terça-feira, 21 de março de 2017

10 Horrores Enfrentados Pelos Condenados da Ilha do Diabo

A colónia penal francesa vulgarmente conhecida como Ilha do Diabo consistia de pequenas ilhas próximas da costa da Guiana Francesa. Existem diferentes relatos de quem foi para qual ilha, mas muitos dos criminosos mais viciosos, como assassinos e violadores, foram enviados para a colónia. Em anos mais atrasados, abrigou também prisioneiros políticos ou qualquer um que de algum modo desagradasse França.

A Ilha do Diabo foi descrita como sendo "uma enorme rocha". Tinha aproximadamente 34 acres na área e 19 metros acima do nível do mar. Era dificilmente um lugar para chamar de lar e muitos prisioneiros que sobreviveram aos tormentos da vida referiam-se ao seu tempo como uma "morte viva" e chamavam a prisão de "guilhotina seca".

A Ilha do Diabo operou de 1852 a 1946. Estima-se que durante este tempo, cerca de 40 por cento das pessoas recém-chegadas morreram no primeiro ano. Somente os mais duros e obedientes poderiam sobreviver lá.

10- O Navio da Prisão


A viagem para a Ilha do Diabo era mortal para muitos dos condenados. Eram carregados no navio e imediatamente perdiam as suas identidades individuais. Tornavam-se um número e ninguém queria saber se morriam ou se viviam.

Os homens eram levados para baixo das coberturas e enfiados em gaiolas. Quase não havia ar para respirar na escuridão e as gaiolas tinham apenas redes para dormir. Se os homens ficassem sedentos, tinham que chegar fora das suas gaiolas e mergulhar as suas chávenas no barril de água velha que lá era deixado para eles.

Quando o navio navegou ao ar quente e tropical, os homens ficaram furiosos. Lutaram entre si e os assassinatos eram muito comuns dentro das gaiolas. A doença era desenfreada e as rações de comida eram escassas. Muitos dos prisioneiros morreram muito antes do navio chegar às ilhas penais.

9- Um Bom Escaldante


Os prisioneiros não tinham escolha senão ser bem-comportados para com os guardas dos navios. Se algum dos prisioneiros tentasse escapar da sua jaula ou causasse um motim, eram rapidamente e terrivelmente subjugados.

Instalados dentro das gaiolas do navio prisioneiro estavam tubos de vapor. Se algum dos presos tentasse escapar da gaiola, o vapor quente seria liberado na gaiola, escaldando todos os prisioneiros lá dentro. Os cachimbos eram uma lembrança clara para todos os prisioneiros mantidos debaixo do convés. Poderiam comportar-se e obedecer às ordens ou poderiam sofrer as consequências das suas ações.

8- O Doce Cheiro de Enxofre


Se os prisioneiros arranjassem muita confusão dentro das suas gaiolas, os guardas tinham outro método de subjugar os homens além do vapor quente.

Portas de metal deslizantes foram construídas em torno das gaiolas e, no caso de fazerem muito barulho ou até mesmo de cantarem, os guardas iluminavam as varas de enxofre, atiravam-nas para as gaiolas e fechavam o ar com as portas corrediças.

Num caso relatado de utilização de varetas de enxofre, uma testemunha declarou:

Os homens nas gaiolas começaram a tossir e depois soltaram gritos roucos. Um continuou a cantar alto e desafiadoramente, até que a canção terminou num espasmo de tosse como se o pulmão se estivesse a rachar. No final, não havia outro som além de gemidos. O enxofre tinha triunfado, como acontecia sempre nessas ocasiões.

7- Demasiado Mortal para Escapar


Quando os prisioneiros chegaram pela primeira vez à ilha, foram muitas vezes impulsionados pela visão da tão pouca vigilância ao longo das paredes da prisão. As suas mentes rapidamente se voltaram para o pensamento de fuga, mas assim que a esperança surgiu, foi esmagada.

A água entre as ilhas e o continente eram selvagens e perigosas. As correntes faiscavam e os tubarões mortais espreitavam sob as ondas. De acordo com um relato, "Raramente, se alguma vez, o corpo se afundava abaixo das ondas antes de ser despedaçado pelos tubarões".

Mesmo se um homem pudesse chegar ao continente, seria confrontado com selvas mortais. Sem alimento e sem as ferramentas necessárias para a sobrevivência básica, rapidamente pereceria na selva.

6- Grilhões e Restrições


Assim que os homens estavam na ilha, eram-lhes colocados em grilhões. Durante o dia, moviam-se em cadeias, mas à noite, eram muitas vezes amarrados em duplas para que não se pudessem mover durante o sono.

