quinta-feira, 29 de setembro de 2016

10 Tendências de Beleza Perigosas da Era Vitoriana

Na era vitoriana em Inglaterra, uma mulher que usasse maquilhagem era considerada uma "senhora pintada" ou uma prostituta. Embora as faces brancas pintadas e os lábios vermelhos brilhantes tenham sido populares antes dela chegar ao poder, a rainha Victoria chamou à prática "vulgar", o que levou muitas pessoas na Inglaterra a abandoná-la completamente ou a tentar um look com maquilhagem mais natural.

Como resultado, os anos 1800 foram preenchidos com invenções para melhorar caraterísticas naturais das mulheres, mas muitas destas ideias deformaram os seus corpos ou mataram-nos lentamente com produtos químicos tóxicos.

10- Branqueamento da Face


Ter uma pele extremamente pálida era importante para as mulheres em 1800. As mulheres de classe alta queriam mostrar que eram ricas o suficiente para não terem de trabalhar ao sol quente. Queriam que a sua pele fosse tão pálida que era "translúcida", de forma a que se pudessem ver as veias nos seus rostos. Os vitorianos tinham uma obsessão com a morte e realmente pensavam que era atraente as mulheres parecerem doentes ou mortas.

Foi recomendado que as mulheres usassem pequenas quantidades de ópio em folhas de alface no rosto durante a noite e lavassem o rosto com amoníaco de manhã, para garantir que estariam sempre tão claras quanto era possível.

O arsénico era suposto remover as sardas, fazendo com que as mulheres parecessem mais jovens e mais atraentes. Estavam plenamente conscientes de que o arsénico era venenoso e viciante, mas optaram por fazê-lo de qualquer maneira para alcançarem o seu ideal de beleza.

9- Queimar o Cabelo


Em 1800, o cabelo encaracolado era popular. Os ferros iniciais eram pinças que precisavam de ser aquecidaa no fogo. Se uma mulher puxase o ferro de ondulação para fora do fogo e o aplicasse no cabelo muito rapidamente, estaria tão quente que o seu cabelo literalmente queimaria.

Como resultado, a calvície tornou-se um problema comum para as mulheres na era vitoriana. Mesmo tornando-se hábeis a enrolar o cabelo, ainda era muita pressão sobre o couro cabeludo para denominá-lo constantemente em cachos apertados.

As mulheres tentaram vários remédios de chás e medicamentos. Foi mesmo sugerido que o cabelo deveria ser banhado com amónia e água para estimular o crescimento. A exposição a amónia pode causar problemas respiratórios e queimar a pele. E também pode provocar cegueira.

8- Purificação do Sangue 


Durante a era vitoriana, muitas pessoas morreram de consumo (tuberculose) e a sociedade tinha um fascínio assustador com a morte. Foi declarado que as mais belas estavam constantemente a vomitar sangue e que isso realmente purgava as impurezas do seu corpo, o que tornava a sua pele clara e branca.

As mulheres começaram a comer tão pouco quanto possível. Isso permitiu-lhes manter a força apenas o suficiente para conseguirem resistir, enfraquecendo os seus corpos. Uma propaganda sugeriu um plano de refeições que consistia de um punhado de morangos ao pequeno-almoço, metade de uma laranja ao almoço e cerejas ao jantar.

7- Máquinas do Nariz 


Durante a era vitoriana, muitos homens e mulheres estavam descontentes com os narizes com que haviam nascido, exatamente como hoje. Anos antes da cirurgia plástica existir, havia uma variedade de empresas que fabricavam "máquinas de nariz." Estes dispositivos metálicos eram amarrados ao rosto de uma pessoa para apertar a cartilagem mole do seu nariz, para ser menor ou mais reta do que era antes .

Ao longo dos anos, o produto continuou a ser vendido. Heather Bigg inventou uma engenhoca de mola com alças para segurar o metal em volta do rosto do paciente enquanto dormia durante a noite e, ocasionalmente, durante todo o dia.
Dr. Sid, um cirurgião de Paris durante a era vitoriana, relatou aos seus colegas ingleses que tinha criado um metal de mola que apertou o nariz grande de um paciente de 15 anos de idade, durante 3 meses, até ele estar feliz com os resultados.

6- Dieta da Ténia


Os espartilhos eram populares durante a era vitoriana por fazerem as cinturas das mulheres tão pequenas quanto possível. Para perder peso, algumas mulheres engoliam uma pílula de ténia de propósito. A pequena criatura escorregadia iria chocar dentro do estômago e devorar qualquer alimento ingerido pela mulher.

Depois da dieta ser feita, a mulher iria tomar pílulas para matar a ténia. Mas também se acreditava que sentar-se à frente de uma tigela de leite com a boca aberta iria atrair os vermes a rastejar para fora por conta própria. No entanto, os vermes são conhecidos por crescerem até 9 metros (30 pés), por isso mesmo que o método funcionasse, as pessoas poderiam sufocar durante esse processo.

Dr. Meyers de Sheffield, inventou um dispositivo que era suposto remover as ténias dos estômagos das pessoas. Era um cilindro de metal cheio com alimentos que deslizavam pela garganta do paciente. Foram instruídos a evitar comer por vários dias, o que forçaria os vermes dentro do cilindro a comer a comida.

