quarta-feira, 31 de maio de 2017

10 Fatos Fascinantes Sobre o Uzbequistão

Os países são lugares estranhos. Muitas das nossas identidades individuais estão ligadas a linhas arbitrárias nos mapas. Robert Anton Wilson afirmou: "Cada fronteira nacional marca o lugar onde duas gangues de bandidos ficaram exaustas demais para se matarem umas às outras e assinaram um tratado". Isso é verdade? Talvez. Na nossa procura para descobrir mais sobre o nosso mundo, reunimos algumas coisas interessantes sobre o Uzbequistão.

10- Num País Maioritariamente Muçulmano, a Vodca é Extremamente Popular


O Uzbequistão é um dos poucos lugares no mundo onde a supressão religiosa sob os soviéticos deu lugar a uma supressão mais religiosa, mas com menos sistemas de campos de trabalho. Enquanto a nação se reencontrou lentamente com a fé islâmica, a religião é em grande parte não confessional e é mantida sob controle estrito pelo governo.

A influência cultural da Rússia antecede o comunismo consideravelmente, estendendo-se de volta a antes de "O Grande Jogo" com a Grã-Bretanha no século XIX. Como tal, é bastante comum no Uzbequistão encontrar a influência russa na cozinha, especialmente no consumo de vodca, que é muitas vezes servida em bules. A produção de vinho é também uma força relativamente resurgente, que remonta a Alexandre, O Grande antes de voltar à moda no século passado.

9- Uma Cidade Perdida do Tamanho do Mónaco Literalmente Foi Descoberta


Os chineses e os uzbeques colaboram desde 2011 em projetos arqueológicos ao longo de rotas antigas da Rota da Seda. Em Ming-Tepe, no vale de Ferghana, o que se pensava ser apenas um posto de encenação para a Rota da Seda, de fato, foi revelado como um assentamento de 2.000 anos de idade.

As pessoas daqueles dias provavelmente negociavam com a Dinastia Han, como afirma o Livro do Último- Han, do século I: "O Filho do Céu, ao ouvir tudo isso, raciocinava assim: Fergana (Dayuan) e as possessões de Bactria e Parthia são grandes países cheios de coisas raras, com uma população a viver em moradias fixas e dedicadas a ocupações um tanto idênticas às do povo chinês, mas com exércitos fracos e dando grande valor aos produtos ricos da China".

As investigações estão em andamento, mas a escavação poderia revelar uma antiga cidade do povo Yuezhi, as tribos nómadas que derrubaram o Reino Greco-Bactrian, o que tornaria esse local um dos primeiros lugares onde as culturas orientais e ocidentais se encontraram.

8- O Islão Luta Com o Autoritarismo


O governo do Uzbequistão não parece ter mudado muito desde os dias por trás da Cortina de Ferro. O ex-presidente, Islam Karimov, começou como líder do Partido Comunista e governou durante 4 mandatos, o que é bastante impressionante quando se percebe que o limite constitucional é de apenas 2. Violações menores da lei à parte, Karimov estava morto por impedir o Uzbequistão de abandonar a completa falta de liberdades públicas de uma autocracia pós-soviética em favor da completa falta de liberdade proporcionada pela ideologia sobre a fronteira no Afeganistão. "Estou preparado para arrancar as cabeças de 200 pessoas [...] Para salvar a paz e a calma da república. Se o meu filho escolhesse esse caminho, eu mesmo lhe arrancaria a sua cabeça", afirmou ele, soando como um vilão absoluto.

Naturalmente, ser um ditador autoritário tem os seus problemas, como o que fazer aos terroristas islâmicos. Durante a hilariante e mal-sucedida Guerra ao Terror, Karimov permitiu vários locais negros para o programa de entregas extraordinárias dos Estados Unidos. As relações com o Ocidente agudizaram-se, no entanto, quando se soube que, além de entregar terroristas suspeitos à CIA por tortura em Guantánamo, o regime de Karimov também os estava a ferver vivos.