Os homens sofriam de fome e muitos morreram de febre. Os seus corpos eram carregados em carrinhos de mão e despejados no mar. Um sino funeral era tocado, mas isso pode muito bem ter sido um sino de jantar porque as testemunhas declararam que quando o sino tocava, os tubarões começavam a circular em torno, à espera de tudo o que tinha sido lançado às águas.

5- Confinamento Solitário


Para os prisioneiros que não obedeciam ás regras e não faziam o que lhes era dito, a punição poderia muito bem ser o confinamento solitário. A pena mínima para o confinamento solitário era de 6 meses. Durante esse tempo, o prisioneiro só conseguiria 1 hora de exercício por dia. O resto do seu tempo era passado sozinho.

Indubitavelmente, muitos homens ficaram loucos a servirem o seu tempo solitários, mas se essa punição não conseguisse domar o prisioneiro, ele seria condenado a trabalhos forçados na selva, onde, mais do que provavelmente, iria morrer.

4- Abandonado aos Elementos


Para os assassinos mais brutais existia o castigo mais brutal. Em 1931, um caso foi relatado de um prisioneiro que foi espancado até à morte. Para fazer do prisioneiro um exemplo, os guardas levaram-no para a selva, onde o seu grupo de trabalho estava e acorrentaram-no a uma árvore. Foi deixado exposto aos elementos, insetos, cobras e fome.

Os seus companheiros prisioneiros foram levados de volta à prisão depois do seu turno na selva acabar, deixando o homem acorrentado para trás. No dia seguinte, o prisioneiro condenado estava caído na sua posição vertical, ainda vivo, mas quieto. No dia seguinte, estava morto.

A punição do prisioneiro sem dúvida deixou uma impressão duradoura sobre os prisioneiros remanescentes, que sabiam que as suas vidas estavam realmente nas mãos dos guardas.

3- Sem Piedades Para Com os Feridos


Foi relatado em várias fontes que os prisioneiros da Ilha do Diabo não tinham sapatos. Eles eram forçados a trabalhar na selva sem qualquer proteção nos seus pés. Se algum dos prisioneiros ficasse ferido, os guardas tinham pouca preocupação com o assunto.

Num caso, um homem de meia-idade estava a voltar às masmorras depois de trabalhar o dia inteiro na selva e um guarda ficou impaciente com a sua caminhada lenta. Tentou empurrar o prisioneiro, mas o homem apontou para o fundo do pé, mostrando-lhe a carne crua e sangrenta. O guarda não se importou e empurrou o homem para a frente. O prisioneiro tentou caminhar mais rápido, mas parou novamente por causa da dor. Dessa vez, o guarda golpeou-o com força nas costas. O homem tinha que se manter em movimento ou correr o risco de ser espancado até à morte ou enfrentar alguma outra punição por insubordinação.

2- Perseguir Borboletas


Num artigo de jornal realmente bizarro impresso em 1933, um ex-funcionário francês que trabalhou na Ilha do Diabo falou sobre como ensinou os prisioneiros a identificar uma borboleta rara e como apanhá-lo para ele. Aparentemente, esse ex-funcionário, M. Eugène Le Moult, era um raro coletor de borboletas e vangloriava-se de que a sua coleção continha pelo menos 4,5 milhões de borboletas raras em cerca de 30 mil caixas.

Depois de ensinar alguns dos condenados a capturar com segurança as borboletas, explicou como era estranho ver "assassinos e bandidos com registos terríveis a correrem na ilha atrás de borboletas".

1- Sem Seguir em Frente


Depois de cumprirem as suas sentenças e sobreviverem à atmosfera extenuante da prisão da ilha, os prisioneiros eram autorizados a sair para o continente da Guiana Francesa. Tinham de servir a liberdade condicional lá, enquanto eram condenados à ilha. Se um homem servisse os seus 7 anos na Ilha do Diabo, tinha que passar outros 7 anos a viver na Guiana Francesa. Não lhe era permitido voltar para casa até que o seu tempo fosse servido e tinha que ganhar bastante dinheiro para pagar a sua viagem através do oceano.

Uma vez que havia tão poucos empregos disponíveis para os ex-prisioneiros, alguns cometeriam um novo crime e seriam devolvidos à ilha. Pelo menos, muitas vezes recebiam más rações de comida na ilha, enquanto que no continente poderiam facilmente morrer de fome.

Sem comentários:

Enviar um comentário