quarta-feira, 30 de novembro de 2016

10 Hereges Estranhos Que Chocaram a Europa Medieval

Imaginamos a Europa antes da Reforma Protestante como uma terra fielmente católica, embora alguns historiadores façam piadas de que isso só é assim porque eram os monges que escreviam os registos na época. Na verdade, os hereges floresceram na Europa medieval e muitos deles eram muito estranhos.

10- Leutard e as Abelhas


Por volta do ano 1000, um camponês francês, chamado Leutard, estava a cultivar um campo quando decidiu fazer uma sesta. Sonhou que um enxame de abelhas voava pelo seu corpo através da ponta do seu pénis. Após movimentarem-se dentro dele durante um tempo, as abelhas saíram da sua boca e ela começou a arder-lhe implacavelmente "ordenando-lhe para fazer coisas impossíveis para os seres humanos."


Leutard acordou a acreditar que o sonho era uma mensagem de Deus. Correu de volta para a sua aldeia e esmagou o crucifixo na igreja. Começou a pregar a sua própria interpretação do cristianismo, declarando que os profetas estavam errados sobre muitas coisas. Também se divorciou da sua esposa.

Leutard aparentemente atraiu bastante seguidores entre os camponeses locais. No entanto, eles abandonaram-no depois do bispo local provar com êxito que os seus pontos de vista eram heréticos. Desesperado, Leutard atirou-se a um poço.

9- O Queijo e os Vermes


Menocchio era um moleiro italiano que desenvolveu algumas crenças heréticas incomuns. Foi resgatado da obscuridade pela obra clássica de Carlo Ginzburg, O Queijo e os Vermes, em homenagem à sua visão de que o universo se tinha formado a partir do caos primordial "assim como o queijo é feito de leite e os vermes apareceram nele e esses foram os anjos."

Menocchio acreditava que "tudo o que pode ser visto é Deus". Argumentou que era impossível ter a certeza que a religião estava correta, mas o importante era comportar-se moralmente, já que "aquele que não faz mal ao seu próximo, não comete pecado." Também sentiu que não havia vida após a morte e que a alma morria com o corpo.

Menocchio viveu durante um tempo de crescente alfabetização e tinha lido tudo, desde o Decameron ao Alcorão. No entanto, Ginzburg concluiu que lia apenas para procurar "confirmação de ideias que já estavam firmemente arraigadas", escolhendo certas passagens e ignorando outras. Foi queimado na fogueira em 1599.

8- A Cruzada do Povo


Quando o Papa Urbano II chamou a Primeira Cruzada, tinha em mente uma força organizada de cavaleiros e soldados. Infelizmente, a chamada disparou a imaginação popular e grandes bandos de camponeses começaram a marchar para leste, liderados por pregadores carismáticos como Pedro, o Eremita. A "Cruzada do Povo" foi um desastre, notável principalmente por massacrar um grande número de judeus alemães.

As bandas heterogéneas dos cruzados aparentemente incluíam alguns grupos estranhos e heréticos. Várias fontes cristãs e judaicas afirmam que uma banda carregava um ganso que acreditavam estar possuído pelo Espírito Santo. Um grupo rival seguiu aparentemente uma cabra. Um terceiro foi conduzido por uma mulher que segurava uma cruz que tinha saído do céu.

Infelizmente, o ganso não chegou à Terra Santa. Guibert de Nogent diz que morreu em Lorraine, quando um dos seus seguidores o comeu.

7- Os Bons Caminhantes


Os Benandanti eram um grupo de sonhadores xamânicos descobertos pela Inquisição na região de Friuli da Itália. Os Benandanti gostavam de entrar em transe e deixar os seus corpos, viajando para um estado de sonho a um vale mitíco no centro do mundo, onde iriam batalhar com os espíritos das bruxas. Se os Benandanti ganhassem, a colheita seria boa. Mas, se as bruxas ganhassem, haveria fome.

Um Benandanti descreveu a viagem espírita à Inquisição: "Tinha a impressão de que havia muitos de nós juntos como se estivessemos numa névoa [...] E senti-me como se nós nos movessemos através do ar como fumo e que atravessavamos a água como fumo".

Os Benandanti eram reconhecidos no nascimento por uma coifa na sua cabeça. Os seus poderes eram amplamente aceites na região, a tal ponto que qualquer sonhador que estivesse atrasado na experiência de entrar em transe seria batido pelos seus companheiros da aldeia. A Inquisição terminou com sucesso o culto numa campanha bastante suave, sem um castigo severo.

6- Vilgard


Vilgard de Ravenna era um estudioso obcecado com os clássicos poetas romanos. Por volta de 970, aparentemente viu os espíritos de Virgílio, Horácio e Juvenal, que o elogiaram e prometeram que ele seria tão famoso quanto eles. Mais tarde, Vilgard começou a ensinar abertamente que os poetas eram infalíveis e deveriam acreditar em tudo, incluindo, presumivelmente, na existência dos deuses pagãos.

