segunda-feira, 19 de setembro de 2016

10 Religiões Misteriosas Praticadas Nas Sombras

As religiões praticadas nas sombras desafiam a opinião popular; atravessam a linha entre a devoção e a heresia. Muitas são híbridas sincréticas e de muitas teologias. Estas religiões têm uma forma curiosa de estruturas, especialmente quando emergem de classes mais baixas ou contém ideias estrangeiras. Algumas dessas crenças baseiam-se ainda mais na obscuridade, limitando os seus mistérios mais profundos aos iniciados.

10- Alawitas


Um em cada 12 sírios é Alawita, praticantes de uma seita secreta do Islão, que data do século IX. Estes xiitas adoram Mohammed como um Deus, negam que as mulheres têm alma e acreditam na reencarnação. Os otomanos rejeitaram-nos e os sunita não acreditam que sejam muçulmanos.

Os Alawitas são acusados ​​de usar o véu do Islão para esconder as suas crenças radicais. "Jejum" significa manter segredos e "peregrinação" é uma visita aos seus xeques. Ibn Battuta, cronista do século 14, observou que não compareciam a mesquitas.

O Presidente Bashar Al-Assad da Síria é um membro da seita. Está atualmente a trabalhar para normalizar esta fé sombria. No entanto, muitos suspeitam que centenárias queixas Alawita-Sunitas sejam o subtexto de grande parte do conflito sírio.

9- Candomblé


Os Candomblé chegaram ao Brasil em navios negreiros. O seu Deus todo-poderoso é auxiliado por espíritos auxiliares menores e espíritos de guia pessoal. Os praticantes não acreditam num bom ou num mau destino.

Desde 1970, quando a proibição da reunião pública sem a permissão da polícia foi erguida, as pessoas começaram a identificar-se mais com a religião. Nos últimos anos, o cristianismo evangélico tem vindo a aumentar no Brasil e para combater a influência política desses novos cristãos, criaram um partido político Candomblé: o Partido para a Liberdade de Expressão. Os evangélicos têm atacado santuários e rotulados fiéis seguidores do diabo. A política de raça estão no cerne da questão. O Brasil foi o último país a proibir a escravidão. Metade da população considera-se negra e ainda têm pouco poder político; e Candomblé é uma religião africana, inequivocamente.

8- Kakure Kirishitan


Os Kirishitans Kakure são cristãos ocultos do Japão. Depois do xogunato Tokugawa proibir a sua religião, os fiéis continuaram-na, mas em sigilo. Kakure Kirishitan permaneceu oculta durante 450 anos, muito depois da perseguição de 1873.

Com o seu desenvolvimento nas sombras, esta fé transformou-se em algo que os missionários espanhóis de meados de 1500 teriam dificuldade em reconhecer. Kakure Kirishitans fundiu o catolicismo com o xintoísmo e o budismo. Eliminaram todas as relíquias exteriores, disfarçaram Maria e Jesus como Budas e camuflaram as orações como cantos. No entanto, mantêm a música cristã original.

7- Yazidi


Com cerca de 700.000 em todo o mundo, Yazidi é tão secreta que muitas das suas crenças não são ainda conhecidas pelos fiéis. Os seus livros sagrados estão escondidos dos leigos e os iniciados devem jurar nunca revelar os seus segredos.

Depois de séculos de perseguição, Yazidi têm medo das pessoas de fora. Sob o domínio otomano, enfrentaram 72 genocídios. A Al-Qaeda e a ISIS rotularam-nos de infiéis. Os Yazidi têm a reputação de serem adoradores do diabo. Veneram Melek Tawwus, o Anjo Peacock, que caiu em desgraça. Praticam uma série de crenças: o baptismo, a remoção de sapatos na igreja e a exibição de fogo como uma manifestação divina. Também oram 3 vezes ao dia, mas em direção ao Sol, ao invés de Meca.

6- Os Cripto-Judeus do Novo México


Durante o século 15, a Península Ibérica conviveu com o anti-semitismo. Judeus sefarditas, que habitaram a Espanha durante séculos, foram forçados a converter-se ou a morrer. Muitos foram batizados, mas permaneceram judaicos em segredo. Outros fugiram.

O Novo México há muito tempo que tem uma tradição popular que foi colonizada por cripto-judeus. Histórias de estrelas de David gravadas em lápides ofereciam essas evidências. Durante anos, foram descartadas como sendo o trabalho de seitas cristãs extremas.