A questão que os uzbeques têm é que a sua cultura muçulmana tem sido suprimida durante muito tempo. Os belíssimos edifícios do século 14 e 15 do país poderiam ter sido preservados, mas o Uzbequistão manteve um domínio secular - deixando a porta aberta para o islamismo subversivo e revolucionário se enraizar entre os jovens.

7- A Corrupção é Frequente


Um dos principais problemas com os países do Bloco do Leste é o alto nível de corrupção. O Uzbequistão leva a corrupção do Estado muito a sério. Como afirma o diretor da Anistia Internacional, John Dalhuisen, "é um segredo aberto que qualquer pessoa que caia em desgraça com as autoridades pode ser detida e torturada no Uzbequistão. Ninguém consegue escapar dos tentáculos do Estado." A Transparência Internacional classifica o Uzbequistão como o 156º lugar entre os 176 países com mais corrupção, com praticamente todas as áreas da vida pública organizadas com favoritismo, suborno e assim por diante. A extorsão de funcionários públicos é particularmente comum.

Podem esperar-se tais ações nefastas até ao topo. As eleições parlamentares e presidenciais são regularmente criticadas por encherem as urnas e fabricarem resultados e Gulnara Karimova, filha do ex-presidente, dirigiu uma extensa rede de lavagem de dinheiro e corrupção que transferiu centenas de milhões de dólares para fora do país.

Na maioria dos países, esperar-se-ia que os jornalistas empreendedores revelassem tal comportamento, mas...

6- A Liberdade de Imprensa Não Existe


No Uzbequistão, existem 2 opções: mídia controlada pelo estado ou nada. Por exemplo, enquanto Gulnara Karimova estava alegremente a dar cabo de todos os negócios que conseguisse ter nas suas mãos, a imprensa estava a publicar outras coisas para limpar a sua imagem. 1 ano antes, em 2013, um site de notícias (agora fechado pelas autoridades uzbeques) publicou artigos que distanciavam o Presidente Karimov da sua filha quando se desmantelou o seu império de negócios e surgiram relatórios que a polícia secreta uzbeque tinha Gulnara sob prisão domiciliar.

Imagine uma sociedade com alguma aparência de uma imprensa livre em que esses eventos ocorreram. Imagine que Chelsea Clinton tinha sido preso pelo FBI e tinha sido descoberto a defraudar a nação. Então imagine que nada se sabia durante quase 3 anos e que Chelsea era presumido morto, para ressurgir novamente, ainda sob prisão domiciliar. O fato das notícias desse caso serem contrabandeadas em cartas secretas ou por reuniões secretas com advogados suíços deve dar uma ideia do estado dos meios de comunicação - e isso sem mencionar os 4 jornalistas que ainda estão em prisões uzbeques por criticarem o estado.

5- Melões Enormes e Suculentos


O Uzbequistão é a capital mundial dos melões. Têm cerca de 150 variedades diferentes, que fazem parte da dieta local e são servidas frescas no verão e comidas secas durante o inverno. De acordo com o Gabinete de Imprensa do Turismo Uzbeque, alcançar a maestria no corte de melão é uma coisa real que as pessoas fazem, como julgar os melões pelo melhor sabor.

4- O Lendário Conquistador Tamerlane Nasceu no Uzbequistão


Sabe-se pouco sobre Tamerlane, ou melhor, sabe-se relativamente pouco em comparação com a horda mongol de Genghis Khan. Talvez isso se deva ao fato de que o Império Timúrido só durou 137 anos e não gerou impérios sucessivos.

Como um turco-mongol, Tamerlane encontrou-se numa posição única e desafiadora durante a sua ascensão ao poder. A sua herança turcomana e a sua fé islâmica deram-lhe alguma legitimidade com o mundo muçulmano e a sua linhagem mongol fez o mesmo ao lado das grandes hordas. No entanto, como um nem sucessor direto de Muhammad nem de Genghis Khan, Tamerlane precisava de política sutil e de criação de mitos para criar a sua vantagem. Afirmando ser "o protetor do membro de uma linha de Chinggisid, aquele do filho mais velho de Genghis Khan, Jochi" (na realidade um fantoche), Tamerlane esquivou-se da exigência de ser um khan para governar. Ao divulgar mitos da sua própria proveniência divina, lançou a crença muçulmana de que o sucesso militar veio de Allah e, portanto, Tamerlane certamente foi ungido de alguma maneira.

