segunda-feira, 15 de maio de 2017

10 Luzes Para os Mistérios da Cidade Asteca dos Deuses

Teotihuacan, no seu auge, era uma das maiores cidades da terra, cheia de pirâmides maciças que rivalizavam com as maravilhas dos faraós egípcios - e tudo sobre ele é um mistério. Pouco ou nada foi escrito para contar a história de Teotihuacan, mas poucas dicas sobre as ruínas deixadas para trás descobriram parte do seu passado.

10- Ninguém Sabe Quem a Construiu


Quando os conquistadores espanhóis chegaram à América e viram Teotihuacan pela primeira vez, os astecas viviam lá. Haviam movido o seu povo e tinham-no tomado como parte do seu império - mas não o construíram. Já existia mil anos antes dos astecas e 500 anos antes dos maias chegarem ao México.

Ninguém sabe quem o construiu. Um grupo chamado Toltects tentou levar o crédito, mas a cidade tinha estado no México por mais tempo do que eles. Alguma da arqueologia, embora, deixou para trás algumas sugestões pequenas de onde veio.

A cidade foi iniciada em 400 a.C., construída em torno de uma caverna esculpida na terra por um fluxo de lava. As pessoas que encontraram aquela caverna pareciam ter acreditado que era um lugar sagrado. Estabeleceram um templo em cima dele. Gradualmente, ao que parece, pequenos assentamentos foram construídos em torno dele, acrescentado pelos peregrinos que iam ver a caverna sagrada.

9- Um Vulcão Fez Dela Uma Metrópole


Esse pequeno assentamento, com o tempo, tornou-se num marco religioso - e acredita-se que foi necessário a morte de milhares para fazer com que isso acontecesse.

Em torno do tempo em que o Teotihuacan começou a crescer para se tornar uma cidade, um vulcão em Cuicuilco entrou em erupção. Um enorme assentamento de pessoas ali foi varrido e os sobreviventes dispersos fugiram para o deserto em busca de uma nova casa. Logo, fizeram o seu caminho para Teotihuacan.

As suas vidas, porém, haviam mudado. Tinham visto o poder do mundo natural e a destruição que poderia causar nas vidas comuns. As suas vidas, como nunca antes, estavam focadas nos deuses. A sua nova casa, Teotihuacan, tornou-se mais do que apenas uma cidade. Era um abrigo desesperado contra os poderes da natureza, construído para ganhar a proteção dos deuses.

As pirâmides, segundo acredita a historiadora Esther Pasztory, foram construídas para imitar o vulcão que tinha destruído a sua casa. Era para mostrar ao povo que os sacerdotes tinham os poderes dos deuses e que poderiam mantê-los seguros. E pode ter sido o início de uma nova ordem de devoção religiosa em todo o país.

8- Fizeram Sacrifícios Humanos


Os deuses de Teotihuacan desejavam sangue. Não eram todos os mesmos deuses que os dos astecas ou dos maias e há muito que não sabemos sobre eles - mas é claro que acreditavam que os seus deuses exigiam sacrifícios humanos.

No túnel sob a Pirâmide do Sol, foram encontrados 4 túmulos cheios de sacrifícios humanos, feitos quando a pirâmide foi construída. Não são todos de adultos. 3 dos locais de enterro deixados para trás têm os restos de crianças mortas que haviam sido sacrificadas para apaziguar os deuses.

Acredita-se que um novo conjunto de sacrifícios sangrentos e brutal era oferecido aos deuses sempre que cada nova camada das pirâmides era construída. Não foi só na Pirâmide do Sol. Sob a Pirâmide da Lua, enterraram toda uma série de animais selvagens, juntamente com 12 cadáveres humanos - 10 dos quais sem cabeça.

7- Os Rituais da Pirâmide do Sol


Podem ter feito coisas horríveis para criá-las, mas essas pirâmides eram maravilhas arquitetónicas. Eram 2 dos maiores edifícios do mundo. Ainda hoje, a Pirâmide do Sol ainda é a terceira maior pirâmide do mundo.

Foi construída sobre a caverna sagrada que começou a cidade, o lugar que acreditavam ser onde o Sol nascia. Na época, havia um lugar de altar no topo para os rituais, embora só possamos adivinhar quais eram esses rituais. Talvez simplesmente orassem - ou talvez, como os astecas que os seguiram, os seus sacerdotes fossem lá para esculpir corações de sacrifícios humanos.

Deixaram para trás máscaras de jade, encontradas apenas nas casas da elite de Teotihuacan. Quando realizavam essas cerimónias, parece que os homens mais poderosos da cidade se uniam aos sacerdotes na Pirâmide do Sol, com os seus rostos completamente obscurecidos sob uma folha de jade verde.

6- Era a Maior Cidade do Mundo Ocidental


Por 100 a.C., Teotihuacan foi um templo cercado por alguns domicílios, antes de ser a maior cidade do mundo ocidental. Segundo algumas estimativas, havia 200.000 pessoas a viver em Teotihuacan no seu auge. Nenhuma cidade combinaria com o seu tamanho até aos anos 1400.

Acredita-se que a cidade era tão maciça porque era um epicentro religioso de toda a área. Cada parte da cidade foi construída em princípios religiosos. Estava disposta numa grade retangular, modelada para seguir os movimentos do Sol. Uma estrada maciça percorria-a, chamada Rua dos Mortos, dirigindo as pessoas para as grandes pirâmides no centro da cidade.

A cidade explodiu depois dessas pirâmides serem construídas. Pessoas de todos os cantos da terra foram viver lá e, por mais de 700 anos, foi a maior cidade no mundo conhecido do seu povo.