Foi eventualmente executado pelo bispo de Ravenna, mas os seus seguidores aparentemente prosperaram na Sardenha. O cronista Rodulfus Glaber escreveu que a heresia de Vilgard marcou o início do apocalipse previsto no Livro do Apocalipse, o que parece um pouco dramático, em retrospeto.

5- Tanchelm de Antuérpia


Em 1112, a Antuérpia tinha apenas um padre, que vivia em "concubinato aberto". Na brecha deu-se o passo de Tanchelm, que pregava que os sacramentos não tinham sentido se dados por mãos pecaminosas. Também afirmou que as pessoas não tinham que pagar o dízimo da Igreja.

Se tivesse ficado lá, poderia ter sido lembrado como reformador, em vez de herege. Mas Tanchelm também pregou que era o Deus encarnado. Tomou 12 apóstolos e cercou-se com guarda-costas armados. Os seus seguidores eram tão devotados a ele que bebiam a sua água do banho.

Numa ocasião, ele anunciou que estava a casar com a estátua da Virgem Maria. No final da cerimónia, montou dois cofres, um para os homens e outro para as mulheres e anunciou "veremos qual sexo me dará o maior amor". Os géneros começaram a competir freneticamente para doar moedas e jóias. Foi assassinado por um sacerdote em 1115.

4- Eon e a Vara Bifurcada


Eon de l'Etoile era um herege invulgarmente violento que subiu ao poder depois de uma terrível fome devastar a Bretanha em 1145. Declarou-se filho de Deus e estabeleceu a sua própria igreja, com os bispos chamados Sabedoria, Julgamento e Conhecimento. Carregava uma vara bifurcada e vangloriava-se de que quando a apontava para baixo, dois terços do mundo pertenciam a ele e um terço a Deus. Quando apontava para cima, as frações eram invertidas. Os seus seguidores fortemente armados devastaram a Bretanha, invadindo os mosteiros e as igrejas.

Foi capturado em 1148 e morreu de fome. Os seus seguidores também foram caçados. Todos, exceto um, recusaram-se a rejeitar a sua crença em Eon, até mesmo para se salvarem de serem queimados. Um ainda estava a comandar a Terra para dividir e engolir os seus carrascos, enquanto o amarravam à estaca.

3- Pseudo-Baldwin


Depois da Quarta Cruzada sair descontroladamente dos trilhos e invadir Constantinopla, os cruzados declararam Baldwin IV de Flandres o novo imperador bizantino. Ele adaptou-se bem ao papel e foi rapidamente derrotado e assassinado pelos búlgaros, como era tradição.

De volta à Flandres, um eremita emergiu alegando ser Baldwin, tendo fingido  sua morte como penitência pelos seus pecados. As coisas ficaram mais estranhas quando o pseudo-Baldwin começou a apresentar-se como Messias. Os seus seguidores arrastavam-se uns aos outros para agarrarem os seus enfeites de cabelo e beberem a sua água do banho. A verdadeira filha de Baldwin não ficou satisfeita com esses acontecimentos e o Rei Louis da França eventualmente atraiu o eremita para uma armadilha e executou-o.

2- Os Cátaros


Os cátaros são talvez os hereges medievais mais famosos. As suas visões exatas são um tanto contestadas, mas uma crença principal parece ter sido a de que havia dois deuses: o Deus mau do Antigo Testamento, que criou o mundo físico, e o Deus bom do Novo Testamento, que criou o mundo espiritual.

Os cátaros floresceram particularmente no sul da França em torno da cidade de Albi. Em 1209, o Papa lançou a Cruzada Albigense, que esmagou as fortalezas cátaras, matando milhares. O último cátaro conhecido, Guillaume Belibaste, foi queimado na fogueira em 1321, na sequência de uma operação secreta de um ano por um agente da Inquisição.

1- Papa Nicetas


O ritual central dos cátaros era o consolamentum, pelo qual um dos Cátaros se tornava um sem pecado "perfeito". O ritual era invalidado se quaisquer pecados fossem cometidos depois, assim a maioria dos cátaros recebia-o no seu leito de morte, deixando-os sem tempo para pecar. O ritual em si era simples: um "perfeito" colocava as mãos sobre a pessoa que estava a ser consolada.

Isso poderia causar problemas. Os cátaros eram fortemente influenciados pelos Bogomils, um movimento dualista na Bulgária e no Império Bizantino. Os Bogomiles eram divididos entre os dualistas moderados, que acreditavam que o Deus bom era mais forte do que o Deus do mal, e os dualistas absolutos, que acreditavam que eles eram iguais.

Os cátaros começaram como dualistas moderados, mas em 1176, foram visitados por um missionário chamado Papa Nicetas. Papa Nicetas afirmou que o primeiro cátaro "perfeito" tinha pecado imediatamente após receber o seu consolamentum, invalidando-lo e todos os outros consolamentum que executou. Por outras palavras, nenhum cátaro era realmente "perfeito". Nicetas ofereceu-se para consolar os novos cátaros, mas somente se eles se tornassem dualistas absolutos. Isso dividiu a igreja, porque alguns cátaros seguiram Nicetas e outros os remanescentes dualistas moderados.

Sem comentários:

Enviar um comentário