segunda-feira, 7 de novembro de 2016

10 Histórias de Como Enfrentar a Vida Após Uma Infância de Abusos Impensáveis

Algumas pessoas nascem em circunstâncias inacreditáveis. Algumas nascem enterradas em traumas e algumas nascem literalmente enterradas sob o solo.

10- Elsa Garcia


Elsa Garcia foi retirada de um orfanato quando tinha 4 meses de idade. Os seus novos tutores eram o pastor Joe Combs e a sua esposa Evangeline, mas eles não a adotaram.  Roubaram-na do berço e trancaram-na na sua casa, acreditando que Deus queria que a usassem como escrava.

Durante 20 anos, Elsa não teve permissão para deixar a casa dos Combs. A partir dos 5 anos de idade, Joe violou-a repetidamente. Evangeline queimou-a e espancou-a. Incapaz de suportar mais, serviu-se de um copo de 24 onças de anticongelante, bebeu-o e deitou-se na cama, rezando para nunca mais acordar.

Em vez disso, foi levada para um hospital. Os médicos encontraram-na repleta de queimaduras e cicatrizes e com ossos partidos nas pernas e nos braços. A princípio, ela negou que algo de errado estivesse a acontecer, mas com o tempo disse a verdade e foi salva da sua casa.

Desde então, teve de enfrentar a vida através do trauma; mas conseguiu encontrar a sua mãe biológica.

9- Kerstin, Stefan e Felix Fritzl


Quando tinha 18 anos, Elisabeth Fritzl foi trancada no porão pelo seu próprio pai. Incapaz de escapar, foi repetidamente violada pelo seu pai, retratado acima. Deu à luz 7 filhos. O pai deixou morrer 1 e cuidou de 3 na casa de cima, mas os outros 3 ficaram com Elisabeth no seu calabouço, nunca lhes sendo permitido ver a luz do dia.

A mais velha, Kerstin, tinha 19 anos quando saiu e nunca tinha visto a luz do sol. A sua pele era pálida e ela precisava de óculos escuros para sair. O mais novo, Félix, de 5 anos, passou os primeiros dias fora do cativeiro a acariciar a relva, espantado.

Hoje, a família vive numa cidade que os apoia. Elisabeth tem um namorado, um emprego e um carro. Felix mal se lembra da sua prisão e estuda numa escola onde os seus colegas não fazem ideia do que ele passou.

8- Colt, A Família de Incesto


Durante 4 gerações, a família Colt cresceu dentro da sua própria linhagem. Uma menina de 9 anos de idade declarou ter dormido com o seu tio e acredita-se que um avô tenha impregnado a sua neta.

Quando foram libertados, eram agressivamente sexuais, especialmente uns com os outros. Os adolescentes ainda molhavam a cama e os meninos contavam histórias de terem mutilado os órgãos genitais de cães e gatos para passarem o tempo.

As crianças foram retiradas das suas casas, porque com a decisão do juiz não haveria possibilidade realista de retornarem para os seus pais. Foram colocados em melhores casas, mas os seus novos tutores terão de lutar para retirá-los do ciclo de trauma que preencheu a sua infância.

7- Os Filhos de M


Uma mulher australiana foi trancada na sua casa desde os 11 anos de idade. O seu pai abusou sexualmente dela e ela deu à luz 4 filhos. Ao contrário de Fritzl, ela foi autorizada a ir ao hospital para dar à luz - mas, embora cada criança nascesse sem o nome do pai na sua certidão de nascimento, nenhum funcionário do hospital fez qualquer pergunta. Nem os 22 assistentes sociais que foram a sua casa fizeram alguma coisa.

As crianças passaram a vida a chamar o homem que abusou da sua mãe de "pai" e foram autorizados a frequentar a escola, mas, à exceção disso, raramente saíam de casa. Quando a mãe foi libertada, tentou esconder a verdade dos seus filhos, mas o seu filho mais velho tinha idade suficiente para entender o que a mídia dizia sobre o seu pai.

As crianças agora têm que enfrentar a vida com o conhecimento de onde vieram. A mãe acredita que não será fácil, afirmando: "Não se pode recuperar a infância."

6- Donna Goler


As pessoas que viviam perto da família Goler começaram a ver sinais de abuso, logo em 1860. Durante 120 anos, porém, ninguém fez nada.

Donna nasceu nessa família e foi abusada sexualmente pelo seu próprio pai, desde os 5 anos de idade. Ele também a vendeu para a prostituição, vendendo também os seus filhos a homens em troca de cerveja e cigarros.

Quando finalmente levaram as crianças maltratadas para longe, as famílias viviam em barracos sem eletricidade. Donna tinha 11 anos, mas testemunhou contra o seu pai pelo que tinha feito e foi a chave para conseguir que a família fosse presa.

