terça-feira, 7 de março de 2017

10 Razões Psicológicas Pelas Quais as Pessoas Têm Medo de Palhaços

Muitas pessoas sofrem de Coulrophobia, o medo de palhaços. Mesmo sem terem fobia, penso que todos concordamos que os palhaços são um pouco assustadores. Mas já se perguntou porquê? Logicamente, um palhaço é simplesmente uma pessoa a usar maquilhagem e roupas engraçadas e, mesmo assim, tendem a causar arrepios.

10- O Sorriso Pintado


Há algo anti-natural sobre o fato dos palhaços estarem sempre a sorrir. Estamos logicamente conscientes de que esse sorriso vermelho e pintado é falso. No entanto, torna mais difícil dizer quando a pessoa que está a usar a maquilhagem está a mostrar a sua emoção real.

Johnny Depp foi citado como tendo afirmado que quando era criança tinha pesadelos com palhaços. Afirmou que os sorrisos pintados tornam impossível perceber se os palhaços estão felizes ou a esconder o fato de que estão prestes a fazer-nos mal.

Esse sorriso falso faz com que a maioria das pessoas se sinta desconfortável. Como criaturas sociais, lemos os sinais emocionais uns dos outros para interagirmos, para nos tornarmos amigos ou apenas para conversarmos. Imagine tentar falar com uma pessoa normal que nunca parou de sorrir, nem por um momento.

Em Psicologia Hoje, Dr. Jordan Gaines Lewis escreveu que o sorriso pintado de um palhaço limita as emoções que podemos interpretar do seu rosto. Os palhaços também nos pedem para sorrir de volta e nós não conseguimos realmente sentir vontade de rir ou de sorrir naquele segundo. Mesmo no melhor cenário, podemos sentir-nos estranhos ou aborrecidos por causa de um palhaço. Se houver um medo real lá, essa pressão pode ser aterradora.

9- São Imprevisíveis e Não São de Confiança


Os palhaços são loucos e parte da sua comédia é que nunca se sabe o que farão a seguir. Poderiam empilhar 20 dos seus amigos num carro minúsculo, pulverizá-lo com água de uma flor que está na sua camisa ou atirarem-nos uma torta à cara. Parte da identidade de um palhaço é fazer coisas que normalmente não seriam consideradas como um comportamento normal.

Os povos prosperam quando podem quebrar a rotina diária e sofrem frequentemente o stress e a ansiedade mental quando as suas vidas são imprevisíveis e instáveis. Então, só faz sentido que interagir com um palhaço seja assustador.

De acordo com um artigo no Scientific American, os palhaços são "trapaceiros" cujas máscaras lhes dão o sentimento de que podem abandonar os comportamentos sociais tipicamente aceitáveis. Nunca estamos seguros do que vão fazer porque, por definição, os palhaços estão a tentar quebrar os limites do que as outras pessoas vão tolerar antes de se encaixarem.

8- O Medo do Desconhecido


Dra. Penny Curtis, da Universidade de Sheffield, notou que o hospital pediátrico tinha várias pinturas de palhaços nas paredes. Decidiu fazer uma pesquisa com 250 crianças, entre os 4 e os 16 anos de idade, que estavam hospedadas no hospital, para descobrir como se sentiam acerca dessas imagens de palhaços. Os resultados do seu estudo mostrou que os palhaços eram considerados assustadores pela maioria das crianças, mesmo aquelas que eram muito pequenas para terem visto filmes de terror com palhaços.

A conclusão desse estudo é que as crianças simplesmente os consideram "assustadores e incognoscíveis". Olhar para uma pintura de um palhaço não é o mesmo que olhar para uma fotografia de um gatinho, por exemplo. As crianças e os adultos podem ver uma imagem de um gatinho e automaticamente têm a compreensão do que é um gatinho. A imagem de um palhaço mostra uma criatura abstrata que é difícil de categorizar, quase como olhar para uma imagem de um alienígena, exceto que sabemos que os palhaços são reais.

7- São Assustadores e é Difícil Simpatizar Com Eles


Quando os palhaços têm maquilhagem, normalmente ficam em caráter em todos os momentos. Com atores regulares, o público está acostumado a compreender uma ideia geral sobre a sua carreira.

Entendemos que há uma diferença entre a pessoa que vemos na capa das revistas e nos clipes "atrás das cenas" em relação aos personagens que aparecem na TV ou nos filmes. É fácil entender que agir é um trabalho, mas é muito difícil compreender as motivações por trás de querer ser palhaço de carreira.