No entanto, testes de ADN recentes ofereceram as provas. Apesar de menos de 1 por cento dos não-judeus possuirem o gene Cohanim judaico, esse fene foi encontrado em 38 por cento das pessoas testadas no Novo México. Acredita-se que uma população de cripto-judeus se estabeleceu na área quando a Inquisição chegou ao México. Esses judeus escondidos tiveram que praticar a sua religião em segredo. Às vezes, apenas as práticas extremamente superficiais permaneceram. Muitos mexicanos novos que foram criados como católicos converteram-se oficialmente ao judaísmo, abraçando a sua "verdadeira" identidade.

5- Santeria


Santeria, ou Caminho dos Santos, foi trazida para Cuba através dos escravos. Foi desenvolvida em plantações de açúcar do século 18, principalmente entre os iorubás da Nigéria, que usavam os santos católicos como análogos para os seus orixás, os espíritos semi-divinos. Durante séculos, Santeria foi condenada, primeiro pelos senhores católicos da ilha e depois pela veementemente anti-religiosa Castro.

Séculos de perseguição e opressão levaram a religião para as sombras. A fé deve a sua sobrevivência à sua rica tradição oral, que foi passada meticulosamente de uma geração de iniciados à próxima. Grande parte da teologia da Santeria é obscura para os seus leigos. Muitos ritos, como o sacrifício de animais, só podem ser vistos por padres, ou Santeros.

4- As Sociedades Secretas Chinesas


A China é oficialmente ateísta. O seu partido comunista só reconhece 5 religiões: o budismo, o taoísmo, o islamismo, o catolicismo e o protestantismo. Muitos cristãos não encontram o que procuram neste menu limitado e são forçados a um caminho religioso escondido. Reunem-se em locais secretos, em casas particulares, ou outros locais para expressarem a sua fé.

O governo chinês tem reprimido os cristãos. Ao longo dos últimos 2 anos, 1.700 cruzes foram derrubadas das igrejas só na Província de Zhejiang. Muitas vezes, esse vandalismo sancionado pelo governo é acompanhado por violentos confrontos. Atualmente, a China tem um número estimado de 65 milhões de cristãos, metade dos quais adoram em segredo. Em breve será o maior país cristão do mundo.

3- Umbanda


Umbanda é única religião que teve origema do Brasil. A religião foi fundada pelo médium Fernandino de Moraes, que fundiu as tradições africanas, o catolicismo, o espiritismo e as crenças indígenas. Uma variedade conhecida como "Quimbanda" ou "Magia Negra" é agora considerada uma religião separada.

Estima-se que existam 400.000 seguidores de Umbanda, a maioria dos quais praticando em segredo para evitar ameaças e vandalismo. A maioria da população brasileira considera que seja uma adoração ao diabo. A ascensão dos  evangélicos são uma grande ameaça. Vários pastores foram presos por incentivar a intolerância religiosa a Umbanda.

2- Drusos


Os drusos praticam uma fé secreta, derivada do Islão. Incorpora elementos do cristianismo, do hinduísmo e da filosofia grega. Os drusos estão espalhados por todo o Oriente Médio. Após o colapso do Império Otomano, a maioria estabeleceu-se na Síria, no Líbano, na Jordânia e em Israel.

Os drusos têm sido figuras-chave da história do Médio Oriente. Defenderam a costa libanesa dos cruzados e ganharam a autonomia dos otomanos depois de frequentes rebeliões. Tiveram que ter muita autodeterminação para manter os segredos da sua fé sombria. Somente os iniciados, conhecidos como "Uqqal", participam plenamente nos seus serviços religiosos e têm acesso às suas escrituras sagradas.

1- Chueta


O Chuetas de Maiorca são cripto-judeus que foram perseguidos durante séculos. Os chuetas foram convertidos à força ao catolicismo durante o século 15 pela Inquisição, mas muitos continuaram a praticar secretamente o judaísmo.

Os chuetas, que compreendem 20.000 dos 860.000 habitantes da ilha, têm tido uma grande dificuldade em manter a sua fé escondida. Com sobrenomes facilmente identificáveis, eram ridicularizados, excluídos das ocupações tradicionais e impedidos de entrar na universidade. Muitos afirmam não ter existido nenhum casamento misto entre católicos e chuetas nas duas últimas gerações.

Os tempos estão a começar a mudar. O governo de Maiorca recentemente pediu desculpas por um massacre em 1691, em que 37 chuetas foram queimados até à morte à frente de um público de 30.000 pessoas.

Sem comentários:

Enviar um comentário