Lembrado no Uzbequistão como um herói popular e um grande conquistador, Tamerlane forjou um enorme e multiétnico exército ostensivamente sob a sua auto-denominada bandeira como a "Espada do Islão". A sua carreira viu a derrota dos Cavaleiros Templários, o saque de Deli e o conquistar dos estados-nação fraturados da Pérsia e eventualmente levou à sua morte ao tentar conquistar a Dinastia Ming.

Também matou cerca de 17 milhões de pessoas e empregou o terror como uma arma sem escrúpulos, construindo várias pirâmides de cabeças separadas de 200.000 dos seus próprios súditos que se rebelaram contra a sua tributação. De tal forma, Tamerlane é considerado o pai fundador do terror sistemático como arma de guerra.

3- Duplamente Sem Margens


É um país sem litoral e está rodeado por países sem litoral. O Uzbequistão está na Ásia Central e está cercado pelo Afeganistão, Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Turquemenistão. Como se precisa de atravessar pelo menos 2 desses países (ou seja, Turcomenistão e Irão ou Afeganistão e Paquistão) para chegar ao litoral do mar da Arábia, o Uzbequistão é duplamente sem litoral.

Pode-se argumentar que, de fato, o Uzbequistão não é um país sem litoral, tendo o Mar de Aral ao norte. Esse argumento é errado. O mar de Aral é tecnicamente um lago e não tem nenhuma conexão ao oceano.

2- Um Massacre Mudou o Curso do Pais (Mas Ninguém Sabe Realmente Porquê)


O massacre de Andijan em 2005 foi, sem dúvida, um banho de sangue. Além disso, as coisas ficam um pouco confusas. O que se sabe é que 23 homens de negócios que eram membros de um grupo muçulmano ostensivamente pacífico foram presos, supostamente por serem poderosos e ameaçadores do governo. Esses homens foram prontamente arrancados da prisão por combatentes armados e ocorreu uma ocupação da cidade.

Segundo os manifestantes, o nível de vida em Andijan era muito baixo. Os empresários propuseram uma forma de socialismo islâmico, um salário mínimo elevado e programas de criação de emprego. O governo discordou e o exército foi instruído para se mudar, massacrando cerca de 500 pessoas. Alguns colocam o número de mortos tão alto quanto 1.500.

O governo alegou que os manifestantes eram islâmicos, mas isso parece improvável, dada a natureza do grupo em questão. Não tinha história de violência e nenhum apoio a outros grupos islâmicos atuais no Uzbequistão que defendiam um Estado islâmico. O presidente dos EUA na altura, George W. Bush, denunciou a repressão, que por sua vez levou ao fecho da base da Força Aérea dos EUA em Karshi-Khanabad e ao fortalecimento dos laços entre os uzbeques e a China e a Rússia. O apoio desses 2 países encabeçou uma investigação internacional pela ONU e os verdadeiros eventos do massacre podem nunca ser revelados.

1- Esperança Para o Futuro


Após a morte do Islão Karimov, o Uzbequistão recebeu apenas o seu segundo presidente desde que declarou a independência em 1991. Shavkat Mirziyoyev, que vem do mesmo clã de Samarkand como seu antecessor, não poderia ser descrito como um modernizador. No entanto, depois de tomar o poder, Mirziyoyev realmente afrouxou o aperto autoritário.

Depois de anunciar um portal on-line para que os uzbeques lhe escrevam as suas preocupações, o presidente Mirziyoyev assinou um valioso acordo comercial com a China e mudou-se para melhorar as relações com os vizinhos do Uzbequistão. Os vôos para o Quirguistão retomaram pela primeira vez desde 2005 e, apesar do país ainda ser um estado isolacionista, há pelo menos a sensação mais vaga de que o Uzbequistão pode melhorar.

Sem comentários:

Enviar um comentário