No livro intitulado Novas Ideias em Psicologia, o pesquisador Francis McAndrew conduziu um estudo, explicando diferentes estímulos que constituem os "arrepios". Definiu "assustado" como um sentimento de ligeiramente ameaçado, mas não o suficiente para fugir.

Quando McAndrew perguntou às pessoas sobre as suas opiniões de cada ocupação que existe, os palhaços foram considerados os mais assustadores - até mais do que os diretores de funerais e os taxidermistas.

6- A Histeria em Massa


Em 2016, o fenómeno dos "palhaços assassinos" começou, com mais e mais imagens de vídeos e de relatos de palhaços assustadores a fazerem coisas estranhas e inquietantes em cidades ao redor do mundo. Chamavam-lhe "a histeria dos palhaços".

Embora a maioria desses palhaços estivessem simplesmente a vagar e a tentar fazer uma brincadeira, todos eram suspeitos de intenção criminosa. Muitas pessoas tinham armas, para tentarem proteger os seus entes queridos contra os possíveis ataques dos palhaços.

Houve 9 prisões relacionadas a palhaços no Alabama. Jovens que se vestiam como palhaços assustadores como uma brincadeira durante o horário escolar eram acusados ​​de fazer "ameaças terroristas" porque estavam a interromper as aulas e a assustar os alunos, principalmente os que sofriam de Coulrophobia.

Na sociologia e na psicologia, esse é um exemplo de histeria em massa - um fenómeno no qual uma ilusão é compartilhada por um grupo de pessoas que identificam algo como uma ameaça. Não importa quão ilógico esse medo possa ser, leva sempre ao pânico generalizado.

Num artigo de Erika Engelhaupt no National Geographic, a mídia social é culpada pela histeria de palhaço em massa. Com a facilidade de compartilhar informações instantaneamente e a maneira como os vídeos virais se espalham, dá a aparência de que um fenómeno está a acontecer com mais frequência do que realmente está.

5- A Cultura Popular


Os seres humanos têm 2 tipos de medo: medo inato e medo aprendido. Um exemplo de um medo inato seria, por exemplo, o medo das alturas. Muitos de nós experimentamos um medo esmagador quando estamos à beira de um penhasco ou a visitar um edifício alto. O medo é uma parte normal dos nossos instintos de sobrevivência.

Um exemplo perfeito do medo aprendido pelo qual os palhaços podem ter intenção assassina seria John Wayne Gacy. Era um assassino em série que se vestia como palhaço no seu tempo livre. A sua história era combustível para pesadelos, inspirando a Coulrofobia em pessoas que talvez nunca a tivessem sentido antes.

Nos anos que se seguiram aos seus crimes, os palhaços transformaram-se em caráteres principais nos filmes de terror. Ver Stephen King's ou Poltergeist pode ser o suficiente para fazer a maioria das pessoas sentir medo dos palhaços.

Na cultura popular, esse medo dos palhaços não é novo, no entanto. Joseph Grimaldi, um dos famosos palhaços famosos, morreu de alcoolismo. Charles Dickens foi encarregado de editar as memórias de Grimaldi e pintou uma imagem escura de Grimaldi. Dickens incluiu esta citação Grimaldi no livro: "Sou sombrio o dia todo, mas vou fazer-te rir toda a noite."

Esse era talvez um dos primeiros vislumbres da sociedade na escuridão escondida atrás da composição feliz dos palhaços. O professor de inglês Andrew McConnell Stott credita Dickens por acender a centelha do medo na sociedade de que os palhaços não são o que parecem ser.

4- Um Trauma de Infância


Num documentário filmado pela National Geographic, uma mulher que sofreu um trauma infantil que envolvia palhaços grita abertamente e chora de medo quando os vê. Fica revoltada pelos brinquedos e imagens de palhaços a que é exposta como parte da sua terapia. Sempre que o psicólogo leva um palhaço para o escritório, a mulher fica aterrorizada.

Num artigo de Psicologia Hoje, uma mulher conta a experiência traumática de se tornar voluntária no programa de TV Bozo the Clown quando era criança, na década de 1960. Foi forçada a sentar-se ao seu colo e ver de perto que ele estava a franzir a testa apesar do seu sorriso pintado. Ele também cheirava a álcool.