Desde então, iniciou uma vida um pouco normal. Luta como ativista, tentando corrigir a lei para proteger melhor os filhos de pedófilos condenados, tentando impedir que outras pessoas tenham de viver o que ela viveu.

5- As Irmãs Linz


As irmãs Linz nasceram numa família rica; o seu pai era juiz e a sua mãe era advogada. A sua infância feliz mudou, porém, depois dos seus pais se divorciarem e a mãe ficar com a custódia completa.

Ela retirou as crianças da escola, prometendo educá-las em casa. Nunca o fez. Em vez disso, trancou-as sem luz, com apenas uma lâmpada pequena e fraca, forçando-as a viver na escuridão. Convenceu-as de que o seu pai era um monstro. Apenas as deixava falar com ela e brincar com os ratos em casa.

Demorou 7 anos antes de serem encontradas. Um vizinho preocupado teve de ameaçar processar o conselho local para fazer a polícia verificar a casa. Quando o fizeram, a casa não tinha água corrente. Os escrementos estavam empilhados a um metro de altura.

Nas primeiras semanas de liberdade, as crianças esconderam-se debaixo dos bancos porque não conseguiam suportar a luz. O seu discurso era quase incompreensível.

4- Angel e Starlit Dugard


Angel e Starlit nasceram num complexo de quintal. A sua mãe, Jaycee, estava trancada lá desde os 11 anos de idade, quando foi raptada por Phillip Garrido. Aos 13 anos de idade, estava grávida da sua primeira filha.

Aquela criança tinha 15 anos quando um agente de segurança a encontrou com o raptor da sua mãe e ficou preocupado. Essas preocupações levaram a uma investigação que as libertou. Até então, porém, as crianças tinham acreditado que Jaycee era sua irmã. Foram forçadas a encarar a realidade: que o homem que reverenciavam como pai era um violador e que a sua irmã mais velha fora sua prisioneira e abusada.

As crianças estão agora sob os cuidados de Jaycee. Jaycee afirma que o primeiro passo para seguirem em frente aconteceu quando se conseguiram rir do comportamento louco de Phillip pela primeira vez. "Saibam que é bom rir Philip e Nancy", afirmou Jaycee, "isso ajuda".

3- Jocelyn Berry


Amanda Berry engravidou do seu raptor Ariel Castro. Quando as meninas foram resgatadas de Ariel, Jocelyn, de 6 anos de idade, foi a única criança que sobreviveu.

Desde então, Jocelyn começou uma vida normal, inclusive matricular-se na escola. Surpreendentemente, começou melhor do que outros estudantes. Em cativeiro, Amanda ensinou-lhe o alfabeto, as formas, as cores e matemática e deu-lhe uma educação melhor do que a maioria das meninas da sua idade, que têm uma educação normal.

A idade de Jocelyn dá-lhe uma boa probabilidade de ter uma vida normal. Ela era muito jovem quando conseguiu abandonar a vida que tinha, por isso os psicólogos acreditam que não serão deixados muitos traumas.

2- Oxana Malaya


Oxana nasceu numa casa de alcoolismo e negligência. Tinha 3 anos quando se arrastou para dentro da casinha onde guardavam os seus cães e os seus pais estavam tão alterados que nem notaram que ela estava perdida.

Durante 5 anos, Oxana viveu com os cães, imitando-os. No momento em que foi encontrada, andava em 4 patas, com a língua pendurada de lado. Bebia água da tigela dos animais, lambendo-a com a língua. Latia em vez de falar e não soava como uma imitação, parecia um cão de verdade.

Desde então, foi ensinada a falar, mas usa uma voz plana, sem ritmo. Foi diagnosticada com a capacidade mental de uma criança de 6 anos e não consegue ler, soletrar ou adicionar.

1- Danielle Crockett


Durante os primeiros 7 anos da sua vida, Danielle Crockett esteve trancada num quarto. Os seus vizinhos nem sequer sabiam que ela estava viva. Alguns conheciam a sua mãe e os seus 2 irmãos, mas ela era um mistério total.

Quando a polícia entrou na sua casa, havia manchas de fezes nas paredes e tapetes. Não podiam dar um passo sem esmagar baratas. A própria Danielle estava a usar apenas uma fralda inchada, tinha os cabelos cheios de piolhos e o corpo coberto de picadas de insetos e erupções cutâneas. Não conseguia falar.

Em 3 anos, porém, foi adotada pela família Lierow e começou a mostrar os primeiros sinais de conexão humana. Conseguia segurar a mão do seu pai e responder ao encorajamento. Ainda não sabe ler, falar, ou ficar parada, mas tem poucos colapsos diários, nunca tendo mais do que um em alguns meses.

Sem comentários:

Enviar um comentário