5- Era Uma Cidade Multicultural


Os astecas não sabiam quem vivia em Teotihuacan no seu auge. Não tinham ideia de quem eram as pessoas que criaram essa cidade enorme e incrível. Como se verifica, porém, podem não ter qualquer grupo de pessoas. Teotihuacan parece ter sido uma cidade multicultural, quase como uma antiga Nova Iorque.

Cada parte da cidade parece ter sido dividida em áreas culturais, como as que encontramos nas cidades modernas. Havia distritos cheios de maias, mixtecas e zapotecas, cada um com os seus próprios templos únicos e as suas próprias relíquias únicas.

Isso não significa, no entanto, que todos eram iguais. A cidade foi projetada para manter os plebeus nas suas próprias favelas. Lá, eram autorizados a criar templos e a realizar rituais para os seus próprios deuses. Mas eram mantidos afastados do centro da cidade, onde as elites, repletas de jóias e de jade, realizavam cerimónias no topo das grandes pirâmides.

4- Podem Ter Comandado Através da Força


Teotihuacan tinha um enorme poder sobre as pessoas ao seu redor. Os produtos feitos pelas pessoas de lá eram negociados em todo o país e as suas crenças parecem ter remodelado completamente as religiões da Mesoamérica.

Não está completamente claro como o povo de Teotihuacan comandou tal poder sobre as nações ao seu redor. O povo pode ter ficado simplesmente admirado com os seus incríveis projetos - ou podem ter sido forçados por uma espada.

Os murais em Teotihuacan retratam os guerreiros que uma vez guardaram a cidade, com os seus olhos protegidos por óculos de concha, as suas cabeças adornadas com tocados de penas e dardos nas suas mãos. Há razões para acreditar que esses guerreiros foram colocados lá para manter as pessoas em linha.

A cidade realizava o Templo da Serpente Plumada, uma enorme pirâmide dedicada à celebração da guerra. É coberto com esculturas de serpentes de penas que representam o seu Deus da guerra. Quando foi concluída, 200 pessoas foram sacrificadas, com as mãos amarradas atrás das costas e enterradas em boxes ao lado do edifício. As vítimas não são locais - são pessoas de outras cidades, derrotadas, capturadas, mortas e enterradas sob o santuário de Teotihuacan para a guerra.

3- Os Túneis Secretos Sob a Cidade


Debaixo do Templo do Sol e do Templo da Serpente Plumada, o povo de Teotihuacan construiu túneis longos e profundos que levam ao pátio principal. Eram lugares secretos usados ​​para propósitos misteriosos, selados por milhares de anos antes de serem descobertos.

Um sumidouro no sopé do Templo da Serpente Plumada revelou-os. Tinha 330 pés do templo para o pátio, levando qualquer um que entrasse através de uma enorme câmara em forma de cruz.

Esses túneis não eram apenas usados ​​para se movimentarem. Parecem ter sido lugares onde os sacrifícios eram feitos aos deuses. Dentro da câmara em forma de cruz, há oferendas deixadas para trás: colares elaborados, figurinhas, cerâmica e pele humana.

Por razões desconhecidas, o caminho para essas passagens foi selado à força com grandes pedras há 1.800 anos. Alguém queria o caminho para as passagens fechado e queriam ter a certeza de que ninguém nunca lá entraria novamente.

2- A Queda de Teotihuacan


Quando os astecas chegaram à Mesoamérica e encontraram Teotihuacan, a cidade estava em ruínas. Não tinham ideia do que tinha acontecido e de como uma cidade tão grande poderia ter desmoronado - e, hoje, só temos as nossas melhores suposições.

A teoria mais popular é a de que houve uma revolta violenta. Em cerca de 750, os plebeus que tinham sido forçados a viver nos arredores da cidade voltaram-se contra a elite.

Uma enorme seca atingiu a área ao redor do tempo e é provável que os pobres tenham sido deixados famintos. Invadiram o centro da cidade, queimando-a. Os edifícios governamentais maciços que pertenceram à elite foram alvejados e os seus trabalhos de arte e esculturas foram destruídos.

Quando a cidade caiu, o povo partiu. Separaram-se e formaram novas comunidades, comemorando as suas novas cidades com sacrifícios humanos. Num caso, 150 pessoas foram abatidas para consagrar uma nova terra. Então, em pouco tempo, as pessoas que haviam vivido juntas voltaram-se umas contra as outras e uma nova era de guerra e caos começou.

1- Os Aztecas Copiaram a Sua Religião


Por quase 600 anos, a cidade ficou em ruínas. No ano de 1300, os astecas mudaram-se. Podem tê-la encontrado por acaso, vendo, perdidos na selva, edifícios enormes que se erguiam mais alto do que qualquer coisa que alguma vez tinham visto nas suas vidas, no centro de uma cidade diferente de qualquer outra que conhecessem.

Os astecas, incapazes de imaginar meros mortais a fazerem algo como Teotihuacan, assumiram que era uma cidade dos deuses. Acreditavam que era o lugar onde os deuses se sacrificavam para que pudessem renascer. E esse foi o lugar onde criaram o mundo.

Acredita-se que os astecas formaram a sua religião a partir das crenças deixadas para trás em Teotihuacan. Como as pessoas ali, adoravam a Serpente Plumada, a quem chamavam Quetzalcoatl. Copiaram as suas pirâmides. Seguiram os seus hábitos de sacrifício humano. Encontraram na grande cidade as suas próprias casas e trataram-nas como relíquias sagradas.

Mais de 600 anos após a última pessoa ter deixado Teotihuacan, a sua influência ainda estava a remodelar o mundo.

Sem comentários:

Enviar um comentário