Ela entrou em pânico e vomitou por toda a parte e começaram a gozar com ela. A ilusão do palhaço feliz foi apagada ea  experiência traumatizou-a desde então. É provável que muitas outras pessoas com um grave caso de Coulrofobia tenham tido experiências traumáticas semelhantes num circo ou numa festa de aniversário, que levou ao seu medo dos palhaços.

3- Complexos de Inferioridade e Superioridade


Ao longo da história, parte do propósito de um palhaço era ajudar com a auto-estima do espetador. Os bobos da corte foram feitos para parecerem estúpidos e com os palhaços acontece o mesmo.

Num estudo realizado pela Fundação Theodora, os pesquisadores viajaram com palhaços para hospitais pediátricos em Ontário, no Canadá. Nas suas descobertas, os pesquisadores mencionaram que as crianças podem sentir-se melhores consigo mesmas se puderem rir-se de alguém. Isso dá às crianças terminalmente doentes um impulso de ego desesperadamente necessário.

No entanto, esse tipo de humor pode não ser o melhor para a pessoa média. De acordo com a psicologia hoje, as pessoas que agem de forma superior em relação aos outros são realmente muito inseguras e estão a procurar a re-afirmação dos outros para se sentirem bem consigo mesmos. De acordo com Greater Good, uma publicação da Universidade da Califórnia, em Berkeley, as pessoas felizes não sentem a necessidade de serem superiores aos outros.

Em suma, a pessoa média com uma boa quantidade de felicidade e auto-estima não procura rir-se de alguém como um palhaço. Uma vez que muitas pessoas não querem ou precisam desse tipo de riso nas suas vidas, sentem-se desconfortáveis ao estar em torno de um palhaço que está a tentar forçá-lo.

2- Simplesmente Já Não São Engraçados


Ao longo do tempo, a comédia popular mudou, dependendo dos acontecimentos atuais e de uma evolução natural do gosto cultural. Por exemplo, se virmos um palhaço cair sobre uma casca de banana ou bater na cabeça do amigo com um martelo gigante, isso seria um exemplo de comédia física ou de uma "palhaçada". No entanto, isso já não é popular há algum tempo, porque a sociedade tem muita simpatia pela dor dos outros seres humanos.

O nosso desconforto com os palhaços poderia ser parcialmente atribuído às mudanças culturais no que achamos engraçado. Numa entrevista com a NPR, Linda Rodriguez McRobbie menciona que as pessoas eram desconfiadas acerca dos palhaços há anos. Então, nos anos 60, os palhaços tiveram uma ascensão repentina na popularidade com caráteres como Ronald McDonald e Bozo, The Clown. McRobbie acredita que a sua popularidade era simplesmente uma moda passageira e que a sociedade está de volta ao seu estado normal, que é considerar os palhaços mais assustadores do que engraçados.

As crianças e os adultos podem ficar confusos e desconfortáveis ​​quando se espera que se riam de algo que eles simplesmente não acharam engraçado. É comum que as pessoas, especialmente as crianças, sintam ansiedade social e medo em situações onde não sabem como reagir.

1- A Estranha Teoria de Freud


Na sua publicação de 1919 "The Uncanny", o mundialmente famoso psicólogo Sigmund Freud explicou que podemos ficar assustados por algo que é familiar e não familiar ao mesmo tempo. Usando o exemplo hipotético de um ser humano com a cabeça ou os membros cortados, Freud diz que vamos concentrar-nos imediatamente nas partes do corpo que são diferentes em vez das que ainda estão intactas.

Um exemplo real é que as crianças ficam assustadas quando vêem alguém amputado porque não conseguem entender porque razão as pernas da pessoa se foram. Também faz muitos adultos sentirem-se tristes ou desconfortáveis por uma variedade de razões.

O professor de Harvard Steven C. Schlozman elaborou mais a "estranha" teoria em comparação com os palhaços. Explicou que um palhaço tem caraterísticas semelhantes a um ser humano - uma boca, um nariz, orelhas, mãos, pés e cabelos. No entanto, as partes do corpo de um palhaço são ampliadas ou exageradas - sapatos gigantes, lábios anormalmente grandes pintados num rosto branco e um enorme nariz vermelho. Assim como o exemplo dos amputados, as pessoas percebem as diferenças de outros seres humanos muito mais facilmente do que as semelhanças e isso pode causar medo e desconforto.

Sem comentários:

Enviar um comentário