, enquanto trabalhava num supermercado. Apaixonaram-se e partiram para a Tunísia antes de finalmente se estabelecerem na Síria.

Uma vez lá, Laura foi confinado à casa para fazer a limpeza e cozinhar e só era autorizada a sair quando estava na companhia do seu marido. Rapidamente percebeu que não era um lugar onde queria criar o filho. Ela nunca foi tratada com violência, mas era uma prisioneira: "Estava proibida de fazer qualquer coisa, só deveria cuidar da casa e do filho; não podia sair de casa ou usar a Internet sem a presença de um homem. Comecei a ter muito medo de que levassem o meu filho para longe de mim, o que era exatamente o oposto do que tinham prometido na propaganda do Califado".

Laura decidiu fugir quando percebeu que o seu filho poderia acabar como um terrorista. Teve acesso a um telemóvel e foi capaz de comunicar com os seus pais, mas recusou-se a revelar detalhes de como escapou.

Quando voltou para a Bélgica, os assistentes sociais riearam-lhes os filhos durante 3 meses e nomearam os seus avós como tutores. Laura foi condenada a liberdade condicional de 5 anos e uma multa de € 15.000 (£ 11,800). Também foi proibida de usar a mídia social.

5- A Ex-Rocker Que Agora Lidera um Contingente Exclusivamente Feminino da ISIS


Brit Sally Jones (agora conhecida como Sakinah Hussain), uma ex-cantora de rock, radicalizou-se após conhecer o seu marido condenado como hacker, Junaid Hussain, online. Deixou o seu filho, de 18 anos de idade, para trás e escondeu-se na Síria no final de 2013, com o seu filho mais novo, Jojo (renomeado Hamza), de 10 anos de idade.

Desde então, Jones publicou uma série de ameaças em sites de redes sociais. Em 2015, surgiu um vídeo em que aparece a conduzir um contingente exclusivamente feminino da ISIS, numa série de cânticos que expressam o compromisso das combatentes para com a jihad.

4- O Rapper Alemão Que Foi Apelidado de "Goebbels da ISIS"


"Goebbels da ISIS", o rapper alemão Denis Cuspert (também conhecidos como Deso Dogg), foi morto num ataque aéreo dos EUA na Síria em 2015.

Cuspert juntou-se ao estado islâmico em 2012 e passou a aparecer e a produzir inúmeros vídeos para o grupo, incluindo um em que aparece a segurar uma cabeça decepada. Como um dos seus destacados lutadores mais ocidental, também se acredita que está por trás da filmagem de "Jihad John" (britânico Mohammed Emwazi) a decapitar prisioneiros britânicos e norte-americanos com uma faca.

O FBI investigou Cuspert através da sua esposa síria, que transmitiu a informação crítica sobre o rapper e os seus colegas da ISIS, antes de fugir para a Turquia, onde foi preso e, em seguida, virou-se para os EUA.

3- A Adolescente Britânica Que Tinha Muito Medo de Fugir da Isis - E Morreu Num Ataque Aéreo


Acredita-se que uma das três adolescentes que deixaram a Grã-Bretanha para se juntar à ISIS tenha morrido num ataque aéreo na Raqqa no início deste ano.

Kadiza Sultana, de 15 anos de idade, viajou para a Turquia com as amigas Shamima Begum e Amira, para irem para a Síria. Uma vez lá, as meninas casaram com combatentes aprovados pela ISIS - dois eram viúvos de meses dos seus casamentos. Sultana ficou desiludida com a sua vida na Síria (como aconteceu com todasas outras pessoas desta lista, não era o que ela esperava) e considerou a tentativa de voltar para a Grã-Bretanha. No entanto, tinha muito medo, pois os riscos do plano eram demasiado elevados e ela sentia que seria capturada e executada publicamente; o destino que se abateu sobre uma mulher austríaca que tentou fugir da organização terrorista.

Apesar de não existir nenhuma evidência, a vida de Shamima Begum e Amira Abase estão em perigo iminente, o comandante Asmah disse que "nunca" se tem permissão para voltar para casa e que se é mais propenso a "morrer no Iraque ou na Síria."

2- O Ex-vendedor de Castelos Insufláveis, Que Agora é Membro da ISIS


Siddhartha Dhar, um jihadista britânico caraterizado num recente vídeo de assassinato da ISIS, é um convertido do hinduísmo, que viveu no leste de Londres. Era fã do clube de futebol Arsenal e de Nirvana e teve uma carreira, decididamente menos nefasta, como vendedor de castelos insufláveis.

Em junho de 2016, foi identificado pela mídia como porta-voz no vídeo mais recente da organização militante, que mostra a morte de 5 homens acusados de serem espiões ocidentais.

Dhar havia sido radicalizado antes de deixar o Reino Unido. Enquanto estava em liberdade sob fiança, depois da sua prisão por suspeita de pertencer a um grupo proibido e encorajar o terrorismo, saiu da cidade rumo à Síria.

"Cresci no Ocidente, mas vivi no Reino Unido toda a minha vida; vi o que a democracia tem para oferecer e, francamente, é muito opressiva," afirma Dhar num vídeo do YouTube intitulado "A Beleza da Shariah e do Califado".

1- A Adolescente Sueca Que se Juntou à ISIS, Mas Teve Saudades de Casa Quando Descobriu Que Era Uma "Vida Dura"


Em fevereiro de 2016, Marlin Stivani Nivarlain, de 16 anos de idade, de Borås, na Suécia, foi resgatada da ISIS pela segunda vez. Ela foi uma das sortudas.

Nivarlain abandonou a escola aos 14 anos de idade, após conhecer o seu namoradom de 19 anos de idade, online. Foi com ele até Mosul para se juntar à ISIS. Tem sido relatado que estava grávida na época em que tinha fugido (o paradeiro da criança é atualmente desconhecido).

A dupla viajou por toda a Europa de comboio e foi de autocarro da Bulgária à Turquia, em maio de 2015. Conetaram-se com os membros dao ISIS e cruzaram a fronteira para a Síria. Lá, a Nivarlain e ao seu namorado foram dadas uma casa, mas faltavam-lhe as necessidades básicas (ou seja, água e eletricidade), a que ela tinha sido acostumada na Suécia.

Logo, ficou com saudades. Foi resgatada em outubro de 2015, mas escapou e voltou para o seu namorado. Foi encontrada novamente a pedido das autoridades suecas, que estendeu a mão às forças curdas. Conseguiram localizá-la e levá-la para a cidade curda de Irbil.

O namorado de Nivarlain foi morto num ataque aéreo e é incerto se ela irá enfrentar acusações na Suécia.

Sem comentários:

Enviar um comentário