Em teoria, uma vez que os vermes estavam no tubo, ele poderia retirar o tubo do doente e remover os vermes dos seus estômagos. Infelizmente, muitos dos seus pacientes engasgaram-se e morreram devido à sua invenção.

5- Beladona Para Realçar o Olhar


Juntamente com a cor quase morta dos seus rostos, as mulheres com tuberculose eram conhecidas por ter pupilas dilatadas e olhos lacrimejantes. Na era vitoriana em Inglaterra, as mulheres com grandes olhos eram consideradas extremamente belas. Para alcançar esse olhar, usavam gotas de beladona.

A planta beladona é uma das plantas mais venenosas que existe. Consumir um par de bagas ou uma folha pode ser fatal. Em doses menores, o veneno pode causar intestino irritável, erupções cutâneas, inchaço e até cegueira. As mulheres da era vitoriana sabiam desses perigos e continuavam a usar o veneno de qualquer maneira.

Nos seus últimos anos, a Rainha Victoria usava gotas de beladona nos olhos, na tentativa de se livrar das suas cataratas. Embora as gotas não curassem a sua condição, a sua visão melhorou por ter as pupilas dilatadas. Então, continuou a usar os colírios e recusou-se a fazer uma cirurgia.

4- Higiene Dental Venenosa


Uma propaganda recomendou engolir uma colher de chá de amónia venenosa misturado num copo de água para melhorar a respiração e evitar a deterioração dos dentes para alguém que sofresse de "ácido do estômago", o que hoje chamamos de refluxo ácido. Para pasta de dentes, recomendou o uso de pão queimado ou carvão duas vezes por dia para limpar os dentes.

Num guia de beleza pessoal, o autor recomendou que se os dentes de alguém estivessem a começar a apodrecer, deveriam fazer um bochecho com aguardente, espíritos de cânfora e mirra. A deglutição de cânfora pode levar à morte, embora seja usada para infeções e cicatrização.

Para a dor de dentes, pastilhas de cocaína estavam facilmente disponíveis para compra numa farmácia local. Também se acreditava que curavam as tosses e as constipações. Obviamente, estas pastilhas eram tão populares que as pessoas ficaram viciadas nelas.

3- Remoção do Cabelo 


O mito antigo de que arrancar um fio de cabelo fará com que 3 cabelos mais áspers e escuros nasce no seu lugar é muito antigo. E, apesar de ser falso, ainda é dito às raparigas de hoje em dia. Em vez de usar uma pinça ou fazer a barba, existiam uma variedade de sugestões, incluindo uma prática aparentemente inofensiva de secar a pele com uma pasta de cinzas de madeira para que o cabelo simplesmente caísse.

No entanto, nem todas as ideias de remoção de pêlos eram tão inocentes. Também foi sugerido matar 2 pássaros com uma pedra para branquearem os seus antebraços e removerem os pêlos, ao mesmo tempo. Para isso, era aconselhável utilizar cloreto de cal, que é um produto químico usado para branquear algodão, seguido por uma lavagem com vinagre.

2- Sombras de Mercúrio e Chumbo


As mulheres vitorianas finas não usavam sombras de olhos. As mulheres queriam parecer o mais natural possível e não queriam ser indexadas como prostitutas, por isso concentravam-se principalmente na sua tez.
Usavam pouca maquiagem nos olhos e concentravam-se mais na escultura e no preenchimento das suas sobrancelhas. No entanto, poderiam colocar cremes caseiros acima dos seus olhos, só para fazê-los sobressair. Algumas mulheres fariam uma sombra castanha clara de creme frio e besouros esmagados.

Era raro para qualquer uma usar sombras de olhos compradas numa loja, que eram chamadas "pintura de olho" no período vitoriano. No entanto, quando uma prostituta ou uma senhora ousada decidiam pintar os olhos numa ocasião especial, era com cosméticos feitos a partir de produtos químicos mortais.

Os cosméticos continham antimónio e cinábrio, por exemplo. Estes produtos químicos envenenam o corpo e o mercúrio é ainda conhecido por causar insanidade.

1- Banhos de Arsénio 


Lola Montez, uma atriz famosa durante a era vitoriana, deu conselhos de beleza muito práticos. Montez escreveu o seu próprio livro chamado As Artes da Beleza.

De acordo com o livro, enquanto viajava, aprendeu que era comum para as mulheres tomarem banhos de arsénio. Admitiu que era extremamente perigoso, mas, ao mesmo tempo, admirava o quão maravilhosa a sua pele ficava com o resultado. Também explicou que, se as mulheres não continuassem com o hábito numa base regular, morreriam.

O arsénico é comumente usado como veneno para matar ratos e era facilmente atingível em farmácias durante a era vitoriana. As mulheres não eram as únicas a ver o arsénio como potencialmente atraente. Durante anos, foi visto como uma versão primitiva do Viagra, que oferecia aumento da potência sexual masculina. Em pequenas doses, causava euforia ou delírio.

Sem comentários:

Enviar um comentário